Pular para o conteúdo principal

Novo casal imperial do Japão sustenta o peso das tradições

Naruhito não esconde suas críticas ao asfixiante modo de vida da família imperial japonesa.


O príncipe herdeiro do Japão, Naruhito, e sua esposa, a princesa Masako, em 17 de fevereiro de 2019 no Palácio de Togu, sua residência em Tóquio

O príncipe herdeiro do Japão, Naruhito, e sua esposa, a princesa Masako, em 17 de fevereiro de 2019 no Palácio de Togu, sua residência em Tóquio (Agencia de la Casa Imperial de Japón/AFP/Arquivos)
O futuro imperador do Japão, o príncipe Naruhito, deverá manter um difícil equilíbrio entre as tradições de uma instituição milenar e sua vontade de aproximar a família da realidade do mundo atual, ao mesmo tempo em que protege a sua esposa, que enfrenta as dificuldades de um rígido papel a ser seguido.
Naruhito, de 59 anos e que herdará o trono em maio, já expressou preocupação, assim como seu pai Akihito, sobre como assumir o papel de um Japão passado.
Em 2015 ele considerou "importante, já que a recordação vai se apagar", que os japoneses "olhem com humildade" para as décadas passada, sem esconder os abusos cometidos pelo Exército imperial durante a primeira metade do século XX.
Também desejou que "as gerações que viveram a guerra transmitam corretamente para aquelas que não sofreram a trágica experiência vivida pelo Japão e o caminho que tomou na história".
Em fevereiro, expressou sua vontade de estar "próximo do povo e compartilhar suas alegrias e seus pesares", como os atuais imperador e imperatriz, que visitam zonas atingidas por desastres naturais e se encontram com pessoas deficientes ou marginalizadas.
Aberto ao mundo
Naruhito não esconde suas críticas ao asfixiante modo de vida da família imperial japonesa, especialmente no que diz respeito ao sofrimento da princesa Masako, que enfrenta grandes dificuldades para se adaptar a esse ambiente.
"Em várias ocasiões apontou que a casa imperial tinha que se adaptar com as transformações da sociedade. Não esperamos, portanto, que seja uma réplica exata de seu pai, ainda que mantenha certa continuidade", disse à AFP Kenneth Ruoff, diretor do centro de estudos japoneses da Universidade de Portland, nos Estados Unidos.
"Por exemplo, fará as coisas com uma perspectiva mais internacional", considerou.
Nascido em 23 de fevereiro de 1960, Naruhito foi o primeiro príncipe que cresceu sob o mesmo teto que os seus pais, ao invés de ser educado por instrutores e tutores.
Na década de 1980 estudou durante dois anos na Universidade de Oxford, no Reino Unido, após obter um diploma em história no Japão.
Assim, pode viver por um tempo longe das rígidas amarras da vida imperial em seu país, misturando-se com outros estudantes e com a família real britânica.
Em 1993 se casou com Masako Owada, nascido em 1963 em uma família de diplomatas e formada nas universidades de Harvard e Oxford. Poliglota, acostumada a viajar pelo mundo renunciou a uma promissora carreira como diplomata para entrar na família imperial.
Mas é difícil para Masako suportar uma existência cheia de regras estritas da Agência da Casa Imperial.
Entre outras coisas, sofreu enorme pressão para ter um filho, já que a sucessão imperial no Japão é patrilineal. O estresse aumentou quando, em 2001, deu à luz uma menina, a princesa Aiko, única descendente do casal.
Obrigações
Em 2004, Naruhito, que havia prometido "protegê-la a qualquer preço", acusou o protocolo de asfixiar a personalidade de sua esposa, causando comoção na Corte.
"Nos últimos 10 anos, a princesa Masako se esforçou para se adaptar à vida da família imperial. Eu fui testemunha, esta empreitada a deixou totalmente esgotada", declarou.
E a jornalistas japoneses e estrangeiros acrescentou: "Também é preciso dizer que sua antiga carreira e sua personalidade dinâmica foram, em certo sentido, negadas".
No mesmo ano, o Palácio revelou que Masako recebia um tratamento quase desde que contraiu matrimônio para uma doença chamada como "problema de adaptação". Após uma repreensão da família, Naruhito voltou atrás e pediu desculpas por suas declarações, mas nunca deixou de expressar compaixão para com sua esposa e pediu "novas obrigações imperiais" adaptadas à evolução da sociedade.
Naruhito e Masako "não vão poder realizar tantas atividades como o casal imperial atual" devido à saúde de Masako, considera Hideya Kawanishi, professor de história da Universidade de Nagoya.
Vão "cumprir com suas obrigações de maneira progressiva", advertiu o príncipe em coletiva de imprensa no ano passado, antes de uma visita à França sem a companhia de Masako.
Em uma declaração publicada por ocasião de seu aniversário em dezembro, Masako disse que se recuperava progressivamente e considerou que poderá "cumprir com mais obrigações do que antes".

AFP

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…