Pular para o conteúdo principal

Crise política brasileira é tema de documentário 'Democracia em vertigem'

Petra Costa diz que ainda não há respostas para as perguntas que faz em seu documentário.
Lula e Dilma foram entrevistados para o documentário.
Lula e Dilma foram entrevistados para o documentário. (Reuters)

Por Natalia A. Ramos Miranda
Nas últimas tomadas de seu documentário Democracia em vertigem, que estreou na última quarta-feira na Netflix, a diretora brasileira Petra Costa pergunta como lidar com a vertigem de um futuro que parece mais sombrio que o passado.
"De onde tirar forças para caminhar entre as ruínas e começar de novo?", indaga a diretora com voz calma e profunda, enquanto imagens aéreas mostram as avenidas monumentais de Brasília como cenário das disputas políticas que dividiram o país nos últimos anos.
"O filme é um retrato da crise política brasileira na primeira pessoa, e de certa forma é uma fábula dos nossos tempos", disse Petra, de 35 anos, em uma entrevista por telefone antes do lançamento de seu filme, que foi recebido com boas críticas no festival de cinema de Sundance, na plataforma de streaming.
Democracia em vertigem traça uma linha entre a promissora chegada de Lula ao poder em 2003, os grandes protestos de rua de 2013, o impeachment da presidente Dilma Rousseff e a eleição presidencial de Jair Bolsonaro.  
"A democracia está em crise não só no Brasil, mas no mundo, e eu espero que ele (filme) possa resgatar o diálogo e a crença nos valores fundamentais da democracia", acrescentou a cineasta, que nasceu dois anos antes do fim do regime militar (1964-85).
Filha de militantes de esquerda que se opuseram à ditadura e a uma tradição familiar de direita, Petra explora as fissuras e contradições dos processos históricos de uma maneira pessoal, tendo como ponto de partida o julgamento político de Dilma em 2016.
"Comecei a desenvolver essa narrativa que é a relação de um cidadão com a própria democracia", comentou. "Achei que seria um ponto de entrada que poderia conectar pessoas mundo afora com a história que eu estava contando. Acho que o mundo inteiro entrou numa crise parecida num momento muito parecido."
A documentarista entrevistou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, hoje preso por corrupção, e Dilma, que disse que conseguiu conhecer melhor através de sua própria mãe, já que ambas compartilham um passado de militantes nos anos da ditadura militar.
"Eu vi muito da minha mãe na Dilma e pude entender muito da Dilma através da minha mãe, e por isso acho que insisti muito em tentar acessar lados dela que ela não mostrava facilmente para qualquer um", disse Petra, conhecida por Olmo e a gaivota (2015) e Elena (2012).
O filme também se detém na trama de corrupção revelada pela Operação Lava Jato, que abalou toda a classe política e atingiu até mesmo a familiares de diretora, fundadores de uma das grandes empresas envolvidas no escândalo.
Petra Costa diz que ainda não há respostas para as perguntas que faz em seu documentário, embora tenha certeza de que as crises podem desencadear "grandes epifanias". "O Brasil tem uma chance enorme de evoluir com esta crise, e todos os partidos e personagens envolvidos com essa crise se deram o trabalho de fazer autocrítica", afirmou.

Reuters

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…