Pular para o conteúdo principal

Egito inaugura museu em homenagem a Nobel de Literatura Naguib Mahfouz

Único escritor em língua árabe a receber o Nobel de Literatura, em 1988, museu abriga pertences e a biblioteca pessoal de Mahfouz, cuja obra-prima é a chamada Trilogia do Cairo

Sameh Elkhatib, Reuters

CAIRO - Um museu em homenagem à vida e à obra do romancista egípcio Naguib Mahfouz (1911-2006) foi inaugurado no Cairo, quase 13 anos após a morte do escritor ganhador do prêmio Nobel de Literatura.
Museu e Centro Criativo Naguib Mahfouz abriga os pertences e a biblioteca pessoal de Mahfouz, que recebeu o Nobel de Literatura em 1988.
Museu em homenagem ao escritor egípcio Naguib Mahfouz
Museu em homenagem ao escritor egípcio Naguib Mahfouz Foto: Sameh Elkhatib/Reuters
Considerado pelos críticos o maior cronista do Egito contemporâneo, é o único escritor em língua árabe a receber o Prêmio Nobel de Literatura, em reconhecimento a sua longa trajetória como poeta, romancista e articulista.
Entre seus mais de 50 livros, foram publicados no Brasil, obras como O Beco do Pilão e Noites das Mil e uma Noites. Sua obra-prima é a chamada trilogia do Cairo publicada entre 1956 e 57 e lançada no País pela editora Record: Entre Dois PaláciosPalácio do Desejo e O Jardim do Passado
O centro, estabelecido em um edifício reformado de 1774, foi planejado durante anos, mas adiado devido a problemas financeiros e de outros tipos.
“Espero que esse museu se torne um centro de radiação cultural e uma atração turística”, disse o ministro da Cultura egípcio, Inas Abdel Dayem, na cerimônia de inauguração no domingo.
O prédio de dois andares localizado no bairro de Gamaliya fica perto de onde o autor nasceu, e a área inspirou muitas de suas histórias e personagens.        
Além de expor muitos itens pessoais e textos manuscritos, o museu possui um saguão que contém todas as suas obras, em edições modernas e antigas, além de salões de conferência, uma biblioteca audiovisual e uma biblioteca que abriga pesquisas e estudos sobre as obras de Mahfouz.
Mas sua medalha do Nobel não estará em exibição e continua com sua família.
A filha de Mahfouz, Umm Kulthum, que compareceu à inauguração, disse estar feliz pela realização do sonho de construir o museu “após anos de espera”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …