Pular para o conteúdo principal

Obras de Monteiro Lobato e outros escritores estão em domínio público

Diversas obras literárias, nacionais e internacionais, estão disponíveis para distribuição

Monteiro Lobato morreu há 71 anos
Junto às mais 2 mil obras que estão em domínio público, foram incluídas, em janeiro deste ano, as obras de Monteiro Lobato, que em julho de 2018, completou 70 anos de sua morte. O escritor brasileiro autor do universo do Sítio do Picapau Amarelo deixou um vasto acervo de publicações que, desde o dia 1º de janeiro deste ano, estão em Domínio Público. “Reinações de Narizinho”, “Memórias de Emília”, “Caçadas de Pedrinho” entre outros títulos de Lobato estão disponíveis livremente sem que seja necessário pagamento ou autorização de familiares para a distribuição.
Assim como as obras de Monteiro Lobato já estão disponíveis para qualquer cidadão, os livros de Machado de Assis, Fernando Pessoa, Aluísio Azevedo, José de Alencar, Euclides da Cunha e de muitos outros autores também podem ser acessados livremente, pelo site Domínio Público.
A explicação para que diversos títulos estejam em Domínio Público é conforme a Lei 9.610, de 1998, na qual afirma que os direitos autorais das obras não se aplicam mais após 70 anos do falecimento dos autores, tornando-as livres para publicação e distribuição sem necessitar de permissão. A contagem é feita a partir do dia 1º de janeiro do ano seguinte ao falecimento do autor, tendo estes não deixado sucessores ou obras de autores desconhecidos.
A validade do direito autoral de uma obra varia para cada País, mas assim como no Brasil, muitos países europeus também contam a partir do 70º ano após a morte do autor. Nos Estados Unidos, livros publicados antes de 1964 estão em domínio público.
Confira outros autores que possuem obras em Domínio Público:
Adolfo Caminha
Casimiro de Abreu
Charles Dickens
Dante Alighieri
Eça de Queiroz
Eleanor Hodgman Porter
Emily Brontë
Franz Kafka
Júlio Verne
Joaquim Manuel de Macedo
Joaquim Nabuco
Olavo Bilac
Oscar Wilde
O POVO

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …