Pular para o conteúdo principal

CARIRI CANGAÇO: O SERTÃO EM EVIDÊNCIA

Impossível falar de cangaço e não fazer uma associação imediata a Lampião e Maria Bonita, a Corisco e Dadá, ou ao bando comandado pelo Rei do Cangaço, que causava terror no sertão nordestino, no início do século XX.

Do mesmo modo, impensável falar em sertão e não fazer uma referência ao beato Antônio Conselheiro, o líder da icônica Canudos; ou imaginar o Cariri sem a influência do Padre Cícero.

É movido pelo intuito de estudar e resgatar a história do cangaço que foi criado o Cariri Cangaço, um movimento de caráter turístico, cultural, histórico e científico, a reunir diversos pesquisadores e estudiosos dos mais variados assuntos a ele relacionados: coronelismo, messianismo, misticismo, e que está completando 10 anos de existência, fazendo-se presente em diversas cidades do Ceará, Pernambuco, Paraíba, Alagoas, Sergipe e Bahia.

O Cariri Cangaço, ao longo de uma década, realizou conferências, seminários, debates, lançamentos de livros, concursos literários, como forma de procurar compreender, questionar, estudar e pesquisar a temática do cangaço, mantendo-o vivo.

É por meio de seu idealizador e curador do Cariri Cangaço, Manoel Severo Barbosa, que o cangaço vem despertando a atenção e o interesse de inúmeras pessoas para algumas páginas importantes de nossa História, capaz de trazer à lume os traços marcantes de um sentimento de “nordestinidade” que toca não somente o nordestino, mas brasileiros de outras regiões.

A despeito do nome emblemático, o Cariri Cangaço não faz nenhuma apologia ao banditismo ou ao endeusamento dos cangaceiros. Explica Manoel Severo que o verdadeiro sentimento que moveu a realização desse projeto “foi o de proporcionar um ambiente ainda mais propício para o debate e aprofundamento dessa temática que é tão marcante em nossa terra e em nossa gente. O incrível acontece; Lampião e o Cangaço que tanto sofrimento trouxe para o ordeiro povo do sertão, hoje promove o encontro, a união e a harmonia na direção da busca da verdade histórica”.

O objeto de estudo do Cariri Cangaço, ainda tão desconhecido e incompreendido, ocorrido em tempos idos, ainda hoje, influenciou sobremaneira os costumes, os valores, a música, a culinária, as tradições do povo nordestino.

O cangaço é um caldeirão de histórias de amor e de ódio, de fé e de descrença, de vingança e de traição, de heroísmo e de banditismo, que continua a mexer com nosso imaginário, levando-nos a uma época misteriosa em que insistimos em desvendar.

Vida longa ao Cariri Cangaço!

Grecianny Carvalho Cordeiro

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…