Pular para o conteúdo principal

ONU começa a avaliar patrimônio da humanidade a Paraty e Ilha Grande

Esta é a segunda vez que o Brasil apresenta Paraty a patrimônio da humanidade.
O centro histórico de Paraty está localizado no sul fluminense.
O centro histórico de Paraty está localizado no sul fluminense. (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

O Comitê do Patrimônio Mundial da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco) vai decidir nesta semana se o centro histórico de Paraty, no sul fluminense, e reservas de Mata Atlântica da região da Baía da Ilha Grande constituem um patrimônio mundial da humanidade. O comitê fará a avaliação anual de candidaturas em Baku, capital do Azerbaijão, onde estará reunido entre 30 de junho e 10 de julho.
A discussão sobre as novas candidaturas está marcada para o dia 5 de julho e pode estender-se até o dia seguinte. Cada país só pode apresentar uma candidatura por ano e entre os candidatos estão o Santuário Bom Jesus do Monte (Portugal), Babilônia (Iraque) e a Cidade Submersa de Porto Real (Jamaica).
Um patrimônio da humanidade é um bem considerado de valor universal, independentemente da sua localização no planeta. O título é concedido pela Unesco após uma análise técnica. Atualmente, o país tem 21 locais que detém o título, como os centros históricos de Ouro Preto (MG), Olinda (PE) e Salvador (BA), o Plano Piloto de Brasília, o Parque Nacional do Iguaçu (PR) e o Cais do Valongo (RJ).
Ao todo, serão julgadas 36 candidaturas à inscrição na Lista de Patrimônio Mundial, o que inclui sítios naturais, sítios culturais e sítios mistos, que é o caso da candidatura de Paraty. Estão incluídos na candidatura da cidade fluminense o centro histórico da cidade, o Parque Nacional da Serra da Bocaína, a Área de Proteção Ambiental de Cairuçu e o Parque Estadual da Ilha Grande, no município de Angra dos Reis.
Segunda tentativa
Esta é a segunda vez que o Brasil apresenta a candidatura de Paraty a patrimônio da humanidade. Em 2009, ao chegar na última etapa da avaliação, a candidatura foi rejeitada. A orientação dada foi reconfigurar a inscrição, com mais elementos, o que levou dez anos para ser concluído.
O comitê também vai avaliar o estado de conservação de 166 sítios já inscritos na lista, incluindo 54 que se encontram na Lista do Patrimônio Mundial em Perigo. Serão examinadas cinco indicações a novos sítios em perigo e duas indicações à retirada da lista de patrimônio incluído – entre elas está a Igreja de Natividade, considerada pelos cristãos o local do nascimento de Jesus.
Otimismo
Representantes de Paraty e de Angra dos Reis viajaram ao Azerbaijão para acompanharem a discussão. A secretária de Cultura de Paraty, Cristina Maseda, participou da construção da candidatura e se considera otimista. “Será um marco para Paraty e o primeiro sítio misto do Brasil”, torce. Ela destaca que a candidatura também considera a cultura das comunidades caiçaras, indígenas e quilombolas que habitam as áreas preservadas e reforçará os argumentos para sua permanência no território. “A candidatura traz toda uma valorização dos fazeres e dos saberes das comunidades tradicionais que vivem nessas reservas.”
Cristina também acredita que o reconhecimento da Unesco vai trazer maior engajamento do poder público e investimentos para a preservação e a gestão compartilhada desse território com o governo do estado e o governo federal.
Delegação
Além da secretária de Cultura, viajaram para o Azerbaijão o prefeito em exercício, o secretário de Governo e o secretário de Meio Ambiente de Paraty. Angra dos Reis enviou o prefeito, Fernando Jordão, o secretário de Desenvolvimento Econômico e o presidente da Fundação de Meio Ambiente do município.
Jordão acredita que Angra dos Reis terá um impulso em sua atratividade turística se suas reservas forem consideradas patrimônios mundiais. “É um selo de referência e de proteção. Será muito importante para o desenvolvimento”, acredita. “Isso vai nos ajudar a conseguir financiamento e ter todo um cinturão de proteção a essas reservas.”

Agência Brasil

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…