Pular para o conteúdo principal

"É sempre tempo": Idosos cearenses voltam aos estudos como forma de reinserção social


Educação de mais velhos é primeiro dos cinco temas da série de reportagens “É sempre tempo”, da Rádio Verdes Mares, que retrata as possibilidades da terceira idade em um país com expectativa de vida crescente


Mário voltou a estudar após 40 anos longe das salas de aula
FOTO: FABIANE DE PAULA
“Quando o senhor era mais jovem, parou de estudar por quê?” A resposta não vem de imediato. No lugar dela, ata-se um nó na garganta, que logo se rompe em lágrimas. O silêncio, afinal, também pode dizer muito. As palavras travadas do aposentado Mário de Assis, por exemplo, falam de emoção e de lembrança triste, mas, ao mesmo tempo, de alívio. Aos 62 anos de idade, Mário voltou a estudar, depois de quatro décadas de tentativas frustradas – e ilustra, assim, que é sempre tempo de buscar conhecimento e empoderamento.
Nascido e criado em família de baixa renda, o aposentado teve de optar entre o estudo e o sustento: uma escolha que, no fim das contas, se impõe. “Sou filho de pais separados, minha mãe teve 14 filhos. Morava próximo ao (Ginásio) Paulo Sarasate, era muita pobreza ali. Fui crescendo, tentando estudar e não conseguia, trabalhando. Fui pra São Paulo, lá tive duas filhas, tentei retomar os estudos de novo e não deu. Agora que voltei pra minha terra, consegui”, relembra.
No Sudeste, o caos da vida de motoboy e, depois, de taxista atropelou a rotina de Mário. Tudo isso se juntou aos problemas familiares e o paralisou: entre 1975 e 2015, o aposentado nunca conseguiu ter qualquer tempo ou estrutura pra voltar às salas de aula. Hoje, a vida é um jogo virado: Mário é um dos 231 estudantes idosos matriculados no ensino médio da Educação de Jovens e Adultos (EJA) no Ceará, e estuda no CEJA Neudson Braga, no bairro Benfica. 
Sempre fui muito aplicado. Tô sempre estudando. Quero desenvolver uma atividade de pensar, escrever... Me vejo como uma pessoa que pôs a vida debaixo da pedra, e agora tô removendo.”
Motivação
Para a assessora técnica da EJA na Secretaria Estadual da Educação (Seduc), Liliana Farias, o ambiente escolar ajuda a dissipar as pressões sociais que afastaram as pessoas idosas da educação formal. “Quando perguntamos o que os trouxe de volta, respondem ‘não tive condição antes, tive que trabalhar, tive filhos, casei, tive que manter minha família, não dava tempo’... São sonhos adiados, e é precisa uma escola capaz de lidar com esses saberes e respeitar o tempo”, avalia.
A desigualdade de gênero, fortalecida pelo modelo “tradicional” e patriarcal de família, foi determinante para o atraso da vida escolar de Milena Lima, 53. Ao contrário de Mário, que parou de estudar pra trabalhar, foi o casamento abusivo que a afastou da busca por conhecimento, quando ainda fazia o 6º ano do Ensino Fundamental – mas ela faz questão de dizer que, mesmo parada, não estacionou.
Longevidade e educaçãoLongevidade e educação
Solta das amarradas do machismo que a prendia nas atividades do lar, Milena reiniciou os estudos com mais de 50 anos de idade
FOTO: FABIANE DE PAULA
“Meu marido era troglodita, não queria que eu fosse pra lugar nenhum. Por eu não ter esse conhecimento que tenho hoje, achava normal estar só dentro de casa, cuidando dos filhos. Mas quando fui vendo que as minhas crianças precisavam adquirir um conhecimento, vi que não era daquele jeito”, recobra a estudante. “Esse tempão todinho eu nunca deixei de ter meu conhecimento particular. Sempre gostei de estudar, tô atenta nos livros, nas reportagens, tudo o que se refere ao ser humano”, sentencia.
O repertório de conhecimento carregado pelas pessoas mais velhas é uma vantagem delas no processo de aprendizado, como avalia Liliana Farias, e valorizar isso é uma forma de atraí-las e mantê-las nas salas de aula. “Se há, por um lado, a dificuldade de lidar com as tecnologias e conhecimentos mais modernos, por outro há um saber acumulado ao longo da vida. E a EJA permite que o professor faça essa correlação entre o saber da prática e o saber da ciência, que está nos livros.”
33
CEJAs estão distribuídos pelo Ceará, de acordo com a Seduc, dos quais nove ficam em Fortaleza e os outros 24 no interior do Estado.
Objetivos
Além do diploma de conclusão dos ensinos fundamental e médio, outra conquista se revela às pessoas idosas ao retomarem os estudos: o empoderamento, como avalia Maria José Barbosa, professora do Departamento de Estudos Especializados da Faculdade de Educação da UFC.
“Quando não tem estudo, muitas vezes o idoso se considera um ninguém, ‘não sou ninguém para opinar sobre isso’. Mas a partir do momento em que conclui, ele se sente mais empoderado socialmente. Essa pessoa encontra espaço na sala de aula para oralizar, se colocar, passa a ser mais respeitada como quem tem algo a dizer. O adulto que não estuda é emudecido por uma realidade que exige que ele tenha um título para poder falar”, pontua a docente.
Mário e Milena são exemplos desse sentimento de valorização – e, por isso mesmo, querem continuar estudando mesmo após concluírem o ensino básico. Ele pretende “fazer psicologia, pra ajudar as pessoas que sofrem pressão do meio e têm dificuldade de expressar o que pensam”. A meta dela também é fazer faculdade, mas, “se não conseguir, quero fazer cursos técnicos em todas as áreas que ajudem a tratar o ser humano bem. Mas uma coisa que eu queria muito era fazer na área de psicoterapia. É um sonho.”
Para quem quer retomar os estudos, independentemente da idade, é sempre tempo. Os 33 CEJAs do Ceará estão abertos para matrículas durante o ano inteiro. Na página da Secretaria da Educação, é disponibilizado um tira-dúvidas sobre como funcionam os Centros de EJA.
Série
As cinco reportagens da série “É sempre tempo”, sobre longevidade, serão veiculadas na Rádio Verdes Mares (AM 810) ao longo desta semana, até a próxima sexta-feira (30). O próximo tema é sobre as estratégias para garantir uma velhice saudável.

Fonte: Diário do Nordeste

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…