Pular para o conteúdo principal

LEI DE ABUSO DE AUTORIDADE

Às pressas, em caráter de urgência, na surdina, no apagar das luzes, foi aprovado o Projeto de Lei 7596/2017, que define os crimes de Abuso de Autoridade.
A vilania foi tão estupenda que a votação se deu de forma simbólica, não sendo possível saber como se posicionou cada deputado.
O texto passou sem qualquer entrave, num raro, porém compreensível consenso entre 18 partidos, dentre os de direita, de esquerda, de centro-esquerda e de centro-direita. Apenas o Cidadania e o Novo votaram contra.
A união faz a força, e quando se trata de garantir a impunidade para um Congresso cuja maioria responde a processo por crime de corrupção, improbidade administrativa ou outro crime que o valha, não existe esquerda nem direita.
“Quem tem poder precisa responder”, diz o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia.
Poder maior tem quem pode votar leis com o nítido propósito de se auto-blindar.
Poder maior tem quem pode votar leis contra quem irá processá-los e julgá-los.
Poder maior tem quem pode votar os próprios salários, além de uma Reforma da Previdência que alcança a todos, menos a si mesmo.
Deputados alegam que esse PL não busca perseguir juízes e membros do Ministério Público, mas “contê-los”. Ou seria intimidá-los?
Todo poder deve ser limitado. Todo abuso de autoridade deve ser passível de punição. Isso não se discute.
O que não se admite é a aprovação de uma lei que tem o nítido objetivo de punir aqueles que, por função, têm a obrigação de investigar, processar e julgar a quem se atribui o cometimento de crime, seja qual for, seja contra quem for.
O que não se admite é a aprovação de uma lei que tem a clara intenção blindar os corruptos de um processo, de uma eventual condenação, porque aqueles que, por função, deverão processá-los e julgá-los, poderão sofrer retaliações, responder a representações e processos, num espiral sem fim.
Quando políticos da mais alta estirpe passaram a ser investigados, presos, processados, condenados, foi necessário que os mesmos políticos se unissem e aprovassem uma lei para conter essa onda de “barbárie”.
É preciso manter o estado das coisas. É preciso garantir os conchavos, o toma-lá-dá-cá. Em paz.
Todo poder deve ser limitado. Todo abuso de autoridade deve ser passível de punição. Mas quando isso for um fim em si mesmo.
Que os políticos desse país um dia possam de unir para o bem do povo brasileiro.
Parabéns à Câmara dos Deputados. O caminho para a corrupção está desobstruído.
Grecianny Carvalho Cordeiro
Promotora de Justiça

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …