Pular para o conteúdo principal

Morre atriz Doris Day, a namoradinha da América

Defensora dos direitos dos animais, Doris Day morreu em casa ao lado de parentes e amigos.


Doris Day em cena em 'Confidências à Meia-noite' (1959)

Doris Day em cena em 'Confidências à Meia-noite' (1959) (Divulgação)
A atriz americana Doris Day, a estrela loura de voz diáfana que encarnou a namoradinha da América em musicais e comédias românticas nos anos 1950 e 1960, morreu nesta segunda-feira (13), aos 97 anos - informou sua fundação.
A Doris Day Animal Foundation afirmou que Doris estava bem de saúde até que pegou uma pneumonia recentemente. Ela morreu em sua residência em Carmel Valley, na Califórnia, cercada por amigos e parentes.
Além de atriz, Doris era ferrenha defensora dos direitos dos animais. "Os desejos de Doris eram de que ela não tivesse um funeral, ou um velório, e que não houvesse uma lápide em seu túmulo", disse a fundação.
"Para as pessoas da minha geração, Doris Day era sinônimo de ícone de Hollywood", postou no Twitter o ator George Takei, que encarnou o Sr. Sulu na série original de "Star Trek".
"Ela sem dúvida nos lembraria, neste dia de sua morte, 'Que sera, sera', mas sentiremos muita falta dela de qualquer maneira", acrescentou o ator.
"Seus 39 filmes - muitos ainda incrivelmente populares e exibidos com frequência hoje em dia - são uma prova de seu talento", declarou sua fundação.
Começou a cantar profissionalmente aos 15 anos, quando teve seu primeiro sucesso com "A secret love", e ganhou o mundo com "Que sera, sera", entre outros vários sucessos.
Durante grande parte de sua carreira, ela reinou como a principal atriz nas bilheterias de Hollywood e era adorada pelo público que pagava para vê-la em musicais, comédias, filmes de suspense e faroestes.
A estrela de sorriso largo e cativante e olhos incrivelmente azuis, cuja carreira abrangeu quase 40 filmes de 1948 a 1968, destacou-se em um gênero de filme em particular, o "bedroom farce", uma comédia romântica leve e sofisticada, mas com toques maliciosos, bem representada por "Confidências à Meia-Noite", que ela estrelou em 1959 ao lado de outro grande nome do gênero, Rock Hudson.
Com Hudson, viria a protagonizar outros filmes nos mesmos moldes: "Volta, meu amor" e "Não me mande flores".
Manteve uma longa amizade com Hudson, que viria a se tornar primeiro grande astro a morrer devido a uma doença relacionada à aids.
Ela também fez par romântico com atores como David Niven, Cary Grant e James Garner.
Protagonizou o musical "Ardida como Pimenta", um dos grandes sucessos de sua carreira, e também foi dirigida pelo mestre Alfred Hitchcock em "O homem que sabia demais", onde atuou ao lado de James Stewart.
Vida pessoal tumultuada
A personalidade faceira da atriz encobria uma vida pessoal tumultuada.
De origem alemã, a atriz nasceu em Cincinnati, Ohio, em 3 de abril de 1922 e foi batizada como Mary Ann Von Kappelhoff.
Seus pais se divorciaram quando ela tinha 13 anos, e ela foi criada por uma mãe muito agressiva.
Depois de um acidente de carro quase fatal, que acabou com suas esperanças de uma carreira como dançarina, ela decidiu se dedicar ao canto.
Quando tinha 20 anos, já tinha um filho e estava divorciada de um marido que abusava fisicamente dela - o primeiro de seus quatro casamentos fracassados.
Em 1948, ela fez seu primeiro filme, "Romance em alto-mar" - o primeiro de uma série de sucessos que mais tarde incluiu "Carícias de luxo", "Um pijama para dois" e "Ama-me ou esqueça-me".
Em seu aniversário de 29 anos, ela se casou com Martin Melcher, que se tornou seu empresário. Depois da morte do marido, em 1968, descobriu que ele tinha administrado desastrosamente seus negócios e que estava com milhões de dólares em dívidas.
Mais tarde, ela ganhou um processo de US$ 22 milhões contra um homem contratado por Melcher para investir seu dinheiro.
Day casou mais recentemente com o restaurateur Barry Comden e viveu com ele de 1976 a 1981.
Ela teve seu único filho com o músico Al Jorden, o renomado produtor musical Terry Melcher, famoso por criar o ritmo do rock californiano. Ele veio a morrer de câncer em 2004.
Após o suicídio de Jorden em 1967, Day se casou com seu produtor e agente Marty Melcher, de quem Terry adotaria o sobrenome.
Quero ser feliz
Toda a agitação na vida de Doris Day, no entanto, foi mantida em segundo plano.
A atriz sempre fez questão de manter uma imagem limpa, principalmente em sua escolha de papéis no cinema.
Ela ficou famosa por recusar o papel da sra. Robinson no filme "A Primeira Noite de Um homem" por achar muito atrevido.
Ela reforçou sua imagem de boa moça com um programa de variedades na televisão, "The Doris Day Show".
"Eu quero ser feliz. Quero me divertir no set. Quero usar roupas bonitas e ficar bonita", declarou a atriz.
Day nunca ganhou um Oscar, embora suas muitas honras incluam a Medalha Presidencial da Liberdade em 2004 e um Grammy pelo conjunto de sua obra.
Depois de se aposentar, ela se tornou uma ativista incansável dos direitos dos animais, administrando um hotel que aceita animais de estimação na Califórnia.
Também tentou manter distância dos holofotes e da imprensa. Mesmo com a pouca exposição, continuava sendo adorada pelos fãs.
"Minha mensagem é apenas: seja gentil com seus animais e deixe que eles saibam que você os ama. Por favor, cuidem de seus entes queridos, e não se preocupem comigo", declarou ainda.
Doris fez 97 anos em 3 de abril passado, data que celebrou com cerca de 300 fãs que anualmente se reuniam na cidade em que morava.
A renomada especialista em cinema Molly Haskel já a chamou de "a mais subestimada e desvalorizada atriz de Hollywood".
Ela recebeu apenas uma indicação ao Oscar, justamente por "Confidências à Meia-Noite".

AFP

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…