Pular para o conteúdo principal

Homenagem a Euclides da Cunha dá tom político à Flip 2019

A Festa Literária Internacional de Paraty anunciou nesta quarta, 15, a programação de sua 17.ª edição, que será realizada de 10 a 14 de julho; ingressos começam a ser vendidos dia 3

Maria Fernanda Rodrigues, O Estado de S. Paulo
 
A escolha de Euclides da Cunha (1866-1909) como o escritor homenageado da 17.ª Festa Literária Internacional de Paraty acabou guiando mais fortemente a curadora Fernanda Diamant na sua programação de estreia, anunciada nesta quarta-feira, 15, em São Paulo – que promete um debate mais profundo sobre o Brasil, e mais político. 
“Minha relação com Euclides é muito forte. Ele faz não ficção ao mesmo tempo em que faz alta literatura. É autor de um clássico estudado nas universidades. Ele trata do Brasil e conheceu o País inteiro. Em Os Sertões, ele faz uma retrospectiva da história do Brasil para chegar naquele momento da revolta de Canudos. E achei que seria perfeito falar sobre tudo isso nesse momento que estamos vivendo”, disse Fernanda Diamant
Homenagem a Euclides da Cunha dá tom político à Flip 2019
 
Mauro Munhoz, Belita e Fernanda Diamant anunciam a programação da Flip 2019 Foto: Helvio Romero/Estadão
Seu primeiro contato Os Sertões, obra publicada em 1902 e que teve origem nas páginas do Estado, em 1897, quando Euclides cobriu a Guerra de Canudos para o jornal, foi no Teatro Oficina no início dos anos 2000. José Celso Martinez Corrêa não poderia ficar de fora da programação, ela diz, e essa relação entre Euclides e as diversas linguagens pautou a curadora, que leu o clássico em 2009 e foi a Canudos.
Maureen Bisilliat, fotógrafa inglesa de 88 anos radicada no Brasil, também está entre os convidados da Flip, e ela fala de sua experiência com Sertão: Luz & Trevas, livro publicado nos anos 1980 com fotos dela e trechos da obra de Euclides que ganha agora nova edição. E ainda o cineasta português Miguel Gomes, que prevê para 2020 o início das filmagens de Selvajaria, sua adaptação de Os Sertões
Abordando direta ou indiretamente o homenageado, a Flip promete ser mais política este ano. “Seria impossível homenagear Euclides sem esse viés, mas a ideia é focar menos o quente da hora e mais a reflexão histórica sobre o País”, explica Fernanda. Ao  todo, 33 autores de 10 nacionalidades  se revezam em 21 mesas – elas terão uma dinâmica um pouco diferente nesta edição da Flip. Algumas delas terão 1h15 de duração, como nos outros anos, e outras vão durar menos: 45 minutos (e poderão ser no formato conferência, performance ou entrevista). 
Gênero, raça, questão indígena, ciência, meio ambiente, luto e guerra são alguns dos temas das mesas que recebem, ainda, nomes como historiador José Murilo de Carvalho, a cordelista Jarid Arraes, os jornalistas Cristina Serra e David Wallace-Wells, os escritores Karina Sainz Borgo e Miguel Del Castillo, o biólogo e neurocientista Stuart Firestein, a cantora Adriana Calcanhotto e a atriz Grace Passô, entre outros. Confira a programação completa da Flip 2019.
A Flip deve custar R$ 5,4 milhões e, segundo os organizadores, a captação está em torno de R$ 4,7 milhões. Falta ainda verba para a realização de um show de abertura e de exposição de artes visuais, além de tratamento acústico e ar condicionado para a tenda principal – dois problemas da edição passada. 
Os ingressos da Flip 2019 começam a ser vendidos no dia 3 de junho e vão custar R$ 55 para o Auditório da Matriz, que será montado no formato de teatro de arena com capacidade para 512 pessoas. É possível assistir à programação também do Auditório da Praça, com 754 ingressos distribuídos gratuitamente por mesa. 

Cultura Estadão

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…