Pular para o conteúdo principal

Estudantes surpreendem professora com câncer

Uma professora explica como a relação com um grupo de adolescentes a levou a lutar contra a dor e a doença

PENCILS
Dolors Massot-ALETEIA
“Desde pequena sonhava ser professora de língua castelhana”.
Irene (nome fictício) é professora – dessas de quem nenhum aluno se esquece, mesmo que passem muitos anos. Ela fez faculdade e começou a trabalhar em escolas. Paralelamente, casou-se e teve uma filha. 
“O trabalho atual é em um instituto, com adolescentes. É emocionante, atraente, intenso e gratificante”, diz ela. E onde os outros veem uma problema ou uma dificuldade, ela enxerga pessoas para amar e educar, a fim de que elas tenham o melhor futuro possível. Irene ama seus alunos e isso faz com que ela, além de transmitir conhecimentos, tente fazê-los atingir o crescimento intelectual e espiritual. 

Um câncer sem cura 

Irene foi diagnosticada com um tumor metástico em 2009. Ela tinha 33 anos e sua filha, 3. A operação e o tratamento deixaram o câncer “adormecido”. Mas em 2016, o tumor reapareceu – desta vez com metástases em todos os ossos. Voltaram os tratamentos, as dores, a queda de cabelos. Em 2017, uma nova recaída, com metástases também no fígado. 
Mas Irene sabia que tinha que lutar pelo marido, pela filha e por seus alunos. E já se vão três anos entre as sessões de quimioterapias, as aulas e até viagens a estudo. Ela, inclusive acompanhou os alunos em uma excursão a Paris. 
Em seu testemunho para a Aleteia, ela disse: “faço sessões semanais de quimioterapia para tentar freiar o avanço da doença e para que ela não se apodere do meu corpo – ao menos não tão rapidamente”. 

De onde tira forças? 

“Junto com cada sessão de quimio, meu tratamento vai acompanhado por minha FÉ [ela escreve esta palavra com letras maiúsculas] e a de todos que me rodeiam. Entramos na capela do hospital toda vez que vou para lá. Pedimos, agradecemos ou simplesmente sossegamos nosso espírito e buscamos a paz necessária para enfrentar o dia”. 

“A fé e a quimio me dão vida”

Irene explica: “essa fé e essa quimio me dão vida. E essa vida é a que eu tento transmitir aos alunos, meninos de 13 a 16 anos que nem sempre têm claros os verdadeiros valores. Tento mostrar-lhes a grandeza da vida, a importância da saúde, a efemeridade da beleza na Terra e como devemos dar amor, carinho e apoio aos que nos cercam”. 

“Dei aulas careca”

“Dei aulas careca, com lenço, sem cílios nem sobrancelhas, inchada por causa do tratamento, com quilos a mais devido à cortisona. Mas dei aulas cheia de FÉ, cheia de AMOR e de ALEGRIA”. 
Na semana passada, os alunos comemoram o fim do curso. Estavam presentes seus pais, familiares e amigos. Deixaram de lado os uniformes e estavam quase irreconhecíveis com seus melhores trajes.
No discurso, duas alunas representaram a turma e disseram:
“Queremos agradecer por tudo o que você fez por nós durante este ano, tanto por nos ter ensinado a analisar textos, sintaxe, quanto por nos motivar a sermos boas pessoas”. 

“Você é uma mulher única”

“Você é uma mulher única e um exemplo a ser seguido. Lutadora e vencedora. Uma mulher que nos mostrou o quão fortes e corajosos podemos ser. Embora possamos cair, levantaremos mil vezes. De tudo, tira-se algo bom. De você, ficamos com seu sorriso e sua maneira de ser, com a felicidade que nos transmitia toda vez que entrava na classe”. 
 Irene quis dar um presente especial no último dia de curso. Pegou alguns lápis e adicionou uma mensagem especial para cada aluno. Foram frases como as que as mães dizem quando um filho sai de viagem: “nunca desista”, “você é único”, “chegará muito longe”, “você é incrível”… 
Um pequeno detalhe que, sem dúvida, todos guardarão na memória e no coração.

Aleteia

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…