Pular para o conteúdo principal

Em livro, contista cearense Marco Severo aborda as diferentes faces do amor


“Se eu te amasse, estas são as coisas que te diria” é o novo livro de Marco Severo, com lançamento marcado para esta quinta-feira (30)


Marco Severo passeia pelas nuances do amor injetando um olhar plural sobre o sentimentoFoto: Isanelle Nascimento
A pena de Marco Severo é afoita em revirar destroços, fraturas internas. Na ótica do contista, as tintas da realidade estão longe de mirar o belo. É na penumbra do mundo e das relações interpessoais que ele demarca o lugar de uma escrita dada a retratar o cotidiano à la Rubem Fonseca, com inclinação para o áspero e a solidão.
Por isso, este seu novo "Se eu te amasse, estas são as coisas que eu te diria" pode provocar olhares curiosos no público que o acompanha há algum tempo. Amor? Amar? "É um livro muito diferente dos outros que já publiquei. Eles têm uma pegada crua, algo mais impactante; esse vai por outro caminho, com uma linguagem musical, em tom de poesia", afirma.
Ainda assim, é o mesmo Severo de sempre, aquele observado em títulos como "Todo naufrágio é também um lugar de chegada" (2016) e "Cada forma de ausência é o retrato de uma solidão" (2017), por exemplo, ambos publicados pela Editora Moinhos - a casa, vale ressaltar, também assumiu as rédeas do novo projeto. Isso porque, mesmo retratando o sentimento universal celebrado por tantos, Marco injeta na audiência algo que desestabiliza, rompendo o lugar-comum das abordagens sobre o amor.
"O José Saramago tem uma frase que eu repito sempre: 'Vivo desassossegado, escrevo para desassossegar'. A minha literatura não é aquela em que você vai ler numa rede pra relaxar e achar tudo bonito. Então, perpasso nesse livro por muitas das possibilidades da multiplicidade de camadas que o amor enlaça", explica.
O lançamento da obra está agendado para esta quinta-feira (30), das 19h às 22h, na Associação Atlética do Banco do Brasil (AABB - Fortaleza). Na ocasião, além de autografar os exemplares, o autor otimizará um diálogo sobre o tema, descortinando aspectos importantes relacionados aos textos integrantes da publicação.
Exaltação
Consideráveis fatores estimularam Marco Severo a adentrar num terreno antes inexplorado em suas criações. O principal relaciona-se ao mal-estar sentido pelo literato quando do acirramento político que marca o Brasil.
"Em 2016, em meio a um processo terrível a nível nacional, comecei a ter crise de pânico. Tinha palpitação, taquicardia, falta de ar, achava todo dia que ia morrer. Nisso, fui percebendo que algumas pessoas próximas a mim foram adoecendo e morrendo mesmo. Pensei, 'não quero isso pra mim, não'".
Na sequência, lembrou da provocação de uma pessoa que afirmou não conseguir ler os livros sob a assinatura do autor após chegar de um dia de trabalho porque era algo que "desassossegava demais". "Ela sugeriu que eu escrevesse algo mais leve, sobre o amor. Guardei aquilo comigo e depois comecei a elaborar a ideia. Decidi que ia escrever um livro com esse tema, mas do meu jeito".
Desta feita, os 14 contos do exemplar atraem à leitura exatamente devido a esse lapidar pessoal que Severo constrói em cada linha. São produções que ajudam a concretizar o pensamento de que nem tudo acaba em final feliz. Ainda que todas sejam histórias de amor, fato é que nenhuma delas tem uma conclusão esperada para obras do gênero, embora exaltem, de forma contundente, o sentimento.
img2img2
Entre os planos de Marco Severo, está a escrita de mais dois livros sobre o amor
Foto: Isanelle Nascimento
Como no belíssimo "O rio que corre para dentro do mar", narrativa envolvendo mãe e filho num enlace profundo com o oceano; ou no emotivo e memorialístico "Nunca longe demais de ti", descrição minuciosa do amor de um casal; e ainda em "Pássaro que sobrevoa a dor", pondo em relevo as descobertas amorosas e profundidades que atravessam esse processo.
"Tem ainda histórias de amor entre irmãos; entre duas pessoas do mesmo sexo que não puderam ficar juntas; de pai pra filho, que, na verdade, é bem mais próximo do desamor; tem o amor quase no final da vida, entre pessoas que se entendem e veem que não terão tanto tempo juntos", enumera o autor.
"Todas essas ideias são enlaçadas pela busca da questão da amorosidade. Em cada uma delas, tento buscar lá dentro alguma coisa que incomode e faça a gente sair um pouco desse lugar-comum de enxergar apenas o amor romântico, até porque eu não trago só ele. É uma questão maior".
Projetos
A expectativa de Marco é que a obra tenha uma boa vida, o que deve abrir passagem para outros projetos.
No momento, está escrevendo um livro de crônicas e outro de minicontos. Também tem finalizado um de realismo mágico. E, para 2022, planeja lançar outra obra sobre histórias de amor, como parte de um trio de publicações sobre o tema.
"Pode ser que o terceiro seja voltado para a linguagem do primeiro; o segundo não, porque já está bem adiantado, e é uma homenagem ao Nelson Rodrigues", adianta. Que venham e nos surpreendam.
Serviço
Lançamento do novo livro de Marco Severo
Nesta quinta-feira (30), das 19h às 22h, na Associação Atlética do Banco do Brasil (AABB - Fortaleza) (Avenida Barão de Studart, 2917, Dionísio Torres). Aberto ao público. Contato: (85) 3044-9150.

Image-0-Artigo-2537337-1Image-0-Artigo-2537337-1
Se eu te amasse, estas são as coisas que eu te diria 
Marco Severo 
Editora Moinhos 
2019, 132 páginas 
R$ 40 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…