Pular para o conteúdo principal

Escritores se reúnem na Biblioteca Estadual para discutirem o momento da literatura no Estado

Por Alexandra Silva

Foto: Divulgação
Escritores, livreiros e produtores culturais da área da literatura estiveram em um encontro, na ultima terça-feira (28), no auditório da Biblioteca-Parque Estadual com representantes da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do estado do Rio, (SECEC-RJ) para discutirem as novas perspectivas e ações da literatura no atual cenário do mercado editorial e os próximos eventos literários no âmbito do Estado. No encontro participaram o assessor da Secretária de Cultura e Economia Criativa, Rodrigo Gimenez, o Superintendente de Leitura e Conhecimento; Pedro Gerolimich; a Superintendente da Lei de Incentivo, Conceição Diniz; entre outros convidados.
"É fundamental que a cadeia produtiva participe do debate para pensar em alternativas e saídas para a crise do mercado editorial. Precisamos fortalecer os espaços públicos de democratização à leitura e pensar em soluções dentro da economia criativa, para que os escritores e toda a população consigam ter acesso a conteúdos e atividades de qualidade", ressaltou Pedro Gerolimich.
Durante o evento foi discutido o papel da literatura como fomento cultural; o papel dos escritores: como fazedores e promotores cultuais; suas demandas e, sobretudo, a inclusão desses atores culturais nos de espaços como a Festa Literária Internacional de Paraty - Flip e Bienal do Livro para a divulgação e venda de livros dentro desses grandes eventos.
Ao longo do encontro alguns escritores contaram suas experiências no mercado editorial e as dificuldades em atrair o interesse de patrocinadores, principalmente em nichos específicos de interesse, como contou a escritora Pituka Nirobe. Segundo Pituka, que escreve livros com temática africana e indígena. Os agentes de marketing de empresas e até mesmo editoras, alegam que os temas abordados nos seus livros, não geram interesse do público.
Em outro momento, a publicitária e escritora Mariana Balbino, que vende livro pela internet, demandou que a SECEC-RJ crie mecanismos para a inclusão de escritores iniciantes e independentes em eventos de literatura, para divulgação e venda de seus livros.
"Hoje em dia, as pessoas não compram livros de pessoas que não são famosas, tipo: youtubers ou digitais influencers. Podemos nos organizar para vender nossas obras e o governo poderia nos ajudar, cedendo espaços dentro das feiras para que a gente participe, porque para participar desses eventos é muito caro pagar por espaços de exposição e venda", contou Mariana.
Por mais políticas públicas
Durante o encontro foi constatado que o mercado patrocinador investe prioritariamente em autores consagrados que geram retorno para as empresas e que os escritores e produtores culturais têm dificuldade em acessar os setores de marketing de grandes empresas e os produtores culturais relataram a necessidade de meios que facilitem o acesso aos recursos.
"Nosso grande desafio é fazer com que o livro, que infelizmente ainda é um instrumento das classes mais altas, faça parte do cotidiano das pessoas. A ideia é que seja um hábito, como escovar os dentes. Que a pessoa tenha o costume de ler, de carregar um livro dentro da mochila", falou Pedro Gerolimich.   
Dentro desta perspectiva de incentivos e implementação de políticas públicas, através da Superintendência da Lei de Incentivo, a SECEC divulgou que está em aberto uma linha de captação através da lei 8.266/18 de incentivo a cultura, que visa à captação de recursos junto às empresas contribuintes do ICMS, cadastradas no estado. Essa medida visa facilitar e simplificar a arrecadação por produtores que podem trabalhar nas políticas de acesso a leitura, na gestão e implementação de bibliotecas, na publicação e venda de livros, entre outros.
Futuro
A expectativa é que outros encontros sejam realizados para o fortalecimento das diversas vertentes que envolvem a literatura e o mercado do livro. Com o avanço dos planos estaduais e municipais de leitura, como incentivos fiscais, a esperança é que os agentes envolvidos possam ampliar a realização das feiras literárias em todo estado; que as novas cenas literárias, especialmente, a literatura de periferia, os saraus e slans possam ter espaços nas grandes festas da literatura.
EuRIO

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…