Pular para o conteúdo principal

Conheça cinco ilustradoras nordestinas que retratam figuras femininas



Motivadas por empatia, ilustradoras nordestinas utilizam sua arte para expressar afetos, dores e vivências de mulheres. Obras tornam-se "autorretratos" a partir da identificação pessoal


Louca, exagerada ou dramática. Concepções machistas herdadas pela sociedade tentaram definir as mulheres por gerações. Do cinema à música, o hábito engessado não se distanciou da arte.
Em vista disto, cinco ilustradoras nordestinas utilizam traços e cores para confrontar questões retrógradas. Com empatia, elas desenham formas femininas.
Raisa Christina
A escritora e artista visual Raisa Christina cria porque não sabe viver de outro modo. Sempre observadora e atenta, para ela, o seu processo criativo parte do compartilhamento de vivências. "Várias mulheres da minha família foram silenciadas por inúmeros fatores e já sabemos que isso é uma questão social generalizada. Portanto, me interessa tremendamente escutá-las narrando a si mesmas", diz.
Os traços delicados no papel fazem surgir outras personas e também expressam a própria Raisa. "O autorretrato é recorrente em minha produção e nem sempre acontece de forma consciente. Penso que esse ir ao encontro do outro também faz o caminho de volta e ouço melhor a mim mesma". A artista ainda ministra oficinas de desenho e criação literária com atividades que exploram experiências íntimas e memórias afetivas.
Silvelena Gomes
Inúmeras questões relacionadas à mulher ainda precisam ser debatidas. O tempo não deixa esquecer que a pele escura ainda é alvo de descaso. A meta da artista Silvelena Gomes é conseguir se ver em suas obras e tocar mulheres que também se sentem invisíveis.
"Quase toda ilustração nasce ou de uma profunda reflexão dolorosa ou de um sentimento de necessidade da representação. Desenho o que não consigo encontrar, crio o que não foi criado antes para mulheres como eu. O feminismo de modo geral, em certas ocasiões, não consegue abarcar as mulheres negrasgordas lésbicas", afirma.
Para a estudante de Publicidade, desenhar iguais é criar novas narrativas, somando os trabalhos já produzidos por outras mulheres negras. "Retratá-las é ir de encontro a toda uma lógica visual de representação. É me ver, dar olhos e assumir as próprias falhas, dores e vontades", reflete.
Alexsandra Ribeiro
Também inspirada pelo feminismo negro, a artista urbana e ilustradora Alexsandra Ribeiro colore folhas de papel e muros. Incentivada pela avó que pintava tecidos, começou a produzir arte ainda criança.
"Para mim, a importância de retratar mulheres negras é relacionada à representatividade. Isso importa muito. Foi por falta dela na minha infância que a retrato, para que outras meninas tenham a quem se espelhar, ver e inspirar".
Susanna Mota
A designer de moda Susanna Mota retrata o feminismo como algo natural, mas atualmente afirma que ele tornou-se um posicionamento estético-politico. "Depois de ver tantos artistas homens nos objetificando como suas musas, fazendo fama e ganhando reconhecimento com nossos corpos, hoje eu desenho a mulher que eu sou e as mulheres que estão ao meu redor", reforça.
De acordo com Susanna, produzir arte também é uma forma de combate às opressões. "Desenhar acreditando no meu trabalho autoral, e fazer disso minha forma de sustento, em uma sociedade tão misógina como a nossa, a meu ver, é um ato de resistência feminista". Apesar de poucas mudanças significativas no cenário profissional da arte, segundo a artista, hoje ela se encontra esperançosa. "Nós estamos cada vez mais unidas e atentas", afirma.
Ju Chooo
Mulheres independentes também são representadas com cores vivas nas obras da ilustradora Ju Chooo. Elas mostram figuras em plenitude, e a inspiração da artista parte de pessoas próximas. "Vivo rodeada de diversas mulheres que me inspiram muito. Corajosas, fortes e resilientes".
As pinturas surgiram na vida de Ju após a descoberta de uma antiga paleta de aquarela encontrada no fundo de uma gaveta. Após alguns testes e o incentivo de amigas, ela se dedicou ao estudo das artes. O feminismo também surgiu naturalmente. Ju Chooo ainda cita a escritora Maya Angelou. "Tenho sido mulher há tanto tempo, seria estúpido não estar do meu próprio lado".

Diário do Nordeste

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…