Pular para o conteúdo principal

Prêmio Literário Choix Goncourt du Brésil elege o primeiro vencedor: David Diop

Braço do mais prestigioso prêmio literário francês, o Goncourt, ele envolveu estudantes universitários brasileiros que escolheram 'Frère d’âme', livro de David Diop que mostra a Primeira Guerra pelo olhar de um combatente senegalês

Maria Fernanda Rodrigues, O Estado de S. Paulo

Frère d’âme (Irmãos de Alma), um livro sobre a Primeira Guerra que mostra o conflito pelo olhar de um combatente senegalês no exército francês – que vê seu melhor amigo ser morto e vai sofrer as consequências psiquicamente, e vai fazer sofrer – foi o livro escolhido por um júri de estudantes universitários brasileiros para a primeira edição do Prêmio Literário Choix Goncourt du Brésil
Braço do Prêmio Goncourt, o mais prestigioso e antigo da literatura francesa, e realizada em alguns países árabes e europeus, a premiação chega agora ao continente americano. Criado para promover a francofonia, o prêmio prevê apoio do Instituto Francês para a publicação/tradução do livro no Brasil e a ideia é que o autor, o francês David Diop,  de 53 anos, venha ao País para participar de eventos literários.
Prêmio Literário Choix Goncourt du Brésil elege o primeiro vencedor: David Diop
Livro de David Diop terá apoio para ser publicado e a ideia é que o autor venha ao Brasil Foto: Joel SavagetAFP
 
Um grupo de 10 alunos de universidades públicas de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília e Recife – a ideia é ampliar no ano que vem – leu quatro livros finalistas do Goncourt, acompanhados de seus professores, e elegeram Frère d’âme – que perdeu o prêmio original para Nicolas Mathieu.
“Foi o livro que mais nos emocionou pelo prazer de poder estar sob a pele de alguém que conta a guerra da forma como ela é, real, cheia de sofrimentos, contradições e imposições. Na pele de alguém que nos mostra o olhar do colonizado e que não é inocente e nem submetido. É o prazer de descobrir o mundo africano cheio de belas imagens e de poesia. Um respiro para o leitor, um oásis no meio da crueldade da guerra”, explica Larissa Esperança, aluna do último ano da faculdade de Letras (Francês/Português) da USP e membro da comissão julgadora. 
Ela completa: “Para nós, brasileiros, tem também o prazer de poder reconhecer a nossa posição de colonizado, sobretudo porque somos destituídos de nossas origens africanas”.
O anúncio do vencedor do Prêmio Literário Choix Goncourt du Brésil foi feito na noite de segunda-feira, em São Paulo, e contou com a presença de Jean-Christophe Rufin, vencedor do Goncourt em 2001 com o romance Rouge Brésil (Brasil Vermelho), sobre a França Antártica, colônia francesa do lado de cá do Atlântico. Diplomata, ele serviu como adido cultural do Consulado Geral da França para o Nordeste, experiência que inspirou a escrita deste seu livro premiado. 
Sem poder de voto, Jean-Christophe Rufin foi o presidente do primeiro júri da premiação. David Diop será o próximo. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…