Literatura e cinema ajudaram a tornar Notre-Dame conhecida no mundo

Catedral de Notre-Dame é o lugar mais visitado da França: 13 milhões de pessoas de todo o mundo visitam a igreja, uma média de 30 mil por dia.


Por Jornal Nacional
 
Literatura e cinema ajudaram a tornar Notre-Dame conhecida no mundo
Literatura e cinema ajudaram a tornar Notre-Dame conhecida no mundo

Em mais de oito séculos de história, a literatura e o cinema ajudaram a transformar a principal igreja de Paris num símbolo reconhecido mundialmente.
Parecia um milagre: Notre-Dame finalmente passaria finalmente por uma grande restauração. Santos de três metros ganharam as alturas.
Mas o chamado foi da Igreja e não dos céus. O apoio financeiro era urgente: o vento batia e a catedral se despia em pedregulhos. Bastava o toque de um dedo para um pedaço de calcário desmoronar.
A decadência do prédio não era novidade. Há quase 200 anos, Victor Hugo denunciou “mutilações, amputações” na “nossa Dama”. O célebre escritor enxergava cicatrizes “ao lado de cada ruga na face desta velha rainha de nossas catedrais”.
O livro “Notre-Dame de Paris” lançou luz sobre o estado decrépito do edifício. Mas Victor Hugo também ajudou a construir a fama do lugar. A história do Quasimodo, o sineiro desfigurado inspirou adaptações no cinema.
O “Corcunda de Notre-Dame” constrangeu autoridades na época. O romance provocou uma restauração em 1844, que usou pedras de baixa qualidade e até cimento.
Mas nada abalou a reputação de Notre-Dame, hoje o lugar mais visitado da França: 13 milhões de pessoas de todo o mundo visitam a catedral, uma média de 30 mil por dia.
Uma Notre-Dame em chamas causa um choque próximo ao de um Big Ben pegando fogo. Esse ícone londrino também passa por obras, o que deixa essa tragédia ainda mais familiar. Mas, na verdade, cada país pode imaginar a perda dos seus símbolos. Então, fica fácil para o mundo inteiro sentir essa tristeza de Paris.
O incêndio desta segunda-feira (15) devorou um trabalho de 182 anos. Quase dois séculos. Uma catedral construída por franceses humildes. Pedra sobre pedra.
O resultado foi um marco na arquitetura gótica; uma obra-prima de mais de 850 anos. As gárgulas observavam lá de cima a História da França. Pássaros monstruosos disfarçavam os canos por onde escoava chuva. Mas esta segunda não era dia da água. As gárgulas não conseguiram afastar os maus espíritos – e se viram aterrorizadas pelo descaso humano.

Comentários

Mais Visitadas

Principal nome da literatura feita para crianças no Ceará, Horácio Dídimo, morto em 2018, pode ser homenageado em Dia Estadual da Literatura Infantil

VIVER A SEMANA SANTA

Praça Luiza Távora, em Fortaleza, abrigou castelo

Festival de literatura promove ‘maratona’ com 40 atividades em Bauru

Cientista político lança livro sobre a influência da Lava Jato no eleitor