Pular para o conteúdo principal

Os escombros de Simone Teodoro

Terceiro livro da poeta, 'Também estivemos em Pompeia' evoca a solidão, tempos e memórias sombrias em versos contundentes e desesperançados.
Terceiro livro da poeta, 'Também estivemos em Pompeia' evoca a solidão, tempos e memórias sombrias em versos contundentes e desesperançados.
Terceiro livro da poeta, 'Também estivemos em Pompeia' evoca a solidão, tempos e memórias sombrias em versos contundentes e desesperançados. (Divulgação)

Por Jovino Machado*
Não é fácil encontrar um bom poeta na cena contemporânea brasileira. No geral, é difícil degustar um grande poeta. No século 20 era fácil reunir numa só fotografia os poetas Carlos Drummond de Andrade, Hilda Hilst, Manuel Bandeira, Cecília Meireles, Vinicius de Moraes e João Cabral de Melo Neto. Se o mundo não acabar, nos próximos séculos, é possível que a crítica literária possa dizer o mesmo do início da cena poética do início do século 21, colocando na mesma foto os poetas Paulo Henriques Britto, Marília Garcia, César Gilcevi, Adelaide Ivánova, Aroldo Pereira, Ana Elisa Ribeiro e Simone Teodoro.
Sei que muitos vão discordar de mim. É natural que cada um tenha o seu gosto pessoal, e que todos tenham o direito de fazer suas próprias listas com os melhores músicos, pintores, cineastas e escritores. Nenhuma crítica é imparcial e qualquer um que venha se debruçar sobre um trabalho artístico, corre o imenso risco de cometer injustiças, omitindo nomes que ele não gosta ou não conhece, e exaltando os seus eleitos, os seus amigos e cupinchas de sua época. Não vou fugir à regra, mas, dos 437 livros de poemas que li, desde o início dos anos 1980 (sim, como louco metódico que sou, eu tenho um caderno de capa verde no qual anoto todos os livros que li nos últimos 40 anos) e os 725 livros de prosa, não tenho medo de dizer que não é fácil encontrar um bom poeta na cena contemporânea brasileira.
Neste parágrafo, vou apresentar para os possíveis leitores dessa resenha, a poeta Simone Teodoro e seus escombros e catástrofes do estranho e belíssimo Também estivemos em Pompeia. Este é o terceiro livro da Simone Teodoro, que já publicou também Distraídas astronautas (2014) e Movimento em falso (2016), editados pela Editora Patuá, do querido Eduardo Lacerda. O livro não começa na orelha e nem no prefácio. O primeiro poema é a dedicatória: “Para a minha mãe, a encantadora de catástrofes, a fugitiva à frente do fogo”. É com esse verso aparentemente simples, que Simone abre a porta de sua obra para o leitor. É fugindo do fogo da solidão cotidiana e das catástrofes de toda uma vida, que ela espalha as cinzas vulcânicas de seu coração Pompeia, se vingando com beleza do cruel Monte Vesúvio da existência.
Como eu disse no prefácio de seu segundo livro, Simone é uma poeta proustiana que não recupera o tempo perdido, mas registra em seus versos o tempo do amor, da dor e da arte. É também muito interessante e original a forma como a escrita vai se entrelaçando em si mesma. Os últimos versos de cada poema se transformam no título da parte seguinte do livro, como se a compositora de seu próprio destino estivesse escrevendo um único texto, que salta de uma página para outra como estilhaços que se completam para colar as perdas de seu coração, para calar a sua oração.
Não é todo dia que tenho a alegria e a felicidade de encontrar poemas como Vinde a mimMapa para Murilo Mendes e Pássaros na minha garganta. Gostaria muito de falar de alguns outros ótimos poemas dessa Pompeia particular, mas por hora, vou tricotar sobre esses três. Em Vinde a mim, a poeta puxa a orelha de Jesus Cristo e questiona o seu amor pelas criancinhas e pela humanidade, revoltando-se contra as injustiças sociais e se vingando do amor que não teve do seu "criador”. Talvez Vinde a mim seja o melhor texto da obra. É nele que está todo o protesto contra a fome e a pobreza. É nele que a poeta explica como foi enganada pelos dogmas e símbolos da religião. Simone também foi criancinha. "Jesus nunca amou as criancinhas”.
No poema que tem o poeta mineiro no título, o "tropeçar contínuo em linhas emaranhadas de mapas desfeitos" são borrados pelas "lágrimas de Circe", que borra também "todos os desenhos de todas as nossas cartas de navegação”.
Em Pássaros na minha garganta, o eu lírico marca um encontro em frente ao Edifício Maletta e espera pelo fogo de Prometeu, que pode chegar "dentro da bolsa, dentro da boca e nas pontas dos dedos”. Como nos versos do poeta e compositor baiano, a poesia de Simone Teodoro "pegou meu coração, comeu, mastigou, deglutiu, comeu”. Em seu livro Finesse e fissura, Ledusha escreveu: “Na sexta comi um poeta, no sábado um crítico, domingo, sonrrisal”. Não é fácil ser comido por uma poeta.

TAMBÉM ESTIVEMOS EM POMPEIADe Simone Teodoro
Editora Patuá
120 páginas
R$ 40
*Jovino Machado é poeta, autor de 'Sobras completas' (2015) e 'Trilogia do álcool' (2018).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …