Pular para o conteúdo principal

Seminário Ceilândia Nacional de Literatura Periférica será nesta sexta

O evento conta com a rapper Rebeca Realleza, Eduardo Taddeo, Renan Inquérito, Patrícia Sander e Ravier Hernandez



(foto: Thiago Martins/Divulgação)
Quem colar, nesta sexta-feira, no Seminário Ceilândia Nacional de Literatura Periférica terá a oportunidade de apreciar performances inéditas da rapper Rebeca Realleza. Ao lado dos conterrâneos Eduardo Taddeo (ex-Facção Central), Renan Inquérito, Patrícia Sander e Ravier Hernandez, a ceilandense comporá a mesa de palestrantes que lembrará aos presentes que a palavra “rap” significa ritmo e poesia. Vai ter também o ritmo e a poesia da Família PR15, lançamento do clipe dos Sobreviventes de Rua, discotecagem dos DJs Black e Nem e, para completar a constelação, o Japão do Viela 17 será o mestre de cerimônia.

Realleza  lerá “poesias pretas”, ou seja, poemas feitos por autoras como Prethaís, Mei Mei Bastos e outras surpresas que está preparando. Tudo made in perifa, e nada mais perifa do que ela mesma, que iluminará o público com suas letras, poemas e ainda revelará para os ouvintes os meandros do seu processo criativo e sobre a sua vivência. Vida e obra se permeiam sempre dentro do movimento hip-hop. Reallezza começou a escrever desde pequena, como forma de expressar suas reflexões e vivências cotidianas.

A maior influência foi a mãe, empregada doméstica que a criou sozinha até os oito anos de idade e depois se tornou professora de história. O que nunca mudou é que ela sempre amou os livros e incutiu essa devoção na pequena Realleza. A poesia veio antes do ritmo para ela, que dividirá poemas e letras inéditas com o público, criadas a partir de fragmentos.

O Seminário faz parte do projeto Elemento 5 – hip-hop visto por dentro, que realizou diversas oficinas em escolas de Ceilândia em 2018 e oferece cursos de formação ligados ao hip-hop na sede da associação Vila dos Sonhos, realizadora do projeto. No dia 23 haverá também o Sarau Nacional, com muito hip-hop para recepcionar os novos alunos. O nome Elemento 5 vem da postura do coletivo diante dos famosos “elementos do hip-hop”. Classicamente, considera-se que o hip-hop tem quatro elementos: rap, DJ, grafite e break. Algumas correntes defendem vertentes como o skate e o beat box como um quinto elemento, mas para a Vila dos Sonhos, esse elemento é o basquete, também conhecido como street ball.

Não é para menos. O DJ Dione Black, fundador e presidente da associação, viveu uma guinada em sua vida graças ao esporte. Em 2005, aos 21 anos, Black vivia de bicos, quando apareceu a oportunidade de trabalhar como instrutor de basquete no programa Segundo Tempo. O problema é que ele não sabia nada sobre o jogo. “Eu queria mesmo era trabalhar. Com isso, fui obrigado a aprender na perspectiva de quem aprende para ensinar”. Hoje, na Vila dos Sonhos, ele aprende a ensinar como manusear pickups e outros elementos do hip-hop, universo que frequenta desde os 10 anos.

* Estagiário sob a supervisão de Severino Francisco

Seminário Ceilândia Nacional de Literatura Periférica
Sexta feira, a partir das 17h, no teatro Sesc Ceilândia. A entrada é franca.

Duas perguntas / Rebeca Realleza

Fora as letras de rap, você escreve poemas?
Escrevo, mas sempre coloco a melodia depois. Algumas são reflexões, outras já nascem com a batida que vem com uma inspiração. Mas rap é isso: ritmo e poesia.

Como foi seu primeiro contato com a literatura?
Eu escrevo desde nova, antes mesmo do rap. Sempre escrevi aquela “poesiazinha” de criança. Sempre gostei de ler. Minha mãe era doméstica, mas sempre me incentivou a ler. Eu também tinha um relacionamento muito próximo com os professores de literatura, que me davam livros de presente.

Fonte: Correio Braziliense

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/