Tortura: reflexão e silêncio

Padre Geovane Saraiva*
A imagem de Deus, radicalmente estampada na face da criatura humana, é sempre única. É a partir da afirmação do Livro Sagrado, segundo a qual Deus enxugará as lágrimas de todas as faces, que pensamos, reflexivos, nos desaparecidos do golpe de 64, ao percorrerem um lúgubre caminho, e não mais retornaram. Transformaram-se em sombras, as quais escureceram sempre mais, sem nunca mais brilhar, longe de toda e qualquer luminosidade.

Resultado de imagem para tortura nunca maisNada mais obscuro e tenebroso. Temos a advertência, nas palavras de um general, ao discordar da nefasta atividade executada: “Quem pratica tal ação transforma-se, diante do efeito da desmoralização infligida. Quem repete a tortura quatro ou mais vezes se banaliza, sente grande prazer físico e psíquico que é capaz de torturar até pessoas mais delicadas da própria família” (cf. Brasil: Nunca Mais). Não há ninguém na face da terra em sã consciência que consiga descrever o grito inumano do monstruoso, quão inominável procedimento.

Que a expressão “Tortura nunca mais” seja, de verdade, um refrão sempre e cada vez mais crescente, que, de alto e bom tom, se espalhe por todo o Brasil, numa empolgante afirmação de esperança, sem a qual o genuíno humanismo ceda. Vale a pena ultrapassar e superar toda e qualquer opinião de intolerância em questão, distanciando-nos de seu sombrio flagelo.

Como Igreja, na fidelidade ao seu fundador - de sempre mais zelar pelo dom da vida -, compartilhamos, solidários, os mesmos sentimentos de Nosso Senhor Jesus Cristo, que “passou pela terra fazendo o bem”, foi perseguido, torturado e morreu crucificado. Mas, ao ressuscitar, deu-nos a missão de contribuir com seu reino, no compromisso do verdadeiro amor: justiça, liberdade e paz. Ele, que “reconciliou o mundo consigo”, no seu amor inefável, na total divergência dos torturadores, quer constantemente enaltecer o ser humano de dignidade, a ponto de ele se enamorar. Amém!
*Pároco de Santo Afonso, Jornalista, Blogueiro, Escritor e Colunista, integra a Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza

Comentários

Mais Visitadas

Principal nome da literatura feita para crianças no Ceará, Horácio Dídimo, morto em 2018, pode ser homenageado em Dia Estadual da Literatura Infantil

VIVER A SEMANA SANTA

Praça Luiza Távora, em Fortaleza, abrigou castelo

Festival de literatura promove ‘maratona’ com 40 atividades em Bauru

Cientista político lança livro sobre a influência da Lava Jato no eleitor