Pular para o conteúdo principal

Medéia – A vingança desmedida

A tragédia grega “Medéia”, escrita por Eurípedes, foi encenada no ano de 431 a.C, em Atenas, ainda hoje, é um dos grandes clássicos da literatura.
Jasão, o comandante da célebre expedição dos Argonautas, composta pelos mais bravos heróis gregos, dentre eles, Hércules e os gêmeos Cástor e Pólux, saiu em direção à distante Cólquida, com o objetivo de capturar o Velocino de Ouro e levá-lo ao rei Pélias, que então lhe entregaria o trono de Iolcos, outrora pertencente ao seu pai Éson (ou Áison).
Quando chegaram à Cólquida, o rei Eetes (ou Aietes) concondou em entregar o carneiro alado a Jasão, desde que cumprisse três missões consideradas impossíveis, inclusive, matar o feroz dragão que guardava a árvore onde estava o Velocino de Ouro.
Jasão jamais teria êxito em tal empreitada não fosse a ajuda de Medéia, filha do rei, sacerdotisa da deusa Hécate (da magia e bruxaria).
Medéia se apaixonou perdidamente por Jasão e, em troca de sua colaboração, o herói prometeu com ela se casar e levá-la para a Grécia.
Graças à poderosa magia de Medéia, Jasão cumpriu com as tarefas exigidas pelo rei e conquistou o direito de levar consigo o Velocino de Ouro.
Mas o casal deixou um rastro de morte em seu caminho, pois Medéia matou o irmão que não queria deixá-la partir e, quando em Iolcos, fez um feitiço para que as filhas do rei Pélias o matassem.
Jasão e Medéia se exilaram em Corinto, onde reinava Creonte. Tiveram dois filhos e viveram felizes até o momento em que Jasão se apaixonou pela filha do rei.
Medéia, tomada de ódio pelo marido, arquitetou uma vingança que o aniquilaria, embora viesse a lhe custar bastante caro.
Fingindo perdoar Jasão, Medéia pediu que os dois filhos levassem uma vestimenta e uma coroa de ouro para a princesa que arrebatou o coração de seu marido.
Tão logo a princesa usou os presentes, seu corpo foi lacerado por um veneno violento. Creonte, ao ver o desespero da filha, tentou salvá-la, vindo a morrer, também, envenenado.
Medéia ainda não estava satisfeita. Jasão precisaria sofrer muito mais, por toda a vida.
“A mulher é comumente temerosa, foge da luta, estremece à vista da arma; mas, quando seu leito é ultrajado, não existe alma mais sedenta de sangue”.
Assim, com um punhal, Medéia tirou a vida dos próprios filhos, causando profundo desespero em Jasão.
“Mas ninguém encontrou ainda o meio de acalmar com a música e com os acordes da lira os sombrios pesares dos mortais, de que nascem os assassinatos e as pavorosas calamidades que arruínam as famílias”.
Medéia representa a tênue linha que separa o amor do ódio, muitas vezes, a clamar por uma vingança desmedida.
Grecianny Carvalho Cordeiro
Promotora de Justiça

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…