Pular para o conteúdo principal

Projeto Portinari faz parceria com Google em nova plataforma para o pintor

Foram duas décadas de pesquisa, catalogação, registros e negociação, até o lançamento do portal, que agora ganha um 'primo' com a nova parceria.
Chorinho, quadro de Portinari de 1942.
Chorinho, quadro de Portinari de 1942. (Reprodução)

O trabalho do Projeto Portinari com a obra do pintor paulista completa 40 anos em 2019. Há alguns dias, o projeto, fundado pelo filho de Portinari, João Candido, anunciou uma parceria com a plataforma Google Arts & Culture que coloca à disposição do público cerca de 5 mil obras e 15 mil documentos do artista. As obras já estavam no catálogo raisonée de Portinari, cuja versão impressa foi lançada em 2004, e no site do Projeto (portinari.org.br), mas agora ganham novos tratamentos (como 20 "exposições virtuais" com curadoria da entidade) e ferramentas do Google: a "ArtCamera", câmera que consegue registrar em gigapixel (mais de 1 bilhão de pixels) e o Street View – filmagem que mostra em 360 graus a casa museu do artista em Brodowski, interior de São Paulo.

Outra novidade envolvendo o pintor é uma rara exposição dos seus famosos painéis Guerra e paz, em fase final de negociação, prevista para o final de 2020, no Palácio Real de Milão.

Sobre o site. Segundo João Candido, 95% das obras do pai estão em coleções particulares e uma das missões do seu projeto – criado na área científica da PUC-Rio – era ampliar o acesso. "Quando se pensa na obra dele, não se vê apenas linhas, cores e formas, não é apenas estético, há ali uma mensagem poderosa, e cada vez mais, no mundo convulsionado pela violência global", diz. "Então nossa missão era entregar uma carta, que ele escreve não só para o Brasil, mas para a humanidade", completa.

Foram duas décadas de pesquisa, catalogação, registros e negociação, até o lançamento do portal, que permanece no ar, mas agora ganha um "primo" com a nova parceria. "Uma das coisas que fez o Google entrar em contato foi a nossa base de dados", conta João Candido. "Disseram que ela está estruturada de uma forma que nunca viram em nenhum outro lugar", orgulha-se.

Embora João Candido informe que todos os dados foram compartilhados com o Google, alguns cruzamentos de informações disponíveis no portal do Projeto Portinari não aparecem na nova plataforma, como documentos do pintor relacionados diretamente a determinadas obras.

Professores e críticos ouvidos pelo Estado aprovaram, de maneira geral, a iniciativa, mas sublinharam a necessidade de ela ocorrer também com outros pintores brasileiros. O professor e crítico Agnaldo Farias (FAU-USP) comemora o fácil acesso às obras de Portinari. "Eu dou aulas, preciso de imagens. Consigo dar aulas sobre qualquer artista estrangeiro, e muitas vezes não consigo com artistas brasileiros. É uma medida necessária, importante, nos auxilia imensamente e dá visibilidade à obra do artista", afirma.

Denise Mattar, curadora experiente e ex-diretora do MAM-SP e do MAM-RJ, concorda que nada substitui ver as obras pessoalmente, mas em termos de pesquisa, quanto mais e melhores informações, melhor. "Se o mentor é o Projeto Portinari, existe uma confiabilidade de conteúdo", afirma. "O maior problema da internet é que as pessoas podem botar qualquer informação, e pode ser equivocada. Quando é confiável, está embasada por uma pesquisa de anos, todo mundo só tem a ganhar."

O crítico de arte e professor Rodrigo Naves, porém, afirma não ter gostado de sua primeira experiência com a nova plataforma. "Eu achei, na verdade, um site muito pouco amistoso, com umas ferramentas barrocas, de ‘aumenta aqui, puxa para lá’, é muito pouco didático". Ele se incomodou também com o título do novo espaço virtual: Portinari: Pintor do Povo.

"É populista. Quem disse que ele é o pintor do povo? Por que ele e não o Volpi? O Projeto Portinari parece exemplar no sentido de ser correto, não cobrar direitos, ter feito um catálogo bem feito, mas esse título é pura ideologia. Só porque ele pintou retirantes e foi comunista? O que Maria ganha com isso? É puro preconceito, mantém uma concepção estreita dele. Não gosto muito da obra, acho de segunda linha, mas seja como for, seus méritos não dizem respeito a ter pintado pobres. Ele fez muito retratos de madame também."

Também crítico e professor de história da arte, Tiago Mesquita destaca o site sobre o pintor Elizeu Visconti, ítalo-brasileiro que fez carreira no início do século 20, como um modelo a ser seguido por outras iniciativas do tipo no Brasil. "Se o site ajudar a entender contextos, relações, mostrar desenhos preparatórios, estudos, as iniciativas assim podem ser maravilhosas", comenta.

A iniciativa do Projeto Portinari e do Google Arts & Culture tem ainda outros cinco parceiros: Pinacoteca de São Paulo, Museu Nacional de Belas Artes, Fundação Ema Klabin, MASP e Museus Castro Maya.

Agência Estado

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …