Pular para o conteúdo principal

A consciência feminina no século 19

'A véspera', clássico de Ivan Turguêniev, apresenta personagem singular ao abordar o ceticismo e o preconceito com as diferenças.
Detalhe de ‘Retrato de Ivan Turguêniev’, realizado pelo pintor russo Ilya Repin, também autor da pintura que ilustra a capa do livro
Detalhe de ‘Retrato de Ivan Turguêniev’, realizado pelo pintor russo Ilya Repin, também autor da pintura que ilustra a capa do livro (Domínio Público)

Por Jacques Fux*
Em outubro de 2013, um estudo em neurociência publicado pela prestigiosa revista Science mostrou que os participantes que liam mais “ficção literária” (em detrimento à literatura de “entretenimento” ou de “autoajuda”) desempenhavam um papel melhor nos testes que mediam as suas capacidades de percepção social e empatia. De acordo com o estudo, esses leitores desenvolveram uma eficiência maior na habilidade de compreender o que um outro ser humano estaria pensando e sentindo.
Para os autores do artigo, David Comer Kidd e Emanuele Castano, a literatura de “autoajuda” e “entretenimento” retrata situações pouco profundas e tem uma fórmula básica: conduzir os leitores por uma montanha-russa de emoções e experiências rasas. Porém, apesar de despertar sensações distintas, a densidade de seus personagens é pobre – são bastante consistentes e previsíveis –, confirmando as expectativas do leitor e não os possibilitando desenvolver habilidades como a empatia.
Já a “ficção literária”, pelo contrário, dá foco e atenção especial à psicologia, à densidade, dúvidas e incertezas de seus personagens e de seus pensamentos, reflexões e relacionamentos. “Muitas vezes as mentes desses personagens são retratadas vagamente, sem muitos detalhes, e somos obrigados a preencher as lacunas para entender suas intenções e motivações”, diz Kidd. Dessa forma, o leitor deve imaginar/ficcionalizar e se colocar no lugar dos personagens, sentido/vivendo suas angústias e intemperanças.
Não há dúvida que a densidade psicológica, a estrutura, o engendramento narrativo e os simulacros que o cânone da literatura russa nos oferece – na voz de Gogol, Pasternak, Tolstói, Dostoiévski, Tchekhov, Bulgákov Maiakóvski, Turgeniêv – é capaz de transformar seus leitores. Não ficamos impassíveis: sofremos as dores e recriamos as chagas morais e éticas de Raskólnikov; ficamos consternados e também amamos e odiamos os amores do Doutor Jivago; angustiados, viajamos pelas milhares de páginas das histórias e da complexidade dos personagens de uma Guerra e paz eternizados na cultura mundial.
Ivan Sergeiévich Turguêniev nasceu em 1818, em Oryol, a cerca de 500 quilômetros de Moscou. Amigo próximo de Flaubert, foi um escritor muito conhecido nos círculos literários da França e se tornou o primeiro escritor russo a ser cultuado no Ocidente em virtude da qualidade magistral de seus textos. Morreu em 1883 em Bougival, França, com 64 anos.
Turguêniev, mestre em construir personagens e diálogos filosóficos e impetuosos, autor do clássico Pais e filhos, talvez o grande livro sobre o niilismo, reaparece em A véspera, na bela tradução de Paula Vaz de Almeida e Ekaterina Vólkova. O autor reconstrói uma história “real” – ele recebeu um caderno autobiográfico de uma jovem russa que tinha cometido uma “afronta” ao ter preterido o seu vizinho Karatiéiev por um jovem estudante da Bulgária.
Repleto de passagens que nos fazem refletir sobre temas caros ao autor – niilismo e o ceticismo – o livro ainda antecipa a situação da Rússia à “véspera” da desastrosa Guerra da Crimeia e também da emancipação dos servos, que data de 1861.
Talvez, a grande importância do livro esteja na “invenção” da personagem Elena. De acordo com crítico literário Pavel Vasilyevich Annenkov, o ineditismo de Turguêniev está na construção robusta dos gêneros de seus personagens: o masculino é visto como inteligente, porém com caráter fraco e sempre perdido; e o feminino é representado na figura de heroínas fortes, corajosas e sedutoras, como é o caso de Natalia Lasunskaya, do romance Rúdin, Elena Stakhova, de A véspera, ou Liza Kalitina, do Um ninho de nobres.
Elena, ao se ver encantada/apaixonada pelo sonhador revolucionário búlgaro, enfrenta a fúria de sua família – seu pai havia escolhido um outro noivo para ela –, corrompe a tradição russa de se casar com pessoas da mesma cultura e combate a posição da mulher em um tempo em que nada disso era considerado. Nós, leitores, nos debruçamos empaticamente sobre a história e nos solidarizamos com Elena, que mostra uma posição firme, esclarecida e certa de que precisa questionar e subverter os então “direitos” e deveres da mulher.
Ler Turguêniev é vislumbrar veredas que transformam. É tentar compreender a metafísica do ser, a política e as relações humanas, as paixões e as desilusões inerentes da vida.  Podemos “acreditar”, ou não, que ler tal tipo de literatura nos proporcionará um maior desenvolvimento das nossas habilidades empáticas e sócias, como proposto pelo artigo citado. Porém, o fato é que se enveredar pelo universo de Turguêniev é definitivamente uma experiência encantadora.


A VÉSPERA
De Ivan Turguêniev
Tradução de Paula Vaz de Almeida
e Ekaterina Vólkova Américo
Editora Boitempo
200 páginas
R$ 49

*Jacques Fux é matemático e escritor, autor de 'Meshugá: um romance sobre a loucura' (José Olympio, 2016), 'Nobel' (José Olympio, 2018), entre outros.

Dom Total

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…