Pular para o conteúdo principal

Machado de Assis, 180 anos: Seu pessimismo era fruto de uma reflexão correta sobre o atual

Resultado de imagem para machado de assis

O escritor Milton Hatoum analisa a obra e o papel de Machado de Assis nos 180 anos de seu nascimento


Milton Hatoum, O Estado de S. Paulo

O tempo é cruel também com a literatura. Muitos livros são esquecidos quando ainda estão engatinhando; alguns, incompreendidos ou mal lidos quando publicados, ressuscitam uns anos ou décadas depois. Outros, os clássicos, serão lidos por séculos.
Das várias definições de “clássico”, escolho a de Jorge Luis Borges: “Clássico não é um livro que necessariamente possui estes ou aqueles méritos; é um livro que as gerações humanas, premidas por razões diversas, leem com prévio fervor e misteriosa lealdade”.
A obra ficcional de Machado de Assis – principalmente os romances e contos publicados a partir de 1880 – é lida “com prévio fervor e misteriosa lealdade”. O prazer da leitura está implícito na definição do escritor argentino; de fato, dificilmente não se lê com enorme prazer Memórias Póstumas de Brás CubasDom CasmurroEsaú e Jacó... Ou os contos Pai Contra MãeA Causa SecretaO EspelhoO AlienistaUm Homem CélebreSingular Ocorrência e tantas outras obras-primas do Bruxo do Cosme Velho. Mas as ficções de qualidade não se esgotam no mero prazer da leitura. O leitor atento percebe que Machado não se rendeu à facilidade nem à improvisação. Foi, ao contrário, um dos escritores mais exigentes, e ainda dos mais cultos. A erudição, a imaginação, a capacidade inventiva, a leitura crítica do país e de seu tempo e, claro, sua própria experiência de vida foram decisivas em sua escrita de ficções sofisticadas sob todos os ângulos: estético, social, político, psicológico, histórico.
Quando seguimos a sinuosa trajetória de vida de Brás Cubas, como não pensar no Brasil de hoje? Brás, o ocioso ricaço “liberal” na sociedade escravagista do Segundo Reinado, não difere muito de certos liberais da “nova política” e da maioria dos partidos, sejam estes velhos, novos ou mesmo novíssimos. O narrador das Memórias parece estar vivo, usando a roupagem do nosso tempo, ou “a casca”, como ele diz. E vivos estão também o mandonismo, os privilégios e o clientelismo de uma sociedade patriarcal que insiste no atraso e é fiel à brutalidade e às iniquidades herdadas da escravidão, tanto tempo depois da Abolição e do advento da República.
Machado, ao dar forma estética a tudo isso, recorreu a narradores na primeira pessoa, geralmente situados no vértice do poder e da pirâmide social, quase todos dotados de um tom que alterna ironia, atrevimento e escárnio. Lidos na direção certa, os romances machadianos desmascaram o rosto monstruoso das relações sociais, políticas e econômicas e, nesse sentido, expressam a verdade das relações humanas, atributo indispensável à literatura.
Mas a obra do Bruxo também transcende questões e particularidades locais. A alucinação, o delírio e a loucura nem sempre se vinculam à classe social dos personagens: são sintomas do lado mais obscuro, irracional e bestial do ser humano. Um dos exemplos mais notáveis é a crueldade sádica ou “alguma coisa parecida com a pura sensação estética” do personagem Fortunato no conto A Causa Secreta.
E há ainda um olhar zombeteiro ao positivismo, ao determinismo e à ideia ufanista, quase fanática do progresso, palavra estampada na bandeira nacional.
Acima de tudo e de todos no Brasil de sua época, Machado era um pessimista. Também por isso foi muito criticado por vários de seus contemporâneos. Mas o pessimismo do escritor era fruto de uma leitura e reflexão correta e sem ilusões da realidade e do processo histórico, não apenas brasileiro.
Se o Ministério da Educação fosse bem menos obtuso, distribuiria aos estudantes e professores da escola pública um livro com uma seleção de contos de Machado. Mas seria pedir o impossível a quem acredita que o nosso planeta é plano, que o aquecimento global é uma ficção e que é um desperdício investir em ciências humanas e artes. Machado trataria com escárnio essa bestialidade em série. E nem assim os obtusos entenderiam...
Cultura/Estadão

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …