Pular para o conteúdo principal

Escritor e poeta da Galícia recebe Medalha Alberto Nepomuceno da Uece

Cesareosancheziglesias2011.png
Em manhã de Arte e Cultura, a Universidade Estadual do Ceará (Uece) entregou a Medalha “Alberto Nepomuceno”, na Categoria Mérito Artístico, ao escritor poeta galego, Cesáreo Sánchez Iglesias. A sessão solene da homenagem ocorreu na manhã da última sexta-feira, 24 de maio, no Salão Nobre dos Órgãos de Deliberação Coletiva (SODC), Campus Itaperi, presidida pelo reitor Jackson Sampaio.
A honraria ao ilustre poeta foi aprovada por unanimidade pelos membros do Conselho Universitário (CONSU) da Uece, em sessão realizada no dia 06 de maio de 2019. A mesa de trabalhos do evento foi composta, além do reitor, Jackson Sampaio, pelo vice-reitor, Hidelbrando Soares e pelo ex-reitor e membro nato do CONSU, Assis Araripe.
Conduziram o homenageado ao salão nobre do SODC, o vice-reitor, Hidelbrando Soares e o conselheiro Assis Araripe.
Em seu discurso, Cesáreo destacou, “Sinto-me honrado e especialmente comovido pela distinção que a Uece me concede. Celebro com ela, os meus 40 anos de publicação do meu primeiro poema e 45 anos de ter participado da fundação de espaços de liberdades democráticas, organizações cívicas, sindicais e culturais, de ativar e criar movimentos culturais e sociais no tempo da ditadura franquista, para que a cultura galega retornasse a vida, florescesse, depois de uma longa noite de pedra”.
O reitor Jackson Sampaio em sua fala enfatizou, “porque Cesáreo está sendo homenageado com a Medalha Alberto Nepomuceno na Uece? Porque há Galícia nas raízes cearenses, desde a fundação do Forte Santiago, na Barra do Ceará. Porque há Galícia nas nossas produções acadêmicas em letras, na experiência de mais de 20 anos ensino do galego em nosso Centro de Humanidades, na produção de pesquisa em Turismo e no convênio que celebraram a UECE com a Universidade de Santiago de Compostela. Também porque há Galícia em mim, por meio dos meus ancestrais paternos. Assim pude traduzir para o português, convertendo poesia em poesia, o ‘Caderno do Nilo’ cesareano”
O homenageado: Além de líder cultural, com participação em entidades literárias, atualmente preside a Associação de Escritores em Língua Galega, além da militante social na criação e organização do Sindicato dos Servidores Públicos da Galícia, Cesáreo Sánchez Iglesias é poeta de refinada sensibilidade e vasta produção, destacando-se no cenário galego, espanhol, ibérico e latino. Publicou 19 livros, participou de 29 antologias e recebeu três prêmios culturais. Lançado em 2013, “Caderno do Nilo” recebeu o prêmio Antón Losada Diéguez, de Criação Literária, em 2014.
O ponto alto da cerimônia foi apresentação do Grupo Doce de Flautas, dirigido pela professora Luciana Gifoni, com o seguinte repertório: O Bem e o Mal (Danilo Caymmi); No Meu Pé de Serra (Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira0; e Mascára Negra (Zé Keti).
Marcaram presença no evento, o presidente da Associação Cearense de Médicos Escritores (ACEMES) José Maria Chaves; da vice-presidente da Academia Cearense de Cultura, Verônica Barbazan; do professor da Universidade Regional do Cariri (Urca) e artista plástico, Pablo Manyé; do diretor presidente do Instituto de Estudos, Pesquisas e Projetos da Uece (Iepro), José Francisco dos Santos, do diretor presidente da Fundação de Cultura e Apoio ao Ensino Pesquisa e Extensão (Funcepe) e do presidente da Sociedade Cearense de Geografia e História, jornalista Vicente Alencar.
A solenidade contou com as presenças dos pró-reitores de Graduação (PROGRAD), Mônica Cavaignac, de Extensão (PROEX), Fernando Roberto, e de Planejamento (PROPLAN), Fernando dos Santos; dos diretores do Centro de Humanidades (CH), Adriana Barros; da diretora do Centro de Ciências da Saúde (CCS), Gláucia Posso, e da diretora do Centro de Educação (CED), Josete Castelo Branco; da diretora do Núcleo de Pesquisa, Célia Sampaio; dos conselheiros membros do CONSU, dos representantes dos segmentos docente, técnico-administrativo e discente; e convidados.
UECE

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…