Pular para o conteúdo principal

Festa literária de Paraty é sucesso de público, debate e autores

Ao todo, 636 programas para a Flip deste ano foram cadastrados no site.
Foram 636 programas, com destaque para a participação de jovens.
Foram 636 programas, com destaque para a participação de jovens. (Fernando Frazão)

A 17ª Festa Literária Internacional de Paraty (Flip), encerrada domingo (14) na cidade histórica de Paraty, na Costa Verde do estado do Rio de Janeiro, recebeu 42 autores em seu programa principal, dos quais 24 mulheres e 18 homens, de 13 nacionalidades – Angola, Argentina, Brasil, Burundi, Canadá, Cabo Verde, Espanha, Estados Unidos, Israel, Nigéria, Portugal, Reino Unido, Venezuela.
O autor homenageado nesta edição foi Euclides da Cunha. Houve alta em relação aos 33 escritores convidados na programação principal da Flip 2018.
Além dos escritores, participaram do Programa Principal da Flip 2019 a Universidade Antropófaga, com 19 integrantes, na apresentação de abertura da festa; o Núcleo de Arte Mundana Companhia, com 11 membros, do evento Máquinas do Tempo; e Roberta Estrela D’Alva e o Núcleo Bartolomeu, da Flip Slam (batalha de poesias). Já o programa educativo contou com 57 autores.
Ao todo, 636 programas para a Flip deste ano foram cadastrados no site.
Acessos e redes sociais
A festa teve forte movimentação nas redes sociais. O aplicativo Flip, lançado no último dia 10, registrou 3 mil usuários ativos. No instagram, os posts alcançaram mais de 1,5 milhão de pessoas; a média das stories foi de 2 mil visualizações; e a hashtag #Flip2019 foi usada 2 milhões de vezes. No facebook, as postagens atingiram mais de 150 mil pessoas. No youTube, os vídeos contabilizaram 15 mil visualizações e 2,3 mil horas assistidas.
Foram registrados 8.813 acessos no Auditório da Matriz, onde ocorreram as mesas literárias da Flip, com ingresso pago; 12.973, no Auditório da Praça; 1.525 na Biblioteca Casa Azul; 3.326 na Central Flipinha; 640, no Barco Educativo; 246, na Terra Nova-Máquinas do Mundo, e 237, no Cinema da Praça.
A Flip 2019 contabilizou 452 contratações de prestadores de serviços, sendo 197 diretas e 255 indiretas, constituídas de mão de obra de fornecedores.
Livros mais vendidos
A feira também teve movimento intenso de venda de livros. A obra Memórias da Plantação, da autora portuguesa Grada Kilomba, editora Cobogó, teve 648 exemplares vendidos; e a nigeriana Ayobami Adebayo, Harper Collins, autora do livro Fique Comigo vendeu 546 exemplares.
Também foram muito procurados os livros Ideias para adiar o fim do mundo, do líder indígena brasileiro Ailton Krenak, Cia. das Letras (373); o livro Também os brancos sabem dançar, do autor angolano Kalaf Epalanga, Todavia (272); Meu pequeno país, do rapper e romancista do Burundi Gael Faye, Radio Londres (268); Uma noite Markovitch, da escritora Ayelet Gundar Goshan, de Israel, editora Todavia (263); Sobre o autoritarismo brasileiro, da historiadora brasileira Lilia Moritz Schwartz, Cia. das Letras (213); Maternidade, da canadense Sheila Heti, Cia. das Letras (211); Lugar de fala, da filósofa brasileira Djamila Ribeiro, Polén (179); e Oráculo da noite, do neurocientista brasileiro Sidarta Ribeiro, Cia. das Letras (175).
Realização
Em entrevista ontem (15), a curadora da Flip 2019, a jornalista e editora Fernanda Diamant, disse estar muito feliz com os resultados da festa. “O que eu imaginava se realizou de forma muito próxima. Acho que chegou na meta, com adesão do público. Tivemos recorde de presença no teatro, sala cheia”, afirmou. Até as mesas matinais, que costumam ficar menos ocupadas, receberam bastante público.
O total de 8.813 visitantes somente no Auditório da Matriz foi 19% maior do que o registrado na edição 2018 da Flip. No público total, o aumento estimado foi de 10%.
A jornalista também comemorou a participação infantojuvenil na Flip. “Tivemos muita participação dos jovens de Paraty. É um desejo da equipe e da Flip fazer atividades educativas. Isso aconteceu antes e durante o evento”. Segundo ela, as crianças que visitaram a festa participaram de atividades não só da programação principal, mas das ações paralelas.
Aplicativo
O aplicativo lançado durante o evento permitiu acompanhar, em tempo real, gratuitamente, as atividades da Flip 2019, por meio de transmissões ao vivo das mesas do programa principal e dos melhores momentos. A curadora celebrou os 3 mil usuários ativos conquistados durante o evento.
A partir de ontem (15), o aplicativo ganhou conteúdo exclusivo para assinantes, que terá, inclusive, debates e conteúdos selecionados das 17 edições da festa e entrevistas exclusivas com autores. São dois planos de assinatura do aplicativo: o mensal, no valor de R$ 35/mês, e o anual, por R$ 249, parcelados em até dez vezes.
O usuário poderá ver as mesas, rever o que mais gostou, ouvir podcasts (áudios e vídeos).

Agência Brasil

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …