Pular para o conteúdo principal

Medéia – A vingança desmedida

A tragédia grega “Medéia”, escrita por Eurípedes, foi encenada no ano de 431 a.C, em Atenas, ainda hoje, é um dos grandes clássicos da literatura.
Jasão, o comandante da célebre expedição dos Argonautas, composta pelos mais bravos heróis gregos, dentre eles, Hércules e os gêmeos Cástor e Pólux, saiu em direção à distante Cólquida, com o objetivo de capturar o Velocino de Ouro e levá-lo ao rei Pélias, que então lhe entregaria o trono de Iolcos, outrora pertencente ao seu pai Éson (ou Áison).
Quando chegaram à Cólquida, o rei Eetes (ou Aietes) concondou em entregar o carneiro alado a Jasão, desde que cumprisse três missões consideradas impossíveis, inclusive, matar o feroz dragão que guardava a árvore onde estava o Velocino de Ouro.
Jasão jamais teria êxito em tal empreitada não fosse a ajuda de Medéia, filha do rei, sacerdotisa da deusa Hécate (da magia e bruxaria).
Medéia se apaixonou perdidamente por Jasão e, em troca de sua colaboração, o herói prometeu com ela se casar e levá-la para a Grécia.
Graças à poderosa magia de Medéia, Jasão cumpriu com as tarefas exigidas pelo rei e conquistou o direito de levar consigo o Velocino de Ouro.
Mas o casal deixou um rastro de morte em seu caminho, pois Medéia matou o irmão que não queria deixá-la partir e, quando em Iolcos, fez um feitiço para que as filhas do rei Pélias o matassem.
Jasão e Medéia se exilaram em Corinto, onde reinava Creonte. Tiveram dois filhos e viveram felizes até o momento em que Jasão se apaixonou pela filha do rei.
Medéia, tomada de ódio pelo marido, arquitetou uma vingança que o aniquilaria, embora viesse a lhe custar bastante caro.
Fingindo perdoar Jasão, Medéia pediu que os dois filhos levassem uma vestimenta e uma coroa de ouro para a princesa que arrebatou o coração de seu marido.
Tão logo a princesa usou os presentes, seu corpo foi lacerado por um veneno violento. Creonte, ao ver o desespero da filha, tentou salvá-la, vindo a morrer, também, envenenado.
Medéia ainda não estava satisfeita. Jasão precisaria sofrer muito mais, por toda a vida.
“A mulher é comumente temerosa, foge da luta, estremece à vista da arma; mas, quando seu leito é ultrajado, não existe alma mais sedenta de sangue”.
Assim, com um punhal, Medéia tirou a vida dos próprios filhos, causando profundo desespero em Jasão.
“Mas ninguém encontrou ainda o meio de acalmar com a música e com os acordes da lira os sombrios pesares dos mortais, de que nascem os assassinatos e as pavorosas calamidades que arruínam as famílias”.
Medéia representa a tênue linha que separa o amor do ódio, muitas vezes, a clamar por uma vingança desmedida.
Grecianny Carvalho Cordeiro
Promotora de Justiça

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …