Pular para o conteúdo principal

Um amor que cura

Sim, ele existe! Mas em meio ao caos você não vai percebê-lo

MIŁOŚC
Hoje resolvi escrever sobre o amor. Após tantos textos sobre amores que muitas vezes nos destroem, hoje escrevo sobre amores que nos curam.
 
Todos nós já passamos por momentos difíceis em nossas vidas. Momentos que fizeram com que nos fechássemos e que perdêssemos a doçura, os sonhos e todos os sentimentos que deveriam fazer com que transbordássemos. Muitas vezes, em meio ao caos, é muito difícil percebermos que um dia teremos a graça e o privilégio de conhecer alguém que nos proporcionará um amor que cura.
 
Após muitas orações feitas de joelhos por mim a Deus, pedindo a Ele a graça de um amor doce e simples, eu o conheci.
 
E o conheci de uma forma extremamente diferente e especial. Aos poucos, fui percebendo o quanto ele representava tudo o que eu havia pedido a Deus em minhas orações e o quanto Deus o colocou em minha vida para que ele fosse o meu amor em forma de cura.
 
Muitas vezes, esse amor precisou arrombar a porta do meu coração – às vezes trancada a sete chaves – para visualizar toda a bagunça e resquícios da minha história que ainda estavam ali. E haja coragem! Afinal, tudo era cinza e escuro dentro do meu peito. Contudo, mesmo tudo estando cinza, ele foi corajoso o suficiente para, em meio à escuridão, trazer luz e brilho para aquele lugar que era frio, seco e cinza. Logo, percebi que era amor.
 
Mas Talita, quando você percebeu que era amor?
 
Percebi que era amor quando tive a coragem de me desnudar por inteira a ele, com todas as minhas cicatrizes, ao ponto de perceber que ele seria o único que poderia ser o meu cobertor. Percebi que era amor quando ele teve a coragem e a doçura de ir até a raiz das minhas maiores dores e enfrentá-las comigo. Percebi que era amor quando me tornei uma pessoa melhor por causa dele.
 
Tenho aprendido que amar implica abrir malas, sentimentos, fraquezas, medos e angústias. Não apenas de sorrisos e promessas de eternidade. Até porque, para chegar ao eterno, precisamos dos pequenos passos de hoje.
 
As únicas coisas que devem ser abandonadas são as autoimagens maquiadas, as expectativas infantis acerca de amores perfeitos e as frases de efeito – que só funcionam em livros de romance.
 
Amar é ser cobertor quando o outro desnuda as suas fragilidades diante de nós. É sentir o quando as angústias dele também falam sobre os receios dela. O quanto a torcida dela encoraja as conquistas dele.
 
Aprendi com ele que amar, acima de tudo, é saber que devemos ser singulares em alguns momentos e plurais em outros: “Nós vamos passar por isso juntos!”.
Obrigada por isso, meu amor.
 
Lembrem-se sempre: quando estamos dispostos a viver a pluralidade, automaticamente damos espaço à cura que só um amor enviado por Deus pode nos trazer.
 
Aleteia

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…