Pular para o conteúdo principal

Mortes: Professora de francês e literatura, encontrou na educação sua emancipação

Apaixonada pela literatura francófona do Caribe, desenvolveu métodos únicos de ensino


Caroline Amaral ‎Coutinho
SÃO PAULO
Quando a professora Diva Damato, que morreu na terça-feira (9), anunciou sua aposentadoria aos 70 anos, suas turmas, já cheias, ficaram ainda mais lotadas de estudantes que não queriam perder a chance de ouvir seus ensinamentos.
Doce e culta, ela gostava de envolver os estudantes com seus contos e poemas de terras francófonas. Ela acreditava que o aprendizado deveria vir da leitura de textos relacionados ao gosto dos estudantes.
Durante os anos 80, ela foi a primeira a dar aulas usando o método de ensino de língua instrumental, usando a literatura e a leitura para ensinar, em vez de métodos gramaticais prontos.
Professora Diva Damato faleceu na terça-feira (9)
A professora Diva Damato faleceu na terça-feira (9) - Arquivo Pessoal
Suas histórias favoritas vinham das ilhas caribenhas que falavam a língua francesa. Foi amiga de autores como Édouard Glissant, da Martinica, e Dany Laferrière, haitiano e canadense. Ela também ajudou a fundar o prêmio Carbet de literatura francófona no Caribe e Américas.
Seu interesse e estudo do francês veio da sua vontade de ser independente. Criança durante os anos 30, Diva queria estudar, mas sua mãe a persuadiu de se tornar pianista.
Prodígio musical, passou no concurso como concertista municipal aos 18 anos.
Mas por querer emancipar-se financeiramente, abandonou tudo para integrar o antigo Instituto Sedes Sapientiae, voltado para a profissionalização de jovens mulheres da elite paulista. Entrou para estudar latim, mas lá encontrou o francês, que se tornou sua área de expertise desde então.
Mesmo depois de casar-se em 1958, não se incomodava em morar sem o marido Milton. De fato, durante seus 55 anos de casados, passaram somente 19 vivendo juntos.
Segundo seu filho, o jornalista Marcelo Damato, Diva “foi uma feminista, mas que não militou.”
Depois do golpe militar de 1964, Diva foi denunciada como comunista, mas não foi detida. Decidiu então mudar-se para a Montpellier, na França, onde deu aulas de português durante dois anos. 
Diva tinha um senso de justiça necessário para sua época. Matriculou seus filhos na escola francesa, numa época em que era comum professores baterem em alunos para repreender maus comportamentos. Uma vez disse à diretoria: “se tocarem um dedo nos meus meninos, eu processo!”
Quando voltou para o Brasil nos anos 80, começou a ensinar na Universidade de São Paulo (USP) e integrou a Associação dos Professores de Francês de SP. Como professora, tinha repulsa de livros de línguas com métodos prontos, e produzia todos os anos, ela mesma, o material para seus estudantes. 
Também corrigia os trabalhos a lápis, porque acreditava que o aluno tinha o direito de contestar sua avaliação.
“Tudo na Diva era muito profundo,” explicou a amiga e professora de francês, Cristina Pietraróia, 55. “Ela não precisava dizer que era ética. Ela só era.”
Aos 80 anos, já era aposentada, mas ainda dava aulas de língua e literatura francesa na USP. Para explicar tantos anos de dedicação, ela dizia simplesmente: “se você fez algo por prazer, então você não precisa ser recompensada. Se você fez algo por uma compensação, então você não merece essa recompensa.”
Diva Damato morreu na terça-feira (9), aos 88 anos, devido a uma insuficiência cardíaca, e foi cremada no mesmo dia. Deixa seus três filhos —Murilo, Marcelo e Mauro— e seu legado de ensino de línguas pela compreensão e empatia.
Folha de S. Paulo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…