Pular para o conteúdo principal

Ana Proença homenageia Dona Ivone Lara no Cine Theatro Brasil

Aos 51 anos, ela se prepara para entrar no palco para apresentar o espetáculo 'Dona Ivone Lara: mas quem disse que eu te esqueço', no próximo sábado, às 19h30.
Aos 51 anos, ela se prepara para entrar no palco para apresentar o espetáculo 'Dona Ivone Lara: mas quem disse que eu te esqueço', no próximo sábado, às 19h30.
Aos 51 anos, ela se prepara para entrar no palco para apresentar o espetáculo 'Dona Ivone Lara: mas quem disse que eu te esqueço', no próximo sábado, às 19h30. (Reprodução)

Aposentada em 1977, Dona Ivone Lara (1922-2018) só então passa a se dedicar exclusivamente à carreira artística. Um pouco antes de pendurar o jaleco como assistente social, aos 52 anos, lança seu primeiro LP (Samba, Minha Verdade, Minha Raiz). Primeira mulher a integrar a ala de compositores de uma escola de samba (Império Serrano), a maior sambista da história da nossa música precisou quebrar muita pedra pra ocupar seu lugar na MPB.
“Sinto muita empatia em relação a isso. Eu cuidei da minha filha até ela entrar pra faculdade. Só a partir daí que eu consegui dar um rumo para as minhas coisas, estudar, fazer música. Então, tudo isso (a trajetória de Dona Ivone Lara) é muito significativo pra mim", conta Ana Proença. Aos 51 anos, ela se prepara para entrar no palco do Cine Theatro Brasil Vallourec para apresentar o espetáculo "Dona Ivone Lara: mas quem disse que eu te esqueço", no próximo sábado (13/7), às 19h30.
Estudante de Letras, Proença conta que o projeto foi pensado antes mesmo da morte da sambista carioca, em abril do ano passado, três dias após a Rainha do Samba ter completado 96 anos de idade. “Eu queria muito cantar uma mulher, uma compositora, e a Dona Ivone representa muito para mim pela sua história de vida e pela sua carreira artística", explica.
Para a missão, convocou seus parceiros e músicos do "Samba na Feirinha", roda descontraída que rola todos os sábados, na feira da avenida Silva Lobo, na zona Oeste de Belo Horizonte. "Optei por trabalhar com os meninos que já me acompanham na feirinha, até mesmo como uma forma de a gente ocupar outros espaços, como um teatro, por exemplo", completa.
A ideia, porém, não é se desfazer do clima informal da rua. Com um repertório repleto de sucessos, como Acreditar, Sonho Meu, Alguém em Avisou, Ana Proença espera que o público se divirta e participe do espetáculo. "Eu quero um show participativo, como se fosse uma roda de samba pra teatro", afirma.
O espetáculo também contará com as participações da dançarina Júnia Bertolino, da Companhia Baobá Minas, e do compositor Evandro Mello, autor em parceria com Vinícius Mineiro da música Dama do Samba. "Eu escutei essa música com eles há uns anos atrás, no Reduto (Reduto de Compositores Vários Dons), e fiquei encantada! A música é maravilhosa. Convidei ele pra tocar comigo no palco", antecipa Ana Proença.
"Eu admiro muito a Aninha Proença. Antes da Dona Ivone morrer, ela já tinha falado sobre esse projeto. Ela ouviu e manifestou o desejo de interpretar a música no palco. E pra fechar com nota dez, ela ainda me convidou pra participar do show. Em nome meu e do Vinícius, queria agradecer a confiança da Ana em cantar um samba feito em Minas Gerais , pra homenagear essa grande sambista, carioca de Botafogo, a Dama do Samba", afirma Evandro Mello.
Outro desafio é interpretar Os cinco bailes da história do Rio, samba-enredo da Império  Serrano de 1965. "É um samba lindo, muito bem elaborado", disse.  "Tive que reduzir o repertório, mas ele está bonito e cantante", conclui.

Almanaque do Samba

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…