Pular para o conteúdo principal

Seminário Ceilândia Nacional de Literatura Periférica será nesta sexta

O evento conta com a rapper Rebeca Realleza, Eduardo Taddeo, Renan Inquérito, Patrícia Sander e Ravier Hernandez



(foto: Thiago Martins/Divulgação)
Quem colar, nesta sexta-feira, no Seminário Ceilândia Nacional de Literatura Periférica terá a oportunidade de apreciar performances inéditas da rapper Rebeca Realleza. Ao lado dos conterrâneos Eduardo Taddeo (ex-Facção Central), Renan Inquérito, Patrícia Sander e Ravier Hernandez, a ceilandense comporá a mesa de palestrantes que lembrará aos presentes que a palavra “rap” significa ritmo e poesia. Vai ter também o ritmo e a poesia da Família PR15, lançamento do clipe dos Sobreviventes de Rua, discotecagem dos DJs Black e Nem e, para completar a constelação, o Japão do Viela 17 será o mestre de cerimônia.

Realleza  lerá “poesias pretas”, ou seja, poemas feitos por autoras como Prethaís, Mei Mei Bastos e outras surpresas que está preparando. Tudo made in perifa, e nada mais perifa do que ela mesma, que iluminará o público com suas letras, poemas e ainda revelará para os ouvintes os meandros do seu processo criativo e sobre a sua vivência. Vida e obra se permeiam sempre dentro do movimento hip-hop. Reallezza começou a escrever desde pequena, como forma de expressar suas reflexões e vivências cotidianas.

A maior influência foi a mãe, empregada doméstica que a criou sozinha até os oito anos de idade e depois se tornou professora de história. O que nunca mudou é que ela sempre amou os livros e incutiu essa devoção na pequena Realleza. A poesia veio antes do ritmo para ela, que dividirá poemas e letras inéditas com o público, criadas a partir de fragmentos.

O Seminário faz parte do projeto Elemento 5 – hip-hop visto por dentro, que realizou diversas oficinas em escolas de Ceilândia em 2018 e oferece cursos de formação ligados ao hip-hop na sede da associação Vila dos Sonhos, realizadora do projeto. No dia 23 haverá também o Sarau Nacional, com muito hip-hop para recepcionar os novos alunos. O nome Elemento 5 vem da postura do coletivo diante dos famosos “elementos do hip-hop”. Classicamente, considera-se que o hip-hop tem quatro elementos: rap, DJ, grafite e break. Algumas correntes defendem vertentes como o skate e o beat box como um quinto elemento, mas para a Vila dos Sonhos, esse elemento é o basquete, também conhecido como street ball.

Não é para menos. O DJ Dione Black, fundador e presidente da associação, viveu uma guinada em sua vida graças ao esporte. Em 2005, aos 21 anos, Black vivia de bicos, quando apareceu a oportunidade de trabalhar como instrutor de basquete no programa Segundo Tempo. O problema é que ele não sabia nada sobre o jogo. “Eu queria mesmo era trabalhar. Com isso, fui obrigado a aprender na perspectiva de quem aprende para ensinar”. Hoje, na Vila dos Sonhos, ele aprende a ensinar como manusear pickups e outros elementos do hip-hop, universo que frequenta desde os 10 anos.

* Estagiário sob a supervisão de Severino Francisco

Seminário Ceilândia Nacional de Literatura Periférica
Sexta feira, a partir das 17h, no teatro Sesc Ceilândia. A entrada é franca.

Duas perguntas / Rebeca Realleza

Fora as letras de rap, você escreve poemas?
Escrevo, mas sempre coloco a melodia depois. Algumas são reflexões, outras já nascem com a batida que vem com uma inspiração. Mas rap é isso: ritmo e poesia.

Como foi seu primeiro contato com a literatura?
Eu escrevo desde nova, antes mesmo do rap. Sempre escrevi aquela “poesiazinha” de criança. Sempre gostei de ler. Minha mãe era doméstica, mas sempre me incentivou a ler. Eu também tinha um relacionamento muito próximo com os professores de literatura, que me davam livros de presente.

Fonte: Correio Braziliense

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…