Pular para o conteúdo principal

SP-Arte 2019: museus brasileiros ganham dezenas de doações

Só o Museu de Arte do Rio, o MAR, recebeu 42 obras, mais que o dobro da última edição.
SP-Arte 2019 fechou as portas no último domingo, 7.
SP-Arte 2019 fechou as portas no último domingo, 7. (Leo Eloy para SP-Arte 2019)

Não é incomum na SP-Arte, maior feira de arte da América Latina, que algumas das obras compradas por ali acabem em acervos de museus e instituições culturais pelo mundo. Mas, em 2019, o número foi surpreendente. Se no ano anterior o total de peças doadas chegava a 20, este ano, o Museu de Arte do Rio, o MAR, sozinho, mais do que dobrou esse número.

Até as 18 horas do domingo, 7, último dos cinco dias de evento, o diretor do museu, Paulo Herkenhoff, já havia contabilizado 42 doações para a sua instituição. Minutos depois, o estande da galeria paulista Verve, que já havia negociado três doações para o museu, estava comemorando a quarta.

O interesse principal do museu era em artistas jovens, com o trabalho ainda em ascensão. "As galerias entendem que o MAR é um museu-farol, que está investigando a ponta de lança", acredita Herkenhoff, que ficou interessado especialmente nas discussões de sexualidade e gênero de alguns artistas da Verve, como Francisco Hurtz, com sua arte queer, e a transexual Élle de Bernardini.

O interesse do MAR em jovens artistas fez com que galerias como a OMA, localizada no ABC Paulista, iniciassem uma corrida para conseguir doadores que pudessem adquirir as obras e repassá-las ao museu. "Para os jovens artistas, o passo mais difícil é ingressar no acervo de um museu, que geralmente só está interessado nos astros", explica o galerista Thomaz Pacheco. Só na OMA, cinco dos sete artistas levados para a SP-Arte tiveram obras doadas ao MAR. Duas de Bruno Novaes, uma de Thiago Toes, uma de Giovani Caramello, uma de Larte Ramos e uma de Andrey Rossi.

Para o Museu de Arte Moderna de São Paulo, o MAM, o resultado da feira também foi animador. O museu recebeu 11 doações. Foram quatro obras de Elizabeth Jobim, duas fotografias de Claudia Andujar, uma obra de Laura Vinci, uma de Rosangela Rennó, uma fotografia de Caio Reisewitz e ainda obras em vídeo de Letícia Parente e Regina Vater. "Alguns colecionadores querem perpetuar a obra. Quando dividida com o público, a obra circula muito mais que numa coleção privada", analisa a diretora do MAM-SP, Paula Azevedo.

A Pinacoteca do Estado, também em São Paulo, recebeu pelo menos seis doações, de galerias brasileiras como Milan e Mendes Wood.

Além disso, o evento teve a presença de grandes colecionadores do mundo da arte, como o argentino Eduardo Constantini, proprietário do quadro Abaporu, de Tarsila do Amaral, cedido por ele ao Museu de Arte Latino-Americana de Buenos Aires, o Malba. Para a instituição portenha, inclusive, ele adquiriu obras da brasileira Rivane Neuenschwander, na galeria Fortes D’Aloia e Gabriel, e quase todas as obras do peruano Fernando Bryce que estavam disponíveis no estande da galeria espanhola Espaivisor.

Por falar em Abaporu, no momento em que o quadro está no Brasil para a exposição Tarsila Popular, no Masp, havia poucas obras da pintora disponíveis na SP-Arte. A galeria Almeida e Dale levou a pintura Terra (1943), que não havia sido vendida, e ainda um estudo de Abaporu, adquirido por um colecionador do sul do País.

"Na SP-Arte e em qualquer outra feira, você tem compradores privados e também institucionais", afirma a diretora da feira, Fernanda Feitosa. O museu Tate, de Londres, era outro que estava no evento, onde adquiriu uma obra da paulista Analivia Cordeiro na galeria chilena Aninat. "Aqui é uma grande plataforma para grandes reverberações", acredita Feitosa. "Inserção profissional é uma e a consagração institucional ou comercial é outra."

Agência Estado

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…