Pular para o conteúdo principal

FELIZ NATALÍCIO, CRATEÚS!


A imagem pode conter: céu e atividades ao ar livre
A imagem pode conter: Júnior BonfimHoje, 06 de julho, é dia de unirmos as palmas das mãos em sinal de aprovação à musa de muitos poetas, à princesa de uma coletividade, à dama do ventre colossal, à argila de sonho através da qual tivemos o primeiro contato com o sol incomparável: Crateús!

Hoje é o dia do aplauso comunitário, do elogio público, do louvor uníssono, da congregação constelada. É o dia do aniversário do Município que foi abençoado pela generosidade da natureza. Amanhece reverenciando uma cadeia montanhosa de terra fendida, a Serra da Ibiapaba, como que a crismar simultaneamente a magnitude divina e a gratuidade do universo, que nos brindou com um bioma singular.

Hoje é o dia do leve extravasamento, do excesso cauteloso, do transbordamento calculado, da empolgação aprumada, da alegria serena. É o dia do natalício.

O doutor Leonardo Wandenberg, meu colega na magia do múnus comum, outro dia suscitou a seguinte reflexão: “Alguém já reparou que, no nosso aniversário, geralmente nos sentimos mais dispostos e confiantes? Mas como, se, na verdade, estamos ficando cada vez mais próximos do fim do caminho?! Minha tese é a seguinte. É uma data em que recebemos uma transmissão energética muito grande das pessoas que nos rodeiam e que nos amam, uma carga positiva proveniente dos votos de paz, saúde e felicidade, bem como das bênçãos de Deus. É um momento em que também reabastecemos nossos sonhos, e renovamos nossas perspectivas e esperanças como quem troca o óleo do motor. Tudo isso de uma só vez! Portanto, tornamo-nos novamente condutores de uma energia transbordante, como um açude que 'sangra' por já ter estoque suficiente para matar a sede por mais uma temporada. Por isso que nos sentimos mais vigorosos. É como um renascimento, como voltar a ser criança. O aniversário não é um dia especial porque somos especiais, mas por termos o privilégio de sermos irrigados com mais vida, compensando os anos que se acumularam.”

Hoje é o dia, em especial, da visita ao poço dos desejos, à ‘fontana de trevi’ das aspirações mais profundas. Por isso, ouso repartir três pedaços do bolo de sonhos que sempre, nesta data, preparo para a terra que me tocou com o espasmo da existência.

O primeiro pedaço de sonho é mineral e de origem hídrica. Volta-se para a nossa artéria vital, registrada em uma indígena pia batismal com o nome de Poty. É o nosso rio principal. Sonho vê-lo rejuvenescido, com as feridas abertas pelo açoite humano saudavelmente cicatrizadas. Almejo reencontrar sua mata ciliar recuperada. Almejo, um dia, ver o seu leito urbano totalmente despoluído e sendo objeto de concorridos passeios familiares.

O segundo sonho é ambiental. Aspiro ver todos os meus conterrâneos com a compreensão de que nós, seres humanos, não somos o centro do mundo, mas apenas parte dele. O mundo é de todos os seres, inclusive daqueles que equivocadamente imaginamos inanimados. Aspiro ver todos os meus conterrâneos respeitando as árvores, as pedras, as aves, as areias, os peixes, as águas... Enfim, todos os integrantes da natureza. Aspiro ver todos os meus conterrâneos em um mutirão para que a cidade fique indistintamente coberta por uma verde cabeleira de árvores, contribuindo para reduzir as altas taxas de temperatura. (No coração de Lisboa, em Portugal, há uma estufa fria, um viveiro que alberga espécies de plantas oriundas de várias partes do mundo. Poderíamos ter vários...). Aspiro ver todos os meus conterrâneos irmanados em um só movimento para que a área geográfica do Quadragésimo Batalhão de Infantaria, o 40º BI, se transforme no maior Parque Urbano do interland cearense, constituindo-se em uma Reserva Natural de preservação da nossa flora e da nossa fauna, objeto de piqueniques e confraternizações diversas...

O terceiro é social. Trata-se da celebração de um novo contrato entre os que representam e os que são representados, governantes e governados, cuja cláusula primeira estabeleça o acendimento da tocha olímpica da verdade. Que os negócios públicos sejam tratados não nas alcovas, mas nos pátios. Que as decisões sejam tomadas sob o burburinho do dia e não à calada da noite. Que as autoridades se disponham a serem não postes apagados, mas fachos de luz. Que cada cidadão veja a política não como uma simples campanha, mas como uma verdadeira campana. Que todos contribuam para uma cidade 3D – divertida, democrática e digna. Que os eleitos vejam o mandato não como um momento para o exercício da selvageria da destruição, mas para a edificante tarefa da construção. Que a cidade seja vista não como uma selva de pedra, mas como o terreno fértil para o cultivo de um jardim. Que a passagem temporária pelo poder seja encarada não como um negócio, mas como um sacerdócio. Que os eleitos se disponham a dispensar o poder para que ele se transforme em uma fonte de coletivo prazer!

Feliz Natalício, Crateús!

*Advogado, escritor, naturalmente de Crateús

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…