Pular para o conteúdo principal

Com mais de 60 nomes confirmados, XIII Bienal Internacional do Livro do Ceará acontece de 16 a 25 de agosto

Faltam 30 dias para a XIII Bienal Internacional do Livro do Ceará. Em um mês, o Estado terá no Centro de Eventos um espaço de construção de políticas do livro, leitura, literatura e bibliotecas. Prevista para acontecer em abril, a mostra, que este ano tem o tema "A Cidade e os Livros", foi adiada para iniciar em 16 de agosto. Entre mais de 60 nomes confirmados nesta edição, estão Bel Santos, Marcos Bagno, Mailson Furtado, Lucia Santaella, Eduardo Agualusa, Angela Gutiérrez, Mia Couto, Tércia Montenegro, Frei Betto, Conceição Evaristo, além do escritor e cineasta marroquino Abdellah Taïa e do autor de Um Copo de Cólera, Raduan Nassar.
"Eu acho que o tema em si, 'As Cidades e os Livros', convoca muitos aspectos porque nós temos uma relação tanto poética, quanto de tensão quando se fala em cidade. A gente tem essa cidade urbana, mas também pensa: Quantas fortalezas cabem nessas cidades? Que cara tem as nossas cidades? Quem tem direitos sobre elas? Então essa temática de perguntar quais são esses territórios possíveis de existir, ela é muito provocadora", destacou Goreth Albuquerque, coordenadora geral do evento que, por dez dias, contará com programação de palestras, mesas redondas, conferências, contações de histórias, lançamentos e outras atividades literárias.
Esta edição promete também atenção ao livro técnico e acadêmico, com espaço destinado a divulgação e debate de títulos e autores voltados para áreas específicas do conhecimento. "Esse espaço foi pensado por existirem pessoas que leem livros de ensaios, pesquisas em suas áreas, entre outros. Nós temos, por exemplo, a Pedagogia do Oprimido (Paulo Freire), que completou 50 anos agora e eu acredito que seja um momento importante da gente discutir - não só o autor, como a obra - porque é uma obra que dialoga com outras áreas e traz uma resposta desconsertante", frisou. 
Nesta edição, três obras literárias - a partir de uma escolha curatorial - serão homenageadas, com espaço reservado à leitura pública dos livros (Espaço Ponto de Leitura). A Casa, da cearense Natércia Campos; Lavoura Arcaica, do paulista Raduan Nassar - confirmado no evento; e Terra Sonâmbula, do moçambicano Mia Couto - também confirmado. Natércia, falecida em 2004, será representada pela filha, a também escritora e advogada Carolina Campos. Para a coordenadora, "A Casa é uma obra universal, de ler e reler, porque é absurdamente bonita. Temos ainda um autor nacional e o Mia, que é de língua portuguesa, mas que possui um alcance maior. Então, temos essas três coisas - a casa, a lavoura e a terra - que nos remetem a sair de um micro para o macro, além de falar dos nossos espaços". 
Contemplando os mais variados públicos, outros espaços compõem a programação da mostra. Alguns deles são o Café Literário, de convivência e promoção literária, bate-papo com autores e público e lançamentos; O Cordel, que reunirá cordelistas, repentistas, xilogravuristas e expressões da cultura do Cordel; o Letra de Mulher, com foco no debate sobre a mulher no campo editorial; o Juventude, para o público jovem; e o Leitura e Infância, com atividades para crianças. De novidades, o evento ainda abriga uma rodada de negócios. "Estamos na expectativa, construindo junto com o Sebrae esses três dias de rodadas de negócios, que terão algumas mesas reflexivas para olhar esse cenário atual, de crise, quais são as políticas que envolvem o livro e a leitura, servindo também para pensar a cadeia do livro e um olhar mais atento para a cadeia criativa de diálogo", adiantou Goreth. (Colaborou Teresa Monteiro)

Clique na imagem para abrir a galeria

XIII Bienal Internacional do Livro do Ceará

Quando: 16 a 25 de agosto, de 10h às 22 horas
Onde: Centro de Eventos do Ceará (avenida Washington Soares, 999 - Edson Queiroz)
Gratuito

GABRIELLE ZARANZA
o povo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …