Pular para o conteúdo principal

Instituto Myra Eliane e UFC reeditam livro de Raimundo Girão

Lançamento ocorreu na tarde de ontem (19), em comemoração aos 66 anos da obra publicada originalmente em 1953


O presidente do Instituto Myra Eliane, Igor Queiroz Barroso, o reitor da UFC, Henry Campos, e neto do historiador Raimundo Girão, Eurípedes Chaves Jr.
Foto: JL Rosa
Do descobrimento ao progresso social, político, econômico e cultural do Estado. Fatos e memórias novamente contados na 5ª edição do livro "Pequena História do Ceará", que foi lançada na tarde de ontem (19), em comemoração aos 66 anos da obra publicada originalmente em 1953, pelo historiador Raimundo Girão. A reedição é uma iniciativa do Instituto Myra Eliane (IME), em parceria com a Universidade Federal do Ceará (UFC), que sediou o evento no gabinete do reitor Henry Campos.
Em 299 páginas, o livro compreende nove partes que agrupam 35 capítulos: Primórdios da Colonização; A Formação Étnica e Social; A Formação Econômica; A Formação Político-Administrativa; Política Cearense no Império e na Regência; A Política Cearense no Segundo Reinado; A Política Cearense na República; A Formação Espiritual; e Evolução e Desenvolvimento do Ceará Atual.
A reedição da obra é resultado de um acordo de cooperação firmado com a UFC, no último dia 2 de abril. Para o presidente do Instituto Myra Eliane (IME), Igor Queiroz Barroso, que assina o prefácio do livro, fazendo um resumo das histórias narradas por Raimundo Girão, o exemplar é um marco na historiografia do Ceará, contada com base em documentos e em minuciosa pesquisa.
História
"Raimundo Girão mostra que as frotas de Vicente Pinzón e de Diogo de Lepe aportaram no litoral do Ceará bem antes das caravelas de Pedro Álvares Cabral. Trata-se de um evento histórico relegado pela historiografia oficial. Nosso historiador trata também da exploração geográfica da costa, as expedições e a criação da Capitania Hereditária. Não falta aqui o detalhamento da economia de escambo e dedica-se ainda à ocupação humana do litoral cearense", detalha Igor Queiroz Barroso, durante o lançamento de "Pequena História do Ceará".
De acordo com o neto do historiador, Eurípedes Chaves Júnior, o lançamento da 5ª edição do livro comprova o valor imensurável para a literatura cearense. "É um verdadeiro fenômeno, porque um livro de história pura, ter cinco edições no Estado como o Ceará, onde a literatura de autoajuda e romance têm muito mais saída, tem o seu valor. Ele queria algo abrangente e que despertasse nas pessoas o amor pela história", lembra o familiar do escritor.
Segundo o reitor da UFC, Henry Campos, a obra resgata importantes fatos que construíram a história do Estado utilizando uma linguagem clara e assertiva. "É um livro belíssimo. Eu não tenho outro adjetivo. É um presente que a gente dá para a nossa sociedade, para a nossa intelectualidade. Eu me sinto muito feliz que a gente tenha acertado essa parceria", ressalta Campos, agradecendo ainda a relação com o Instituto Myra Eliane. "Estou saindo da Universidade, mas quem vier, certamente, continuará essa parceria", garante Campos.

Diário do Nordeste

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …