Pular para o conteúdo principal

"A Fome", romance de Rodolfo Teófilo

“A Fome” é o nome que dá título à primeira obra ficcional do autor Rodolfo Teófilo, publicada em 1890, e que retrata de modo detalhado a seca no Nordeste, bem como o rastro de miséria e de doenças que espalha por onde se instala.

Conforme assinala o prefaciador, Lira Neto, parte da crítica considera o livro “A Fome”, a “obra inaugural do grande ciclo de literatura sobre as secas no nordeste do Brasil”. E atesta ser “um livro profundamente amargo”.

“A Fome” relata a saga de Manuel de Freitas e de sua família, uma das mais antigas e importantes do sertão, a qual se vê obrigada a se mudar para Fortaleza, em decorrência dos terríveis efeitos da seca de 1877.

A fortuna do protagonista, empregada em gado e escravos, teve de ser vendida para garantir o sustento mínimo de sua família, embora fossem obrigados a emigrar para Fortaleza, em uma caminhada sofrida, lenta, sedenta e faminta, que os faria se deparar com a morte de tantas pessoas que não conseguiram concluir o mesmo percurso, quedando-se no meio do caminho, servindo de banquete para os urubus.

Rodolfo Teófilo descreve com detalhada crueza a fome e a miséria; a morte e a decomposição dos corpos; os comerciantes de escravos que se aproveitavam para lucrar com a compra de escravos dos senhores falidos; os funcionários públicos corruptos encarregados de distribuir rações para os flagelados, usando e abusando de seu poder...

Manuel de Freitas, acima de tudo, era um homem honrado e empenhado em salvar a família daquele quadro dantesco. E assim partiu para Fortaleza, com a esposa e quatro filhos, em uma longa caminhada a pé, desafiando a fome e a seca, lutando para encontrar água ou alimento capazes de garantir-lhes a sobrevivência. 

Dentre as passagens marcantes, estão o recém-nascido encontrado agarrado à mãe morta, a quem tenta salvar; a caravana de retirantes que perdera o “senso íntimo”, deixando-se “dominar pelas necessidades da animalidade”, uma “onde de infelizes, que a perversão moral havia reduzido somente ao instinto da besta”.

“A Fome” é um livro duro, mas para nos servir de grande reflexão, pois retrata o nosso passado, o nosso presente e, ao que tudo indica, o nosso futuro em um mundo de miséria que vai das necessidades vitais básicas à espiritual e moral.

“Os nossos estadistas amam a encenação. Os legisladores dão às leis a maleabilidade da cera. São feitas para serem interpretadas à vontade do governo. E se é em matéria eleitoral, então é um verdadeiro escândalo”.

Como vemos, quase nada mudou.

Grecianny Carvalho Cordeiro
Promotora de Justiça

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…