Pular para o conteúdo principal

VIVENDO E APRENDENDO

Carlos Delano Rebouças*
Quando me perguntam sobre o que tenho a dizer da educação – essa amiga e inimiga de todos nós, que tanto a valorizamos e a afugentamos de nossas vidas – juro que me sinto suspeito de falar, pois sei que como está sendo importante na minha vida.

Ainda criança, lembro-me, certa vez na companhia do meu pai, vi um trabalhador de depósito de construção sobre uma carroça puxada por um animal, que nos serve como antônimo de inteligente, meu pai disse: “Se não estudar será como ele, um carroceiro”. Sei que a intenção do meu não era a de depreciar a pessoa daquele trabalhador, nem mesmo da função que exercia, apenas a de causar um choque de realidade em uma criança que pudesse vir a acreditar que poderia vencer na vida dignamente sem reconhecer o real valor transformador da educação.

Hoje vivemos novos tempos – de dificuldades que parecem ser de todos, até mesmo de quem frequentou à escola e seguiu rigorosamente os conselhos dos pais – ao contrário que parecia ser daquele carroceiro que me serviu de exemplo e ajudou-me a valorizar a educação e a ser assíduo até hoje no ambiente escolar. Não mais o carroceiro de hoje é o analfabeto de ontem, ou seja, muitos, aliás, milhões de nós, brasileiros, somos “puros-sangues puxando carroça”, como metaforicamente o trecho da canção dos Engenheiros do Hawaii nos ensina. Muito obrigado, Humberto Gessinger por essa contribuição!

 O filósofo chamado Immanuel Kant um dia disse “que que o homem e nada mais do que a educação faz dele”. Sêneca também falou “que a educação exige os maiores cuidados, porque influi sobre toda a vida”. Já o escritor realista, Gustave Flaubert, deixou bem claro “que a vida deve ser uma grande educação”. Mas o que importar o pensamento “dessa gente” sobre a educação, não é? Assim muitos pensam sob a tutela da ignorância.

Mas voltando ao momento de infância vivido com o meu pai, diante da  experiência de ter visto aquele honrado trabalhador, que hoje parece modernizado e muito mais alfabetizado, quem sabe com um diploma de nível superior, entendemos que de fato não somos nada mais do que o  que educação faz de nós, visto que a  que temos em nosso país não vem sendo cuidada como deveria ser, vide os cuidados que vêm recebendo ao longo dos anos, sobretudo hodiernamente, mesmo muitos de nós, brasileiros, convictos de que a vida inegavelmente é uma grande educação.

*Professor de Língua Portuguesa e redação, conteudista, palestrante e facilitador de cursos e treinamentos, especialista em educação inclusiva e revisor de textos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…