Pular para o conteúdo principal

O menino que filmou o enterro de Luiz Gonzaga


Há exatos 30 anos da partida do Rei do Baião, registros daqueles primeiros dias de agosto de 1989 seguem acendendo a chama gonzagueana e alumiando as lembranças e a saudade do povo


O que você fazia no dia 2 de agosto de 1989? Paulo Vanderley estava dormindo num quartinho, em João Pessoa, quando seu tio Marcos começou a bater na porta para lhe acordar: "Ó, teu pai ligou dizendo que Luiz Gonzaga faleceu. Prepara a mala que vocês vão voltar agora para Exu. Ele falou que ia passar em meia hora para pegar você!", avisou. O menino de nove anos estava só há três dias na capital paraibana, onde ficaria nas férias escolares. Mas a reviravolta na história conduziu-o naquela data por 600 e poucos quilômetros de estrada rumo a uma despedida que ele recorda com detalhes até hoje.
O garoto morava perto da Igreja que receberia o corpo do artista, após o trajeto que faria entre Recife, Juazeiro do Norte e Crato. Filho do banqueiro Paulo Marconi, que havia se mudado com toda a família para a terra natal de Gonzaga no fim de 1987 e naturalmente se aproximado do Rei do Baião, o menino não conseguia conter a agitação naqueles primeiros e tristes dias de agosto.
Eu queria estar o tempo todo perto das coisas, "curiando" os artistas que chegavam para o enterro", lembra o paraibano Paulo.
Residente em Fortaleza, hoje com 39 anos, é uma das principais referências como pesquisador da obra gonzagueana, além de funcionário de um banco.
O clima na cidade era de desolação, como descreveu o repórter Antônio Vicelmo em matéria para o Diário do Nordeste no dia seguinte à morte. "O comércio está fechado, e o prefeito declarou luto oficialpor três dias. O restaurante no Posto Gonzagão não funcionou no dia de ontem. O Parque Asa Branca está sendo preparado para receber milhares de admiradores de Luiz Gonzaga, que já estão começando a chegar a Exu".
Imagens
A Paulo Vanderley também caberia mais do que observar toda esta situação. O pai lhe daria uma grande responsabilidade no dia do enterro, dia 4 de agosto de 1989: a de gravar, com uma filmadora Panasonic, o trajeto que o corpo faria até o cemitério. Caminhando por entre as milhares de pessoas que lotavam as ruas de Exu, o garoto fez imagens tremidas, amadoras, mas carregadas de um profundo sentimento de reverência e respeito ao ídolo.
Sob o sol de quase quatro horas da tarde, o menino registrou mais de uma hora do povo cantando e dançando os clássicos do Rei do Baião, das mãos carregando cartazes e coroas de flores, e das sanfonas chorando uma saudade que estava apenas começando.
filmadorafilmadora
Paulo Vanderley guarda a antiga filmadora, com a qual registrou o enterro de Luiz Gonzaga, como relíquia
FOTO: FABIANE DE PAULA
Da rua, ele também filmou o caminhão do corpo de bombeiros que carregava o caixão. Em cima, iam o Padre Gothardo Lemos (cearense parceiro na composição de "Obrigado, João Paulo", cantada por Luiz na ocasião da visita do Papa a Fortaleza, em 1980); a companheira de Gonzaga, Maria Edelzuíta Rabelo; o filho, Gonzaguinha, abraçado com um gibão; e o próprio pai de Paulo Vanderley, Paulo Marconi, Venerável Mestre da loja maçônica de Exu, que prestava homenagem ao colega em nome da congregação da qual ele fazia parte.
Das gravações do enterro, que mais tarde seriam editadas para compor o acervo do Museu do Gonzagão, Paulo só se ressente de não ter aparecido em nenhuma. Sua missão era ficar mesmo do outro lado.
Foi uma imersão que eu tive de nordestinidade naquele dia. Ali foi um momento que reuniu todas as tribos, de todos os cantos. Era violeiro, cantador, sanfoneiro, compositor, era todo tipo de gente. Era uma devoção aquilo ali, impressionante. Eu sentia, mas não tinha ideia do que era, não tinha dimensão, não sabia que anos depois eu ia ser um cara que iria contar essa história, pesquisar", ressalta.
enterroenterro
Fotografia do enterro de Luiz Gonzaga em Exu, sua cidade natal
FOTO: ANTÔNIO VICELMO
Memória
No apartamento de Paulo, em Fortaleza, está guardado um acervo sobre Gonzagão. Na entrada, quadros e estandartes na parede, um tapete com os dizeres 'Nordeste mulesta de bão' e a porta de madeira, semelhante às de interior, ajudam a criar um clima de casa-museu, que se completa com as prateleiras da sala de estar.
Entre livros, LPs autografados, esculturas e réplicas de peças que o Rei do Baião usou, como chapéus e gibão, destaca-se a filmadora antiga, a mesma que registrou o enterro e outras cenas daquela época em Exu, como a ocasião em que Gonzaga de pijama recebeu Nando Cordel.
Quando criança, Paulo viu sua casa virar um abrigo temporário com peças enviadas por Gonzaguinha para compor o Museu do Gonzagão. Anos depois, seu apartamento cumpre papel semelhante, mas agora com itens diferentes, que ele mesmo adquiriu ao longo dos anos.
O pesquisador criou um site sobre Gonzaga (veja Linha do Tempo) e a página "Isto é forró" no Facebook. Prestou consultorias para o Museu Cais do Sertão, em Recife, o filme "Gonzaga: de pai para filho" (Breno Silveira) e o enredo "O dia em que toda a realeza desembarcou na avenida para coroar o Rei Luiz do Sertão", da escola de Samba Unidos da Tijuca, campeã do Carnaval carioca em 2012.
Frente a toda essa bagagem física e simbólica que guarda, restou-lhe uma conclusão. "Não tem divisão de classe quando se fala dele. Desde o assalariado, o desempregado ao cara mais rico da sociedade, todos se emocionam ao ouvir Luiz Gonzaga. É incrível como ele transita por todos os territórios, segmentos e todos os tipos de coração".
gonzagagonzaga
Paulo Vanderley mantém um vasto acervo sobre Luiz Gonzaga em seu apartamento em Fortaleza
FOTO: FABIANE DE PAULA
Na fala emocionada de Paulo, ainda vive um garoto entusiasta do ídolo. E ele também reconhece em outras pessoas a eternidade de Luiz. "No brilho dos olhos daquele menino, o sanfoneiro Kayro, você vê Gonzaga. É impressionante, uma chama que nunca vai se apagar". Essa história, aliás, já foi cantada há muito tempo. "O candeeiro se apagou, o sanfoneiro cochilou, a sanfona não parou e o forró continuou". E continuará.


Você conhece a história de Luiz Gonzaga? Teste seus conhecimentos

Você conhece a história de Luiz Gonzaga? Teste seus conhecimentos

by: intera
Linha do tempo
Fonte: Paulo Vanderley
1912
No dia 13 de dezembro, Luiz Gonzaga do Nascimento nasce na Fazenda Caiçara, em Exu, o segundo dos nove filhos do casal Januário e Santana.

1920
Com oito anos, substitui um sanfoneiro em festa na Fazenda Caiçara. Canta e toca a noite inteira. Antes de completar 16 anos, "Luiz de Januário", "Lula" ou Luiz Gonzaga já é nome conhecido no Araripe e em toda a redondeza.

 1926
Aos 13 anos, compra a primeira sanfona, na cidade de Ouricuri, graças ao empréstimo concedido pelo coronel Manoel Ayres de Alencar: uma Oito Baixos, Koch, marca Veado, igual ao do pai, Mestre Januário.

1929
Conhece Nazarena, com quem ele namora às escondidas. Rejeitado pelo pai da moça, de família importante, leva uma surra de Santana e foge de casa para o Crato, no Ceará, onde vende a sanfona de 8 baixos.

1936
Gonzaga aprende a tocar sanfona de 120 baixos em Minas Gerais. Para treinar, adquire uma sanfona de 48 baixos e aproveita as folgas da caserna para tocar em festas.

1941
Em 14 de março, assina como artista principal e exclusivo da Victor, grava quatro músicas que são lançadas em dois discos de 78 rotações.

1946
O conjunto cearense Quatro Ases e um Coringa, da Odeon, acompanhado pela sanfona de Luiz Gonzaga, grava a segunda parceria de Gonzaga e Humberto Teixeira, a música "Baião", sucesso em todo o País.

1947
Grava o 78 rpm com a toada "Asa Branca", parceria com Humberto Teixeira, inspirada no repertório de tradição oral nordestina. Adota um chapéu de couro semelhante ao usado por Lampião, por quem tinha grande admiração.

1964
Grava a composição "A Triste Partida", de Patativa do Assaré, grande sucesso para os nordestinos que vivem no Sul.

1989
Grava os quatro últimos discos de sua carreira. Em 6 de junho, sobe ao palco pela última vez, no Recife. No dia 2 de agosto, morre no Hospital Santa Joana (PE). Em 13 de dezembro, Exu inaugura o Museu do Gonzagão.

*Agradecimento especial ao pesquisador Paulo Vanderley, que prestou consultoria para a realização desta série de reportagens sobre os 30 anos de saudade de Luiz Gonzaga
Diário do Nordeste

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…