Pular para o conteúdo principal

Livro com jogos infantis de 20 países africanos oportuniza reflexões sobre o brincar


A partir da obra, o Verso entrevistou africanos residentes no Ceará e profissionais que trabalham diretamente com jogos para aprofundar olhares acerca da temática


Tinha corrida e uns saltos desengonçados, Evy Amado lembra bem. Era momento de bolinha de gude, cabra-cega, ringue, jogo do anel. "Exceto essas, muitas brincadeiras não têm um nome em português. Mas estar com minhas amigas e amigos com certeza era a melhor parte de tudo isso", comemora. "Podíamos ter nossas diferenças ou até alguns conflitos típicos de crianças, mas, na hora de brincar, estávamos todos lá. Não tínhamos preocupações; só queríamos ser felizes e ganhar o jogo".
Natural de Cabo Verde, Evy reside há seis anos em Fortaleza e é toda entusiasmo quando rememora a infância, vivenciada em solo africano. Estudante do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Ceará (UFC), ela explica que, no caso da nação a qual veio, há muita influência brasileira no ato do brincar. Tanto que algumas atividades são originárias daqui.
"Em vários países africanos, como o acesso às novas tecnologias ainda é muito limitado, os jogos tradicionais são muito presentes. No brincar, você aprende a perder, a trabalhar em equipe, ter empatia, persistência, a dividir. As práticas ajudam a criança a se desenvolver, suas capacidades e sociabilidades", considera, dimensionando o divertido ato.
Milton Cassul Miranda também destaca a relevância do passatempo entre a garotada. Ele, que veio de Angola, na costa ocidental africana, e cursa Ciência da Computação na UFC, afirma que "a infância é uma fase da vida de que muitos se recordam com bastante saudade. As brincadeiras são, sem dúvida, algo que marca as pessoas positivamente, e uma boa parte de nós, angolanos, nos divertimos e criamos memórias com jogos como garrafinha, saltar a corda e mete e tira".
img2img2
O jogo "Osani", da República Democrática do Congo, tem diálogo com a natureza
Ilustração de Marilia Pirillo
Para além desse mero devanear em grupo, brincar, na ótica dele, tem o mesmo significado daquele alimentado por Evy: é ferramenta por excelência para que os miúdos desenvolvam qualidades como responsabilidade, equilíbrio e criatividade. É ato oportuno para o crescimento. "Fundamentalmente, é a forma mais simples de as crianças serem elas mesmas".
Deixar com que os relatos se esparramem por estas páginas é justificado. Entram em sintonia com o conteúdo de um dos mais recentes lançamentos da Editora Melhoramentos, o livro "Kakopi, kakopi! - Brincando e jogando com as crianças de vinte países africanos". Escrita por Rogério Andrade Barbosa e ilustrada por Marilia Pirillo, a obra apresenta variadas maneiras de se divertir dos pequenos do outro lado do globo. Tudo contornado pelo fofo recorte dos desenhos e uma atenta investigação lúdica.
"Meus livros de temática africana são baseados nas pesquisas e viagens que tenho feito ao longo de muitos anos pelo continente", explica Rogério. "Nas brincadeiras de lá, os jogos nas aldeias afastadas das cidades têm relação com o ambiente, os costumes tradicionais e a fauna onde vivem".
De fato, na totalidade das atividades listadas no exemplar há a magia do pé roçando o chão, o evocar bonito dos animais das savanas, e o sorriso onipresente de pessoas em minúsculo tamanho.
Diversidade
Se, a priori, as feições da obra parecem remeter apenas ao imaginário infantil, ao passar das páginas logo se vê a potência do trabalho, feito para circular entre todas e todos, independentemente da idade. Tudo começa com um diálogo entre as crianças quenianas Korir e Chentai. Ambas estão fazendo um trabalho de mapeamento das brincadeiras do continente em que vivem, porta de entrada para o desbravamento de uma diversidade de passatempos.
img3img3
"Kakopi, Kakopi", a brincadeira que intitula o livro, vem da Uganda e pode ser traduzido como "As Pernas da Galinha"
Ilustração de Marilia Pirillo
Nesse movimento, o autor - especialista em cultura africana e ex-voluntário das Nações Unidas na Guiné-Bissau - é hábil em costurar as regras de cada jogo com informações simples, porém ricas em contexto. Resultado: passa longe do lugar comum. Em "Nngapi?", por exemplo, ele começa escrevendo que "jogos com pedrinhas são muito populares na Tanzânia". Em outra brincadeira, "Tum Tum!", sublinha que ela é empregada por professoras nos jardins de infância no Togo para testar, de modo divertido, a capacidade auditiva dos estudantes.
"As inúmeras brincadeiras de rodas lembram bem as do Brasil. Acredito que tanto as crianças, quanto os pais e professores, irão se divertir bastante com os jogos", opina, destacando que gosta de todas as atividades listadas, mas Osani, praticada por pequenos de um povo pigmeu, "é de uma complexidade e beleza plástica impressionante".
img4img4
"Chakyti Cha" é de Gana e tem semelhança com jogos de cachorro e hiena
Ilustração de Marilia Pirillo
No momento, Rogério está preparando outro livro com essa temática, ainda em gestação. Desta vez, a parceria será com um autor indígena. Por enquanto, colhe os frutos do lançamento atual e deixa entrever outro componente importante quando dessa esfera de trabalho.
"Apesar da distância geográfica, o Brasil e a África têm muitas coisas em comum, frutos dos nossos laços históricos. Ao atravessar o continente, constatei que criança é criança em qualquer lugar do mundo. Todas gostam de correr, brincar de roda e de se divertirem".
Ressonâncias
Voltemos para cá ainda com os pés fincados nessa atmosfera. Em Fortaleza, Marcos Teodorico Pinheiro é professor da UFC e coordena o projeto Brincarmóvel, além de estar à frente do Centro de Estudo sobre Ludicidade e Lazer. O ônibus da ação começou as atividades em 2015 e tem como tripé lazer, criança e brincar, pesquisando, preservando e analisando o conhecimento transdisciplinar no referente eixo.
"O Brincarmóvel é um ambiente especial para viver a cultura lúdica nas dimensões social, educativa, motriz, artística e cultural. Para nós, o brincar é um patrimônio da humanidade, uma herança cultural que pertence a todos", situa Marcos. "Além disso, o espaço da unidade móvel assume um caráter múltiplo, pois permite experimentar, reconstruir e viver a cultura infantil".
img5img5
Ônibus do projeto Brincarmóvel pode ser encontrado na reitoria da Universidade Federal do Ceará
Foto: Divulgação
Como muitas crianças cearenses, a vivência lúdica do profissional foi forjada no sertão; no caso dele, no município de Senador Pompeu. Conforme lembra, foi uma infância cheia de encantamento, amores, amizade e conflitos. Cultura dinâmica e desafiadora que despertou o gosto e a curiosidade pelo conhecimento.
"Teoricamente, os brinquedos não são necessários. A imaginação da criança pode substituí-los em seus jogos de fantasia. Entretanto, talvez porque a imaginação humana é tão extensa e complexa, que os pequenos procuram pontos de referência tangíveis para partir mais levemente para as brincadeiras", dimensiona Marcos.
"Nenhuma criança brinca espontaneamente só para passar o tempo. Mesmo quando entra numa brincadeira, em parte para preencher momentos vazios, sua escolha é motivada por processos íntimos, desejos, problemas ou conflitos, ansiedades. O que está acontecendo com a mente do indivíduo determina suas atividades lúdicas. O brincar é sua linguagem secreta, que devemos respeitar mesmo se não a entendemos", complementa, abrangendo os diferentes aspectos da prática.
Reflexão
No mesmo espaço da universidade, a Brinquedoteca, idealizada pela professora Isabel Ciasca, da Faculdade de Educação - com o apoio de outras profissionais, a exemplo de Bernadete Porto, Cristina Façanha e Jakeline Andrade - foi concebida para demarcar a importância do brincar para a criança.
"Não há infância sem o brincar, não deve haver educação da criança sem uma reflexão sobre isso. Se a prática está voltada à cultura e à realidade que cerca a pessoa, então será permeada pela era digital. Os adultos estão envoltos, os pequenos também estarão", avalia Jakeline.
"As brincadeiras tradicionais são passadas culturalmente; se não houver um resgate nesse sentido, muito se perde. Vejo isso acontecendo em eventos pontuais e nos lugares em que as crianças têm liberdade e espaço para brincar. A escola também tem seu papel".
A pedagoga - que aprendeu a lidar com o outro a partir da vivência na rua, "se não queria brincar conforme as regras, o jeito era ficar só olhando ou voltar para casa" - defende que é justamente pelo divertir-se que os pimpolhos se propõem a correr, pular, seguir orientações e se submeter à companhia dos outros.
"É por meio desse ato que eles apreendem o mundo, a cultura; portanto, o brincar livre e 'desinteressado' da criança é 'só brincar' na ótica do adulto; para quem tem menor tamanho, é uma atividade séria", avalia.
Professora da Área de Psicologia da Educação, Jakeline afirma ainda que, na Faculdade de Educação, há outros grupos de pesquisa sobre o assunto. "Temos disciplinas que abordam a ludicidade, como a 'Ludopedagogia', e outras sobre a cultura africana, como a 'História dos Afrodescendentes no Brasil' e a 'Cosmovisão Africana e Cultura dos Afrodescendentes no Brasil', em que o resgate das brincadeiras e cantigas com matrizes africanas são abordados".
img7img7
Kakopi, kakopi! - brincando e jogando com as crianças de 20 países africanos 
Rogério Andrade Barbosa | Ilustrações de Marilia Pirillo
Melhoramentos 
2019, 48 páginas 
R$ 43, 90 

Publicado pela Editora Aeroplano em 2013, "Pedagoginga, Autonomia e Mocambagem", de autoria de Allan da Rosa - editor, educador e escritor paulistano - expande a dinâmica do divertir-se ao abordar o tema do título a partir do entrosamento com ele em duas esferas urgentes: a implementação consistente do ensino de História e de cultura de matriz-afro e o sonho de um momento de educação popular autônoma na periferia de São Paulo, no começo do século XXI. Nesse movimento, o autor apresenta nova proposta pedagógica, envolvendo a autonomia dos participantes e o compromisso com a cultura afro-brasileira. São relatos e reflexões para focar a vivência negra de ontem no hoje e para o futuro.

Diário do Nordeste

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …