Pular para o conteúdo principal

Ecio Salles, criador da Festa Literária das Periferias, morre aos 50 anos

Produtor cultural, segundo nota de unidade de saúde, morreu em decorrência de um câncer. Ele estava internado no hospital Vitória da Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio.


Por G1 Rio

O fundador da Festa Literária das Periferias (Flup), Écio Salles, morreu nesta segunda-feira (23) aos 50 anos. A informação foi confirmada pelo hospital Vitória, na Barra de Tijuca, Zona Oeste do Rio, onde ele estava internado.
Segundo o hospital, Salles morreu em decorrência de um câncer.
Nos anos 2000, Salles ficou famoso ao criar o selo Tramas Urbanas, pelo qual lançou os livros “Poesia Revoltada” e “História e Memória de Vigário Geral”. Ele também foi secretário de Cultura de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, entre 2009 e 2010, nas gestões de Lindberg Farias e Sheila Gama.
Em 2012, criou, juntamente com o jornalista Julio Ludemir, a Festa Literária das UPPs, que promovia oficinas literárias, debates, saraus e outros eventos culturais nas comunidades do Rio. A festa, depois de um tempo, passou a ser chamada Festa Literária das Periferias (Flup).
O evento é um dos mais aguardados do calendário cultural da cidade, e terá em 2019 sua sétima edição.
 
Flup reuniu mais de 500 autores nacionais e internacionais entre 2012 e 2018 — Foto: Divulgação
Flup reuniu mais de 500 autores nacionais e internacionais entre 2012 e 2018 — Foto: Divulgação

Cultura carioca de luto

Em nota, a Secretaria Municipal de Cultura lamentou a morte.
"Um dos criadores da Festa Literária das Periferias (Flup), o poeta e produtor cultural Ecio Salles ajudou a dar visibilidade à efervescência sociocultural das favelas do Rio. Seu esforço pela democratização da cultura colocou a periferia no centro do debate sobre a literatura, deixando um legado de luta e resistência. A Cultura carioca está de luto. A Secretaria Municipal de Cultura se solidariza com a família.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…