Pular para o conteúdo principal

Com homenagem a Euclides da Cunha, Flip promete tom mais político

Um dos eventos mais aguardados pelos amantes da literatura, a Flip acontece entre os dias 10 e 14 desse mês, em Paraty, no litoral Sul do Rio. Em sua 17ª edição, a festa terá vinte e uma mesas literárias e fará uma homenagem ao autor de "Os sertões".

Flip (Crédito: divulgação)
Flip
Crédito: divulgação
"A singularidade da Flip é o fato dela ser a construção de uma experiência que acontece nas ruas, nas praças, nos espaços públicos de uma cidade. Integrando linguagens como, por exemplo, o desenho urbano, a arquitetura cênica, o design, literatura, o cinema, o jornalismo, as artes plásticas."

No próximo dia 10 acontece um dos eventos mais esperados pelos amantes da literatura: a Festa Literária Internacional de Paraty. Em sua décima sétima edição, a Flip vai ocupar os espaços públicos do litoral Sul do Rio de Janeiro com um time de trinta e três escritores, entre eles dezessete mulheres, de dez nacionalidades. Esse ano, a festa vai homenagear Euclides da Cunha, autor do clássico "Os Sertões". 

Entre as atividades estão oficinas, apresentações artísticas, exposições e as famosas mesas literárias - que esse ano serão vinte e uma, com nomes que fazem referência a pontos geográficos e elementos de Os Sertões. A curadora da festa, Fernanda Diamant, explicou que a novidade desta edição são os formatos e as dinâmicas diferentes das mesas: 

"Uma mudança no tempo das mesas, a gente reduziu uma parte das mesas. Uma parte vai seguir com o tempo de 1h15 e outra parte a gente reduziu pra 45 minutos. Havia um sentimento que de precisava fazer ajustes e pensando também nessa atualização... porque hoje em dia você tem o TED, as redes sociais, essa coisa mais curta ganha... e com isso você tem a possibilidade de fazer conferências e outros formatos performáticos em um formato menor."

Esse ano, a escolha do autor homenageado promete dar um tom mais político às discussões. Pro professor do Departamento de Espanhol e Português da Universidade da Califórnia-Davis, Leopoldo Bernucci, que estuda a vida e a obra de Euclides da Cunha, mesmo 110 anos depois da morte do escritor, os temas abordados nas obras dele ainda estão presentes.

"O Euclides produziu uma obra que é bastante atual. ele começa escrevendo as primeiras crônicas e já tinha muito a ver com liberdade de expressão, hoje em dia falaríamos de direitos humanos. Então começando por aí, vemos que eles fazia denúncias sobre autoritarismo e regimes ditatoriais. Por outro lado, podemos ver sua consciência ecológica. Já em Os Sertões vemos o problema do desmatamento, das árvores que estão indo embora e dos desertos."

A festa foi orçada em cinco milhões e 400 mil reais mas, dois meses antes, a organização tinha conseguido um pouco mais de quatro milhões e meio. O diretor artístico da Flip, Mauro Munhoz, não disse o quanto, ao todo, foi arrecadado. Mas afirmou que novas atrações estão garantidas, como a Flip Slam, uma competição de poesia com poetas internacionais.

"A gente conseguiu alguns recursos a mais, mas não muita coisa. Conseguimos viabilizar o Terra Nova, o projeto de artes visuais que vai acontecer na Flip, conseguimos captar recursos pra realizar o espetáculo de abertura e conseguimos também uma parceria para a realização do Slam."

A festa também é muito esperada pela rede hoteleira, que vê suas ocupações atingirem cem por cento. O presidente do Sindicato de Hotéis do estado do Rio, Alfredo Lopes, disse que, por causa da falta de quartos em Paraty, o público está procurando hospedagem em cidades próximas.

"A cidade tá praticamente lotada, inclusive com reflexos em Angra dos Reis e cidades próximas de Paraty. Paraty tem 2.700 quartos, todos estão com ocupação de, praticamente, 100%. A Flip é um evento de calendário e nós já contamos com esse incremento da ocupação. Inclusive os hóteis, pousadas e restaurantes já se preparam com cardápios especiais e todo tipo de entretenimento, inclusive passeios, pra atender o público da Flip.

A expectativa pra esse ano é superar o público de vinte e seis mil pessoas da festa de 2018. A Festa Literária Internacional de Paraty acontece entre os dias 10 e 14 de julho, e o o único espaço com cobrança pra entrada é o Auditório da Matriz, onde ocorrem as mesas literárias. Os ingressos custam 55 reais.

Fonte: CBN

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…