Pular para o conteúdo principal

Professor recria clássicos da literatura em álbuns de fotos

Isadora Neumann / Agencia RBS
Carlos Aliardi, à esquerda, com parte dos estudantes que participaram da atividade em 2018
Quando soube que ensinaria literatura aos estudantes do Ensino Médio da EEEB Prudente de Morais, de Osório, no ano passado, o professor de inglês Carlos Diego Aliardi, 30 anos, encarou como um desafio. Ele sabia que atrair a atenção de jovens hiperconectados para os clássicos do século passado exigiria mais do que apenas seguir as regras de leitura e produção de resumo. Aliardi buscou inspiração na própria graduação, concluída havia uma década. 
Como resultado, o professor conquistou o segundo lugar na categoria escola pública do sexto Prêmio RBS de Educação - Para Entender o Mundo. As inscrições para a sétima edição da premiação estão abertas até 12 de setembro. Idealizado pela  Fundação Maurício Sirotsky Sobrinho  e pelo Grupo RBS, o prêmio destaca projetos de incentivo à leitura desenvolvidos nas escolas públicas e privadas do Estado.
Aliardi inscreveu-se na edição do ano passado depois de conseguir mobilizar as turmas com uma proposta incomum. Entre junho e julho de 2018, ele selecionou 15 livros importantes da literatura brasileira, dividiu em grupos o segundo ano do Ensino Médio e propôs aos alunos contarem em fotos a história lida. O projeto "Álbum Literário: a história em fotos" permitia que a montagem fosse feita a partir de recortes de imagens encontradas na internet ou a criação das próprias imagens, e dava dois meses para a conclusão. 
— De início, nos assustamos. Mas percebemos que seria um trabalho diferente de tudo o que já havíamos feito na escola — recorda Isadora de Souza Soares, 17 anos, hoje prestes a concluir o curso.
A estudante, ao lado de outros colegas, entre eles, Marcos Vinícius Marques da Rosa, também de 17 anos, selecionaram uma das obras máximas do Naturalismo, O Cortiço, de Aluísio Azevedo. O livro narra a saga de João Romão rumo ao enriquecimento ilícito, explorando os empregados e até furtando para atingir o objetivo de ficar rico. A amante dele, Bertoleza, é seu braço direito. 
Para dar veracidade às fotos, os alunos contaram com a ajuda da mãe de Marcos Vinícius, a bióloga Zeneida Marques, 50 anos, que costurou as roupas usadas pelos personagens. 
Fã dos livros de Harry Potter, Marcos interpretou Bertoleza. As fotos foram feitas na casa da família Marques e na escola. Por se tratar de uma história de época, os estudantes embeberam em chá preto as folhas do álbum, para dar um tom de envelhecido.

Isadora Neumann / Agencia RBS
Zeneida ajudou o filho e os colegas na preparação dos personagens de O Cortiço. Isadora Neumann / Agencia RBS
— Fomos nos envolvendo porque entramos na história e ela deixou de ser maçante. Fizemos o roteiro do que queríamos ver nas fotos e o resultado é que nunca mais esqueceremos de O Cortiço — revela Marcos Vinícius, apoiado por Isadora. 
Já o estudante Vinícius Martins, 18 anos, hoje também no terceiro ano, admite jamais ter gostado de ler. Quando obrigou-se a selecionar o romance Quincas Borba, de Machado de Assis, motivado pelos demais colegas, entre eles, Gustavo Vaz, 18, Vinícius mudou a própria visão sobre a literatura brasileira. 

Isadora Neumann / Agencia RBS
Página do álbum de O Cortiço: Marcos Vinícius, de branco, interpretando Bertoleza. Isadora Neumann / Agencia RBS
— Para desempenharmos as cenas e vivermos o livro, tivemos que voltar no tempo. Fui me envolvendo, entrando no livro e começou a ficar muito legal, porque despertou a minha curiosidade — afirma Vinícius. 
Junto com Gustavo, os estudantes interpretaram os principais personagens e tomaram cuidado para não incluírem nas cenas objetos que não existiam na época em que se passa a história, como televisão e geladeira. 
— Foi uma grande sacada do professor trazer um recurso atual para contarmos algo muito distante da nossa rotina — completa Gustavo. 

Isadora Neumann / Agencia RBS
Capa do álbum do livro Quincas Borba: Vinícius, deitado, e Gustavo, de chapéu, interpretando os personagens. Isadora Neumann / Agencia RBS
O projeto da escola de Osório acabou inspirando docentes de outras escolas a também produzirem álbuns literários. Para Aliardi, investir em novos formatos de aprender, compreender e ensinar literatura são práticas necessárias para a constante formação de leitores. 
— O envolvimento dos alunos com o projeto foi algo fantástico — comemora o professor.
Aliardi revela ter outro projeto em andamento — desta vez, na disciplina de inglês — e que pretende se inscrever na edição deste ano no Prêmio RBS de Educação. 

Isadora Neumann / Agencia RBS
Professor Aliardi se tornou inspiração para outros docentes. Isadora Neumann / Agencia RBS

Replicação

A história de como foi realizado o trabalho na escola de Osório pode ser encontrada nos Cadernos de Replicação, uma espécie de cartilha com o passo a passo das ações desenvolvidas pelos projetos finalistas e vencedores da edição passada, disponível no site premiorbsdeeducacao.com.br. De acordo com a consultora de Comunicação e Projetos Sociais da Fundação Maurício Sirotsky Sobrinho, Amaralina Xavier, o prêmio possibilita visibilidade a educadores que nem sempre têm seus trabalhos e impactos reconhecidos. 
Nesta edição, cada um dos 20 finalistas será presenteado com um kindle, os vencedores do voto popular receberão premiação em dinheiro, haverá nova parceria com a Feira do Livro de Porto Alegre e, em conjunto com a editora LPM, cada escola que ficar em primeiro lugar receberá 200 livros. Os projetos inscritos serão avaliados em duas etapas. A primeira, feita pelo Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec). Serão levados em consideração quesitos como contexto, inteligibilidade, pertinência, organização, profundidade, multiletramento, adequação, linguagem e resultados. Os 40 projetos mais bem pontuados passarão para a segunda etapa, quando serão selecionados os 10 finalistas de cada categoria, os vencedores e as menções honrosas. 

Isadora Neumann / Agencia RBS
A turma garante que foi o trabalho mais marcante desenvolvido na escolaIsadora Neumann / Agencia RBS

Saiba mais sobre a edição 2019

7ª Edição do Prêmio RBS de Educação
Inscrições: 1º de agosto a 12 de setembro, pelo site oficial premiorbsdeeducacao.com.br
Categorias: Escola Pública e Escola Privada
Menções honrosas para projetos que, por meio da leitura, debatam temas como Meio Ambiente, Cidadania, Gênero, Raça e Inclusão (Acessibilidade).
O site do prêmio também tem uma linha formativa, que oferece gratuitamente um curso online sobre Mediação de Leitura, destinado a profissionais que queiram aperfeiçoar suas práticas em sala de aula ou pessoas que queiram aprender sobre a prática.
A ferramenta traz informações sobre leitura e sobre o papel do mediador, apresentando estratégias de mediação para que todos os interessados possam refletir sobre as ações que desenvolvem, tendo subsídio para aprimorá-las.

A premiação

Escola pública
1º lugar: R$ 5 mil + 200 livros
2º lugar: R$ 3 mil
3º lugar: R$ 2 mil
Finalistas: R$ 1 mil
Voto popular: R$ 1 mil + entrada no Fronteiras do Pensamento
Escola privada
1º lugar: R$ 5 mil + 200 livros
2º lugar: R$ 3 mil
3º lugar: R$ 2 mil
Finalistas: R$ 1 mil
Voto popular: R$ 1 mil + entrada no Fronteiras do Pensamento
As cinco menções honrosas escolhidas pelo júri técnico receberão, cada, R$ 1 mil. Cada um dos 20 finalistas será presenteado com um kindle.

Como acessar os Cadernos de Replicação

* Os Cadernos de Replicação podem ser acessados gratuitamente no site do Prêmio RBS de Educação.
* É possível baixar o compilado sobre os 20 projetos finalistas da edição de 2018 do prêmio e também conferir o caderno específico de cada iniciativa.
* Qualquer pessoa pode ter acesso ao conteúdo, basta inserir o nome completo e um e-mail de identificação antes de baixar o material.

Fonte: GaúchaZH

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …