Pular para o conteúdo principal

Com atrações internacionais, Balada Literária Bahia 2019 começa nesta quarta (21)

Evento vai até o domingo (25) com rodas de conversa, lançamentos, saraus e performances artísticas

Grandes pontos que marcaram a história da literatura baiana formam o circuito percorrido pela quinta edição da Balada Literária Bahia 2019. O evento, que começa hoje e segue até domingo, explora a literatura através de uma programação que envolve palestras, mesas, peças de teatro e shows musicais.
“Uma balada é assim, as pessoas vão e conversam, se divertem. Nossa ideia é fazer isso com a literatura, colocar num plano menos plástico, da forma mais simples possível, fora do pedestal”, comenta o escritor e poeta Nelson Maca,  que divide a curadoria com o escritor pernambucano Marcelino Freire. A Balada, que é um desdobramento da festa homônima nascida em São Paulo, ainda acontecerá em Teresina,  uma semana após o encontro em solo soteropolitano.  
A temática deste ano aborda  a importância e a influência dos mestres  na construção do conhecimento. O escritor e filósofo pernambucano Paulo Freire (1921-1997) e a educadora Dona Cici, conhecida como Vovó Cici, são os homenageados. “Queríamos homenagear alguém que represente a Bahia, com um peso maior, que tenha a ver com a nossa cultura, nordestina e de negritude, por isso Dona Cici”, explica  Maca, acrescentando que ela tem um grande trabalho de educação popular. 
Grupo de rap Versus2 se apresenta na abertura do festival no Sarau Black(Foto: Divulgação)

A primeira noite do festival será inaugurada com o Sarau Black 2019, comandado pelo próprio Nelson, no Espaço Cultural da Barroquinha, às 19h: “A proposta tem como centralidade enaltecer a cultura negra. Desconstruir a questão racial e ampliar a arte na diversidade. O mesmo acontece com o sarau trans, que tem todos os convidados transexuais. Eles estão lá porque escrevem e cantam bem, porque tem um dom artístico”.
Além da Barroquinha, o evento se instalará em outros locais da cidade, como a Casa do Benin, no Centro Histórico, no Teatro Gregório de Mattos e na Fundação Pierre Verger, no Engenho Velho de Brotas. O curador Nelson reforça a importância da programação passar por esses pontos, que historicamente remetem à cultura baiana: “Estar em espaços, que são nossos, do povo, sabendo ocupar e dialogando com as gestões das casas torna tudo muito mais bonito. O público recebe as mensagens de forma mais intensa”, afirmou.
Escritor Marcelino Freire também está na programação (Foto: Divulgação)

A homenageada Dona Cici abre a manhã da quinta (22), às 10h, com um café da manhã na Casa do Benin, recebendo a escritora Cássia Vale e o produtor cultural e coordenador do espaço Chicco Assis para um bate-papo. 
Vovó, como é carinhosamente chamada, segue a proposta da homenagem a Paulo Freire, mas com uma característica “mais popular”, como Nelson destaca, por ser uma senhora negra e baiana, o que, mais uma vez, amplia o debate racial. No tarde domingo (25),  a partir das 15h, ela volta a participar do evento, num encontro na Fundação Pierre Verger, onte atua, com bate-papo, contação de histórias e show  com o grupo Canastra Real
Vertin Moura faz show no Teatro Gregório de Matos (Foto: Divulgação)

A festa também vai contar com presença internacional. Os escritores Valter Hugo Mãe, português, e Abdellah Taia, marroquino, chegam na cidade como  referências da literatura do mundo, se unindo às atrações mais populares do circuito.
“É um impacto mostrar essa diversidade, uma curadoria muito ampla. Mostra que é possível fazer um evento literário com os artistas da cidade, principalmente nesse momento difícil que a arte vem enfrentando”, lembra o curador. Abdellah estará na Casa do Benin na sexta, às 17h. E Valter  Hugo estará no Benin, às 16h, participando de uma mesa com o também escritor Marcelino Freire.

Programação completa
Quarta (21/08)
ESPAÇO CULTURAL DA BARROQUINHA (19h):
Sarau Bem Black: Lançamento da Revista Organismo número 7 e do livro Go Afrika,  de Nelson Maca; Pocket-Show da banda Versu2 (Rap)
Quinta (22/08)
CASA DO BENIN, NO PELOURINHO
10h Café da manhã com a homenageada Dona Cici,  
bate-papo e lançamentos. Participação de Cássia Vale e Chicco Assis
14h Milena Britto conversa com os escritores Lima Trindade, Nilson Galvão e Steban Rodrigues
15h30 Nelson Maca conversa Franciel Cruz, Marcio Bode e Marcus Gusmão
17h Milena Britto e Sarah Rebecca Kersley conversam com Marcelino Freire
 ESPAÇO CULTURAL DA BARROQUNHA:
19h TRANS/VERSAL – Sarau da Diversidade. Apresentação de Ed Marte e Sued Hosana
Sexta (23/08)
CASA DO BENIN
 9h às 12 h Curso de prosa, a partir do livro Torto Arado, vencedor do Prêmio Leya de Literatura, com Itamar Vieira Junior e Luciany Aparecida
14h Vera Lopes conversa com Fabiana Lima, Alex Simões e Sued Hosana
15h30 Alex Simões conversa com os escritores Denisson Palumbo, Rita Santana e Sérgio Bahialista
17h Simone Paulino conversa com o escritor franco-marroquino
Abdellah Taia
ESPAÇO CULTURAL DA BARROQUNHA:
19h Espetáculos teatrais Encruzilhada, com Leno Sacramento. Direção: Roquildes Júnior; e Se Deus Fosse Preto, com Sérgio Laurentino. Direção : Jean Pedro.
Entrada: R$ 20 e R$ 10 (meia)
Sábado (24/08)
CASA DO BENIN
Das 9h às 12h Curso de prosa e de poesia com Marcelino Freire e Nelson Maca
ESPAÇO CULTURAL DA BARROQUNHA:
14h Chicco Assis e Nelson Maca conversam com Juraci Tavares, Miguel Marinho (PE), Pinduka e Vertin (PE)
16h Marcelino Freire e Ana Cristina Pereira conversam com Valter Hugo Mãe (Portugal)
TEATRO GREGÓRIO DE MATOS
19h Shows com Miguel Marinho, Vertin Moura e Juraci Tavares 
*Lançamento do clipe “Pássaro Só” de Vertin
Entrada: R$20 e R$10 (meia)
Domingo (25/08)
FUNDAÇÃO PIERRE VERGER
15h Encerramento com bate-papo com Dona Cici, mediado por Chicco Assis e Cássia Vale. Contação de histórias com Dona Cici e Cássia Vale 
17h Show: Brincante Canastra Real, com Pinduka & Canastra Real

Com orientação da editora Ana Cristina Pereira
Fonte: Correio 24 horas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…