Pular para o conteúdo principal

Um tesouro católico na maior biblioteca do mundo

Um exemplar histórico da Bíblia, que exemplifica a difusão do saber além da religião, pode ser visto de graça

Clique aqui para abrir a galeria de fotos

BIBLE
Se você for à capital dos Estados Unidos (Washington), uma das paradas obrigatórias é, sem dúvida, a biblioteca do Congresso. A estrutura espetacular foi fundada em 1800 e, atualmente, é considera a maior biblioteca do mundo. O local abriga mais de 160 milhões de exemplares. 
Mas não é só a quantidade de livros que impressiona, mas também a qualidade das obras que lá estão. Destaque para uma das três únicas cópias completas que sobraram da Bíblia impressa por Johannes Gutenberg em vitela (um fino pergaminho de pele animal). Qualquer visitante pode vê-la bem de perto e de graça. 
O exemplar é um patrimônio não só religiosos, mas da cultura mundial, já que a Bíblia de Gutenberg – traduzida em latim por São Gerônimo do fim do século IV – foi o primeiro grande livro impresso na Europa Ocidental a partir de tipos móveis de metal. Essa ferramenta contribuiu com a difusão do saber na Europa e no Ocidente, permitindo que as pessoas tivessem mais acesso aos livros. 
Antigamente, eram os monges que se encarregavam de fazer cópias a mão dos escritos. Por isso, embora a Bíblia de Gutenberg tenha demorado anos para ser executada, sabe-se que foram impressos 150 exemplares. Talvez pareça pouco, mas para a época era um grande sucesso. 
Gutenberg também imprimiu a Bíblia em papel, facilitando a reprodução dos textos. Além do fator histórico e cultural, também há um valor estético em sua obra. Na época, não se pensava que um livro impresso seria tão belo quanto um artesanal. O que fez Gutenberg? Deixou um espaço nas pranchas de impressão para as iniciais, que eram, então,  ornamentadas à mão e em cores. Por isso, cada exemplar era único e personalizado.  
A cópia que está na biblioteca do Congresso de Washington ficou sob a responsabilidade da ordem beneditina por quase cinco séculos em seus mosteiros na Áustria. Mas foi comprada por Dr. Otto Vollbehr em leilão em 1930. 

Aleteia

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…