Pular para o conteúdo principal

“A literatura mudou minha vida“, diz escritor amazonense Jan Santos sobre leitura na infância

Enquanto os amigos ganhavam brinquedos, Jan preferia receber livros. Em 2013, o escritor publicou seu primeiro livro “Evangeline“


“A literatura mudou minha vida“, afirmou o escritor amazonense Jan Santos em entrevista ao Portal Amazônia. Aos 25 anos, o autor já publicou três livros e revelou que sempre contou com o apoio da família para seguir a carreira no universo literário. 



Ainda na infância, Jan já se interessava em literatura juvenil, mas foi na escola que ele teve oportunidade de se aprofundar na leitura. “Lembro que tinha uma campanha de distribuição de livros, e eu sempre levava o máximo que conseguia para casa“, revelou. Enquanto os amigos ganhavam brinquedos, Jan preferia receber livros. “Meus pais viram a minha paixão por literatura, por isso, nos meus aniversários me presenteavam com diversos livros“, disse.



Mas, qual será que foi o livro que marcou a infância do escritor amazonense? “Bem, um titulo que me marcou foi o primeiro que li, entitulado “A Odisseia“, uma versão adaptada por Ruth Rocha“, declarou Jan. A parti desse momento, a vida de Jan mudou. “Passei a estudar mais sobre mito e folclore, e por causa disso, aumentar meu foco literário, conhecer novos autores e possibilidades“, contou.






 
Foto: Divulgação
 


Incentivo importante



Para Jan, o incentivo da família foi primordial para o seu futuro. Ele acredita que os pais, além de incentivar a leitura, devem também saber o que os filhos querem de fato ler. “Muitos pais acham importante que os filhos tenham acesso aos livros, mas querem regrar o tipo de conteúdo. As crianças precisam ser livres e consumir aquilo que realmente tem vontade, se ele gosta de ler quadrinhos, então, deixe“, aconselhou o escritor. 



Obras



O amor pela literatura pesou até mesmo na escolha do curso de graduação de Jan. Ele se inscreveu no curso de Letras Língua e Literatura Portuguesa na Universidade Federal do Amazonas (Ufam). Em 2013, Jan lançou seu primeiro livro ”Evangeline - Relatos de um Mundo sem luz”. Sua segunda publicação, ”A Rainha de Maio”, em parceria com a editora Lendari, aconteceu em 2016. O livro mais recente do jovem amazonense é ”O Dia em que Enterrei Miguel Arcanjo”.

Portal Amazônia

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…