Pular para o conteúdo principal

XXI Feira Livre de Quadrinhos ocorre no O POVO com venda, compra e troca

Feira Livre de QuadrinhosFeira Livre de Quadrinhos (Foto: Erika Sampaio)
Feira de quadrinhos, bate-papo com ilustradores e autores são algumas atrações da 21ª edição da Feira Livre de Quadrinhos, que já acontece há quatro anos em diferentes espaços de Fortaleza. O evento está marcado para o próximo domingo, 16, às 13 hora, no Espaço O POVO de Cultura & Arte, e pretende aproximar amantes de quadrinhos ao renovar a nostalgia de adentrar, pela primeira vez, no rico universo de cores, formas e narrativas que emana dos HQs.
A segunda edição do evento em 2019 fortalece a parceria com O POVO. "Acreditamos demais no Espaço, por toda a carga cultural que ele carrega. Acreditamos na renovação, em apoiar autores locais. E o Espaço O POVO de Cultura & Arte, respira isso", conta Rildon Oliver, organizador do evento. A última edição da feira, em março de 2019, reuniu público de cerca de 600 pessoas e contou com a presença do quadrinista paraibano Paulo Moreira, autor do Livro Mar Menino (2018).
Evento organizado pelo Equipe FLQ, a feira propõe trazer para a Cidade uma programação diferente para quem ama quadrinhos. A ideia, por isso, é que o evento seja um espaço para toda a família, servindo de encontro entre diferentes gerações de amantes da 9° arte. "Isto é o que tem sido mais valioso: a interação com tantas pessoas que amam aquilo que nós também amamos, que buscam no papo a aproximação do outro em cima de uma paixão cultural. E ver novos leitores surgindo a cada edição... Isso não tem preço", conta Rildon, que também é um dos autores do blog Cosmonerd.
Fortaleza, que reúne grande diversos amantes de cultura pop, tem seu público representado por grandes eventos já presentes no calendário da Capital. A Feira Livre, no entanto, começou de forma independente, utilizando a força das redes sociais para aproximar os amantes da 9° arte que não tinham esse espaço de encontro cativo na Cidade. "Temos um polo rico de talentos que precisam de espaço, e queremos fazer esse diferencial no mercado, mostrar nossos talentos", pontua Rildon.
Brendda Maria faz parte da geração de artistas cearenses que encontra, na feira, um espaço para expandir olhares para seu trabalho individual. Ela começou a fazer quadrinhos em 2014. "Eu me inspirei em várias autoras brasileiras pra contar minhas histórias. De lá pra cá, eu acredito que consegui criar um universo muito colorido e que é próximo do cotidiano de várias mulheres de 20 e poucos anos", analisa. Nas ilustrações, ela fala de sentimentos e inseguranças. "Hoje eu acho que o que me move é criar histórias para que outras meninas, assim como eu, possam se sentir representadas dentro do universo ficcional. Minhas personagens são sempre mulheres comuns", conclui.
De acordo com a organização do evento, a FLQ busca resgatar a experiência de quem comprou o primeiro quadrinho. "Aquela sensação nostálgica de estar, pela primeira vez, visitando um novo mundo. E o fato de queremos manter a cara de feira, para, assim, o preço ser acessível, é algo que atrai muito. Em breve, com as parcerias sendo consolidadas, iremos trazer muitas novidades para agregar ao projeto. São muito planos", adianta Rildon.
A expectativa é que, na 21ª edição da feira, novos leitores e novos artistas sejam fortalecidos com ações como a da feira Livre de Quadrinhos. "É poderoso e desafiador, mas traz um paz inacreditável, de saber que estamos fazendo o correto. Que lutamos ao lado de quem acreditamos e pelo o que acreditamos. Amamos a Feira e ela é de todos", Rildon finaliza.
Clique na imagem para abrir a galeria

21° Edição da Feira Livre de Quadrinhos

Quando: Domingo, 16 de junho, às 13h
Onde: Espaço O POVO de Cultura e Arte. Av. Aguanambi, 282
Quanto: gratuito
Informações: 9 9749-1565
IVIG FREITAS
o povo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…