Pular para o conteúdo principal

Guia Flip 2019: pontos que merecem destaque no principal evento literário do País


Da diversidade de temáticas às novas abordagens e formatos de apreciação da literatura, um roteiro para otimizar encontros e saberes


Em um onipresente diálogo entre a tradição e a modernidade - observado da arquitetura colonial ao movimentar intenso dos dias de evento - a Flip consolida-se, a cada edição, como um farto campo de trocas. Neste 17º ano, a festa chega robusta, com 33 autores confirmados e outros distribuídos em Casas Parceiras. Quanto ao orçamento, foi calculado em R$ 5, 4 milhões, conforme anúncio em 15 de maio.
De forma geral, os ingressos manterão o mesmo valor do ano passado, R$ 55, com possibilidade de meia-entrada. A programação, por sua vez, tem curadoria da editora Fernanda Diamant, sucessora da jornalista Joselia Aguiar. A nova ocupante do posto tem passagens pela Publifolha (onde foi assistente de Arthur Nestrovski) e Editora 34. Também é sócia da Quatro Cinco Um, revista mensal de resenhas e ensaios que começou a circular em maio de 2017.
img1img1
Localizada no litoral fluminense, Paraty transforma-se, durante quatro dias, em palco incontornável da literatura
Arte: Lincoln Souza
Arranjos
A presença de Diamant sinaliza algo distinto das edições passadas: um olhar mais acurado sobre a não-ficção e a busca por formatos variados das mesas. Não à toa, debates sobre história, política, ciência e jornalismo, por exemplo, deverão pautar os encontros no evento.
A diversidade editorial e representatividade temática e de escritores e escritoras, sob outro espectro, serão mantidas.
A escolha pela homenagem ao plural Euclides da Cunha reflete esse aspecto, observado inclusive no nome de todas as mesas, que herdaram designações de cidades, rios e pontos geográficos do sertão da Bahia, cenário de "Os Sertões". Abaixo, você confere alguns dos mais importantes pontos a se destacar na festa deste ano. Monte seu roteiro e boas incursões!
Diversidade
Com a proposta de otimizar novas abordagens, olhares e perspectivas sobre temas outrora eclipsados, a Flip 2019 dará maior atenção a debates sobre feminismo negro, culturas indígenas, questões de raça e imigração, música, arte e arquitetura, poesia e mineração, maternidade na ficção, teatro, cinema, ciências e até mudanças climáticas. As atividades envolvendo os assuntos serão distribuídas em espaços oficiais e alternativos e numa variedade de formatos, como oficinas e mesas.
Amplitudes
Entre as novidades anunciadas, vale destaque o site repaginado que estará a serviço dos (as) visitantes. Mais abrangente e com um mapa interativo, comunicará de forma integrada toda a programação do evento, contando com a parte educativa e as casas parceiras; estas, por sua vez, terão autonomia para subir suas programações na plataforma e o público poderá criar a própria agenda, unindo toda a programação disponível com o espaço público da cidade.
foto 2foto 2
Uma das casas presentes na Flip para apreciação do público
Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil
Slam
A partir da curadoria da atriz e cantora paulista Roberta Estrela D'Alva, uma das pioneiras do movimento no Brasil, ações gratuitas de slam permearão os dias de festa. A intenção, conforme o nome à frente das atividades, é mostrar ao público que literário não é somente o que está escrito. Assim, o minitorneio, parte da programação oficial do evento, envolverá seis poetas internacionais e refletirá a potência da prática. A apresentação será em12 de julho, no Auditório da Praça.
Fantasia
Na Rua do Comércio, 90, acontecerá, pela segunda vez, encontros sobre literatura fantástica, com amplitude cada dia maior nas letras do Brasil. Já confirmaram presença as editoras Lendari, Draco, Luva, Empíreo e Avec, além da Presságio, que organiza o espaço. Entre as temáticas, estão ficção científica ecológica e o crescimento do mercado nacional de HQs. A casa também será palco da entrega do Prêmio Argos, o mais antigo prêmio de literatura fantástica nacional.
Educativo
Fundada em 2005 e, hoje, com mais de 17 mil livros catalogados, a Biblioteca Comunitária Casa Azul é eixo fundamental do Programa Educativo da Flip, conduzido por Belita Cermeli. Na edição deste ano, além do acesso a pé para a sede na Ilha das Cobras, a 15 minutos desde o Centro Histórico, está sendo preparado um barco, que transportará o público gratuitamente entre esses dois espaços: os locais de programação da Flip e a sede do aconchegante lar dos livros.

Diário do Nordeste

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…