Pular para o conteúdo principal

Quem foi Primo Levi e por que sua obra ainda é atual

Dia 31 de julho de 2019 é comemorado o centenário de nascimento de Primo Levi (Foto: Wikimedia Commons)
DIA 31 DE JULHO DE 2019 É COMEMORADO O CENTENÁRIO DE NASCIMENTO DE PRIMO LEVI (FOTO: WIKIMEDIA COMMONS)
Foi na literatura que Primo Levi, sobrevivente do Holocausto, encontrou uma forma de falar sobre o horror nazista. De sua experiência surgiu o livro É isto um homem?, publicado em 1947, em que ele retrata o que viu no período e como era o tratamento desumano aos prisioneiros nos campos de concentração.
Neste dia 31 de julho é comemorado o centenário do nascimento do autor cuja obra continua sendo extremamente importante para estudar o nazismo. 
Levi cresceu em Turim, na Itália, em uma família judia. Ele se formou em química na Universidade de Turim, em 1941, apesar de o governo fascista ter promulgado a lei racial proibindo os cidadãos judeus de estudarem em faculdades públicas. Em 1943 se juntou à resistência contra o fascimo, mas foi preso algumas semanas mais tarde.
Ao revelar sua origem judaica, foi deportado para Auschwitz, um dos mais famosos campos de concentração do nazismo. Levi viajou em fevereiro de 1944, a bordo de um trem com 650 mulheres, homens e crianças. Apenas 120 deles foram admitidos como prisioneiros, todos os outros foram assassinados imediatamente em câmaras de gás. No final da guerra, Levi era um dos únicos sobreviventes de seu trem.
Ele considera sua sobrevivência um caso de sorte: graças a seus conhecimentos em química, Levi foi convocado para trabalhar em um dos laboratórios do campo de concentração, o que permitiu que ele ficasse em um ambiente fechado e sobrevivesse ao inverno rigoroso – e escapasse da câmara de gás. 
Levi ficou em Auschwitz até janeiro de 1945, quando voltou para a Itália e decidiu começar a sua obra. Em É isto um homem? o autor usa sua visão de pesquisador para descrever Auschwitz sem colocar sua própria emoção. A obra faz uma análise da maneira como os nazistas tratavam os prisioneiros, como se eles não fossem humanos, vivendo em uma situação degradante sem água, comida e sendo obrigados a trabalhar até a completa exaustão — e a morte.
Quando terminou de escrever, Levi teve dificuldade em encontrar uma editora que concordasse publicar o livro, já que o assunto não era de interesse público na época. A obra foi lançada pela primeira vez com apenas 1.400 cópias; mas, em 1958, a renomada editora italiana Einaudi aceitou republicar com mais unidades.
O escritor também voltou a trabalhar como químico, mas sem deixar de lado a carreira na literatura. Ele inclusive juntou as duas áreas na obra The Periodic Table, um livro de contos em que dedica cada uma das 21 experiências autobiográficas a um elemento químico cujas propriedades são parte da narrativa.
Primo Levi morreu em Turim, no dia 11 de abril de 1987, após cair no vão da escada interna do prédio de três andares onde vivia. A sua morte até hoje é misteriosa pois não se sabe se foi uma queda acidental, um suicídio ou um homicídio. 
Revista Galileu

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…