Pular para o conteúdo principal

Há 80 anos, Segunda Guerra Mundial mudou o Ceará

Há oitenta anos, a Alemanha invadia a Polônia e dava início ao segundo grande conflito mundial. No Ceará, clima pacato acabou transformado com a eclosão da Guerra

“Não ‘zepelim’ nem dirigível, ou qualquer outra coisa antiquada; o grande fuso de metal brilhante chamava-se modernissimamente blimp”. O trecho, que abre o conto Tangerine-Girl, de Rachel de Queiroz, ilustra o choque que marcou a chegada, durante a Segunda Guerra Mundial, de soldados americanos ao Ceará. Na história, uma jovem da provinciana Fortaleza dos anos 1940 observa diariamente a vagarosa patrulha de um dirigível dos Estados Unidos sobre a cidade, nutrindo sonhos e idealizações apaixonadas por um de seus tripulantes.

ASSISTA | Os cearenses que lutaram na Segunda Guerra Mundial:

Há oitenta anos, em 1º de setembro de 1939, a Alemanha nazista invadia a Polônia, no que hoje é considerado o início do conflito. Quase três anos depois, pressionado pelo torpedeamento de barcos brasileiros, Getúlio Vargas declarou guerra à Alemanha. A entrada do Brasil no Bloco Aliado traria, no final de 1943, a instalação de bases dos EUA em Fortaleza, uma no Pici e outra no Cocorote (hoje Alto da Balança). Durante anos, circularam por aqui mais de 50 mil americanos, em um choque de cultura que moldaria a cidade por décadas a seguir.
“Fortaleza ainda era muito pequena, muito provinciana, então aquilo foi uma loucura. O americano chegou trazendo o jeans, a Coca-Cola, o cigarro. Os grandes zeppelins, que onde iam as pessoas paravam para ver”, explica o major e historiador Gustavo Augusto de Araújo Chaves, autor da obra História do Ceará na Segunda Guerra Mundial. Na época com cerca de 180 mil habitantes e ainda repleta de burros e cavalos, Fortaleza foi “tomada de assalto” pelos americanos, que traziam inédita agitação à pacata e conservadora vila cearense.
De folga, os americanos se hospedavam no Excelsior Hotel, no Centro, onde abriram no entorno “points” como o Bar Americano e lojas de artigos masculinos (na época pouco usuais) como a Casa Americana – que existe até hoje. Dançavam e confraternizavam no Estoril, onde funcionava o United States Organization (USO), ao som de música em inglês e bebendo o até então desconhecido “Cuba Libre”, mistura de rum, Coca-Cola e limão. Na época, estourou o uso de nomes americanos para crianças, animais, lojas e todo tipo de coisa.
LEIA TAMBÉM | Marcos pela Cidade mantêm viva a memória da Segunda Guerra Mundial em Fortaleza
Notícia da invasão da Polônia pela Alemanha, no início da Segunda Guerra Mundial. O POVO noticiou em 1º de setembro de 1939
Notícia da invasão da Polônia pela Alemanha, no início da Segunda Guerra Mundial. O POVO noticiou em 1º de setembro de 1939
“A influência foi significativa: no vestuário, na música, na dança, na religião, na comunicação e na cultura (...) deixando algo de sua cultura e de seus hábitos que ainda permanecem no modo de viver dos cearenses”, destaca Gustavo Chaves. Em Tangerine-Girl, Rachel de Queiroz registra a influência, com a protagonista escutando longamente a programas de swing jazz no rádio. Ironicamente, era a guerra que aproximava dois povos até então tão distintos.

A guerra como ela era

Nem só da efervescência do intercâmbio cultural, no entanto, ficou marcado o período da Guerra no Ceará. Diante do fim do comércio com países do Eixo – a Alemanha, na época, era dos principais parceiros econômicos do Brasil – e do próprio naufrágio de navios mercantes, o Estado passou por uma forte crise econômica e de abastecimento no início dos anos 1940. Na rota das exportações marítimas para a Europa, Fortaleza foi das principais regiões atingidas – a própria principal empresa de navegação, a Boris Frères & Cia, era de origem francesa.
Em 7 de maio de 1945, O POVO noticiou a rendição alemã e o fim da guerra na Europa
Em 7 de maio de 1945, O POVO noticiou a rendição alemã e o fim da guerra na Europa
“Havia blecautes e racionamento de energia elétrica, alimentos e combustíveis”, registra Chaves. Para suprir a deficiência, a população recorria ao “gasogênio”, instalando nos automóveis uma gambiarra que convertia a combustível o gás obtido da queima de carvão. Para evitar que a cidade virasse alvo de bombardeios dos inimigos, Fortaleza reduzia a iluminação à noite, dificultando a visibilidade de navios e aeronaves alemãs que eventualmente planejassem um ataque contra a costa. “Cada quarteirão tinha voluntários que se responsabilizavam com uma vistoria para evitar luzes acesas”, diz o historiador. A proximidade com a Europa tornava Fortaleza um alvo preferencial de hostilidade nazista contra o território brasileiro.

Inquietação e crise marcaram primeiros anos da Segunda Guerra em Fortaleza, veja imagens:

Clique na imagem para abrir a galeria
Como o naufrágio de navios era mais frequente no litoral do Nordeste – mais de dez dos 34 navios afundados foram atingidos na região, deixando centenas de mortos –, a paranoia também era constante: suspeitos de espionagem eram denunciados e vigiados, alguns até presos. Do outro lado, a Marinha promovia campanhas nacionais de arrecadação de objetos de ferro, alumínio ou outros metais para a construção de embarcações. Uma das campanhas, batizada “Pirâmides da Vitória”, teve participação destacada do povo cearense.
A inquietação começou a se espalhar entre a população, que, mesmo diante da proibição de aglomerações do Estado Novo, organizava comícios na Praça do Ferreira. A inquietação atingiu o ápice em 18 de agosto de 1942, quando estudantes e populares depredaram casas comerciais de alemães, italianos, espanhóis e japoneses no Centro. “Grande massa do povo, ontem, durante quase todo o dia, veio às ruas em manifestações coletivas de desagravo à agressão dos piratas nazistas”, registra o extinto jornal “O Nordeste” do dia seguinte.
Colaborou David Moura, do O POVO Dados

Pesquisa histórica: Fred Souza, do O POVO Dados

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …