Pular para o conteúdo principal

Livro sobre "La Femme Bateau", obra de Sérvulo Esmeraldo, é lançado neste sábado na Bienal

Coletânea de crônicas, matérias e fotografias publicadas durante o resgate da obra em março de 2018 foram reunidas no livro "La Femme Bateau", e será lançado no sábado, 24

Montagem da La Femme Bateau
Montagem da La Femme Bateau(Foto: Gentil Barreira/ Divulgação)
No início de março de 2018, as ondas da Praia de Iracema levaram a escultura La Femme Bateau para as profundezas da Ponte dos Ingleses, a imprensa e a população cearense permaneceram na expectativa de devolver a obra ao seu posto de origem. A comoção em torno da busca e do resgate da obra de Sérvulo Esmeraldo impulsionou a imprensa a não apenas noticiar o andamento do trabalho das equipes de salvamento dos bombeiros e da Guarda Municipal, mas também em relatar a importância da La Femme Bateau para Fortaleza e seus moradores.
Esses registros publicados na imprensa local foram reunidos, selecionados e estão dispostos na publicação “La Femme Bateau”, organizado por Dodora Guimarães, viúva do artista plástico e presidente do Instituto Sérvulo Esmeraldo, que será lançado neste sábado, 24, na XIII Bienal Internacional do Livro do Ceará. “O livro surgiu desse interesse em mostrar que uma escultura pode mobilizar a opinião pública, que ela pode se fazer presente na sociedade”, explica Dodora.
A importância da La Femme para o imaginário do cearense se mostrou muito presente quando ocorreu o naufrágio da obra. "Foi um momento de muita surpresa e muita atenção para mim, saber o quanto que aquela escultura estava no imaginário das pessoas, o quanto que ela era amada pela população de Fortaleza me emocionou bastante.
Escritores, poetas e cronistas escreveram na imprensa e nas redes sociais diversas crônicas, poemas e matérias sobre importância da La Femme e, diante do fato, a solidariedade da população pedindo a volta da escultura a surpreendeu muito. “Eu guardei esses textos. Foi um momento muito interessante ver a união e o interesse da grande imprensa e das mídias em torno de um assunto”, conta Dodora, que acompanhou de perto a mobilização dos órgãos e da população durante o resgate da La Femme.
Organizado por Dodora Guimarães e Gilmar de Carvalho, “La Femme Bateau” será lançado neste sábado, 24, Às 20 horas, no espaço Terreiro em Sonhos, localizado no térreo do Centro de Eventos. O livro publicado pelo Instituto Sérvulo Esmeraldo, com apoio do Instituto Iracema, contém 88 páginas e é composto por nove publicações que homenageiam a escultura de Sérvulo Esmeraldo, além de fotografias de Gentil Barreira, e um QR Code do documentário produzido pelo fotógrafo Tibico Brasil.
Identidade da Bienal
Selo da XIII Bienal, La Femme Bateau está presente em toda identidade visual do evento deste ano. A obra de Sérvulo Esmeraldo chamou atenção de Anna Dantes, editora convidada para desenvolver a identidade da edição de 2019 da Bienal do Livro. “Foi algo surpreendente, eu tinha outra proposta para a identidade visual, quando vi a Femme-Bateau do Sérvulo ela tomou conta da ideia do selo. Ela é poética, potente e tem uma relação afetiva com a cidade. É uma imagem muito interessante, que se transforma a partir da leitura que se faz dela; pode ser rebocador que solta fumaça ou uma mulher barco. Como o Ela traz esse caminho de possibilidades”, conta Anna Dantes, em publicação divulgada pela Secult.
“Quando a Ana Miranda me ligou com essa proposta eu fiquei muito feliz, fiquei muito emocionada. Como a Bienal tem esse tema “A cidade e os livros”, eu achei que era uma grande homenagem ao Sérvulo. Naquele momento que ela me ligou foi tudo muito incrível para mim, eu imediatamente eu fiquei muito feliz”, relata Dodora.
Dodora Guimarães conta que se emocionou ao receber o convite para a utilização da obra na Bienal, e que, ao ser questionada sobre o quanto que ela cobrava para usar a imagem da La Femme, imediatamente respondeu que não havia. “Eu não cobro porque para mim não tem preço, é uma beleza e emoção ver a obra em todos os cantos da Bienal”, finaliza Dodora.
Serviço
Lançamento do livro "La Femme Bateau"
Quanto: preço ainda não divulgado
Quando: sábado, 24, às 20 horas
Onde: espaço Terreiro em Sonhos, térreo
Você também pode gostar:

LÍLLIAN SANTOS
O povo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …