Tudo em Cristo

Padre Geovane Saraiva*

Outrora Deus, para tirar o povo eleito do jugo da escravidão do Egito, multiplicou os prodígios, prometendo-lhe novos e maiores favores. A promessa de Deus, que não é imaginária nem ilusória, se repete, desmedidamente, na retirada do seu povo do exílio da Babilônia. Animando-o como sonho da esperança, liberta-o, como na voz do profeta Isaías: “Eis que farei coisas novas, e que já estão surgindo. Vou abrir uma estrada no deserto e farei correr rios na terra seca; vou saciar a sede dos meus escolhidos” (cf. Is 43, 19-20).

Resultado de imagem para jesus e mulher adúltera pecadoraPalmilhando todas as vicissitudes da história de Israel, fica claro que a profecia ilumina o futuro messiânico, do qual Deus nos faz o novo povo de Israel, a Igreja, uma realidade aos olhos da fé absolutamente nova. Tal imagem é ilustrada no concreto episódio sagrado da mulher adúltera, que foi levada a Nosso Senhor Jesus Cristo, para que fosse julgada. Esse julgamento foi antecedido de um profundo silêncio, seguindo-se da expectativa dos acusadores e da própria mulher, a qual era duramente acusada na surpreendente e ao mesmo tempo simples expressão do Filho de Deus: “Quem dentre vós não tiver pecado seja o primeiro a atirar-lhe uma pedra. (...) Ninguém te condenou? Nem eu te condeno. Vai e não peques mais (cf. Jo 8, 1-11). 

Eis o novo povo de Deus no caminho da justiça e da vida, livre do pecado, que, de um modo progressivo, se assemelha a Cristo, que, no dizer do apóstolo Paulo, se configura com Cristo na morte e na ressurreição (cf. Fl 3, 10). Tal caminho requer sempre novas superações, exige renúncia de tudo aquilo que se opõe ao seu mestre e Senhor, numa vida que pede, de verdade, coragem, na restauração todas as coisas em Cristo.

Ó Deus, por considerarmos tudo como perda diante da vantagem suprema que consiste em conhecer a Cristo Jesus, meu Senhor (cf. Fl 3, 8), somos conscientes de que muito amais vossas criaturas, na vossa justiça que sempre nos acompanhais com misericórdia e perdão. Sendo vós, Senhor, nossa única e última esperança, que tenhais compaixão de nós, vossos filhos, segundo a pródiga grandeza de vossa misericórdia! Amém!

*Pároco de Santo Afonso, Jornalista, Blogueiro, Escritor e Colunista, integra a Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza

Comentários

Mais Visitadas

Principal nome da literatura feita para crianças no Ceará, Horácio Dídimo, morto em 2018, pode ser homenageado em Dia Estadual da Literatura Infantil

VIVER A SEMANA SANTA

Praça Luiza Távora, em Fortaleza, abrigou castelo

Festival de literatura promove ‘maratona’ com 40 atividades em Bauru

Cientista político lança livro sobre a influência da Lava Jato no eleitor