Pular para o conteúdo principal

Arte e inventividade caminham de mãos dadas

A inquietação está no DNA da literatura.

 
Por Objetivo Sorocaba

Arte e inventividade caminham de mãos dadas
Foto: Pexels/Divulgação
O que é um romance com estrutura tradicional? Narrativa linear em terceira pessoa. Começo, meio e fim bem delimitados. Nada de pontas soltas. O narrador não se dirige ao leitor. Cria-se a ilusão de que o livro não é artifício, como se a vida estivesse desfilando para leitores e leitoras.
Uma parte significativa dos romances que conhecemos opera dessa forma. Ainda hoje é uma forma segura de se contar uma história. Nada contra o tradicional, mas ainda bem que arte e inventividade caminham de mãos dadas. Sempre caminharam.
Nossa vida de leitores seria aborrecida se todos os escritores fossem pessoas medrosas e respeitadoras de leis seguras. Novas formas são maneiras ousadas de se encarar a vida. Não é de hoje que romances com formas exóticas deslumbram a todos nós. “Dom Quixote”, hoje símbolo do romance clássico, rompeu com inúmeras leis narrativas na época de sua publicação.
No Brasil, Machado de Assis, outro símbolo de literatura clássica, foi mestre da rebeldia. “Memórias póstumas de Brás Cubas” tem admiradores no mundo inteiro porque viola o que é convencional a cada página. Algo de muito estranho está ocorrendo quando um narrador defunto decide contar sua vida.
As rupturas sempre fizeram parte da história da literatura, mas é possível notar que os séculos XX e XXI testemunharam desejos mais intensos de se contar uma história de forma mais arrojada. Um mundo acelerado, fragmentado e instável pede narrativas instáveis. E foi assim que a literatura encarou a concorrência do rádio, do cinema, da televisão e da internet. Muitos romances fundamentais foram publicados a partir disso.
É por isso que não dá para acreditar nas pessoas que dizem que o romance morreu. É justamente o contrário. Ele continua firme e forte, mas com feições diferentes. Seria exaustivo listar grandes romances publicados nas últimas décadas, mas fiquemos com dois “Como ficar podre de rico na Ásia emergente”, de Mohsin Hamid, e “Arquivo das crianças perdidas”, de Valeria Luiselli. Dois livros que colocam o dedo na ferida de problemas contemporâneos: o primeiro, de forma caleidoscópica, trata das crianças de países pobres que tentam cruzar a fronteira dos EUA com o México. O segundo, recorrendo ao humor e à paródia, analisa a pobreza dos países subdesenvolvidos.

São belos exemplos de como a inquietação está no DNA da literatura.
Texto: Nelson Fonseca Neto, professor do Objetivo Sorocaba.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …