Pular para o conteúdo principal

Escritora reúne histórias de missionários comprometidos com o evangelho

“Onde só a alma chega” é o título do livro de Monica Mondo que reúne algumas entrevistas com missionários que enfrentam realidades difíceis 

Da redação, com Vatican News
Irmã Hanna Kulaszewska missionária em Moçambique 
Paolo Ruffini, prefeito do Dicastério para a Comunicação, escreveu o prefácio do livro de Monica Mondo “Dove solo l’anima arriva” (Onde só a alma chega), publicado pela editora Missionária Italiana. O livro reúne uma série de entrevistas com missionários de todas as partes do mundo. No prefácio o prefeito escreve entre outras coisas: “Viaja-se de Madagascar de padre Pedro ao Japão de padre Tosolini, das favelas de Buenos Aires onde Papa Francisco era de casa ao coração ferido da profunda África, onde a violência insensata contra os menores não é a última palavra. Isso porque mulheres como irmã Rosemary são capazes de acender a esperança onde o inferno parecia ter encontrado moradia”.
Ruffini recorda também o quanto as entrevistas apresentadas no livro leva o leitor “espiritualmente diante do muro que separa israelenses e palestinos rezando com irmã Donatella um terço de lamentações e esperança”. Assim como faz o leitor entrar “no território da cultura com mestres do pensamento como José Tolentino Mendonça e Timothy Radcliffe”, e confrontar-se com “a desumanizadora pobreza do Sudão do Sul de padre Moschetti”. Une os cristãos também “à via-sacra dos migrantes do México de padre Rigoni”, e os faz se deparar com “a indomável esperança da irmã Bertelli, uma nova mãe para tantas crianças com deficiências em Bangkok”.
Estes encontros com os missionários, sublinha o prefeito do Dicastério para a Comunicação, demonstram como no fundo o Evangelho é sempre notícia: “trata-se de histórias de vida capazes de reacender ’em nós a paixão pelo Evangelho’, porque as palavras dos religiosos entrevistados pela autora são ‘vibrantes de apaixonado testemunho e de caridade incansável'”.
Trata-se, segundo Ruffini, de “milagres que ainda hoje o Evangelho sabe causar, milagres que os missionários e as missionárias encontram nos pontos mais longínquos da terra, confirmando mais uma vez que Deus nos precede sempre, que o amor é mais forte do que o medo e que a vida sempre vence a morte”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …